Portal de Leis da China - CJO

Encontre as leis e documentos públicos oficiais da China em inglês

InglêsArabeChinês (simplificado)DutchFrancêsAlemãohindiItalianoJapaneseKoreanPortuguêsRussoEspanholsuecohebraicoIndonesianvietnamitatailandêsturcoMalay

Código Civil da China: Contrato do Livro III (2020)

民法典 第三 编 合同

Tipo de leis Escritórios de

Organismo emissor Congresso de pessoas nacionais

Data de promulgação 28 de maio de 2020

Data efetiva 01 de Janeiro, 2021

Status de validade Válido

Âmbito de aplicação Em todo o país

Tópico (s) Lei civil Código Civil

Editor (es) CJ Observer Xinzhu Li 李欣 烛

Código Civil da República Popular da China
(Aprovado na Terceira Sessão do Décimo Terceiro Congresso Nacional do Povo em 28 de maio de 2020)
Livro Três Contratos
Parte Um Provisões Gerais
Capítulo I Regras Gerais
Artigo 463.º Este Livro regula as relações civis decorrentes dos contratos.
Artigo 464.º O contrato é o acordo que visa o estabelecimento, modificação ou extinção de uma relação jurídica civil entre pessoas de direito civil.
Um acordo sobre o estabelecimento de casamento, adoção, tutela ou relações pessoais semelhantes será regido pelas disposições das leis que estabelecem tais relações pessoais; na ausência de tais disposições, as disposições deste Livro podem ser aplicadas mutatis mutandis de acordo com a natureza de tais acordos.
Artigo 465.º O contrato celebrado nos termos da lei é protegido por lei.
Um contrato firmado de acordo com a lei é juridicamente vinculativo apenas para as partes, a menos que disposto em contrário por lei.
Artigo 466.º Em caso de divergência entre as partes quanto ao entendimento de uma cláusula contratual, o significado da cláusula controvertida é determinado de acordo com o disposto no primeiro parágrafo do artigo 142.º do presente Código.
Quando o contrato for celebrado em duas ou mais línguas que se convencionem fazer igualmente fé, presume-se que as palavras e frases utilizadas em cada texto têm o mesmo significado. Quando as palavras e frases usadas em cada texto são inconsistentes, a interpretação das mesmas deve ser feita de acordo com as cláusulas relacionadas, a natureza e o propósito do contrato e o princípio de boa fé e semelhantes.
Artigo 467 Para um contrato não explicitamente previsto neste Código ou outras leis, as Disposições Gerais deste Livro serão aplicadas, e as disposições deste Livro e outras leis sobre um contrato que seja mais semelhante ao referido contato podem ser aplicadas mutatis mutandis.
As leis da República Popular da China aplicam-se aos contratos de joint venture Sino-estrangeira de capital, contratos de joint venture contratual sino-estrangeira ou contratos de cooperação sino-estrangeira na exploração e exploração de recursos naturais a serem executados dentro o território da República Popular da China.
Artigo 468.º À relação credor-devedor que não resulte de contrato, aplicam-se as disposições legais relativas a essas relações; na ausência de tais disposições, serão aplicadas as disposições pertinentes das Disposições Gerais deste Livro, a menos que não o sejam com base na natureza da relação credor-devedor.
Capítulo II Conclusão de Contratos
Artigo 469.º As partes podem celebrar o contrato por escrito, oralmente ou por outras formas. Uma escrita refere-se a qualquer forma que torne o conteúdo nela contido capaz de ser representado em uma forma tangível, como um acordo escrito, carta, telegrama, telex ou fax.
Uma mensagem de dados em qualquer formato, como intercâmbio eletrônico de dados e e-mails, que torne o conteúdo nela contido capaz de ser representado em uma forma tangível e acessível para referência e uso a qualquer momento, será considerada como uma escrita.
Artigo 470 O conteúdo de um contrato deve ser acordado entre as partes e geralmente inclui as seguintes cláusulas:
(1) nome ou designação e domicílio de cada parte;
(2) objetos;
(3) quantidade;
(4) qualidade;
(5) preço ou remuneração;
(6) período de tempo, local e forma de execução;
(7) responsabilidade de inadimplência; e
(8) resolução de disputas.
As partes podem celebrar um contrato com referência aos vários tipos de contratos-modelo.
Artigo 471.º As partes podem celebrar o contrato por meio de oferta e aceitação ou por outros meios.
Artigo 472 A oferta é a expressão da intenção de celebrar um contrato com outra pessoa, e a expressão de intenção deve obedecer às seguintes condições:
(1) o conteúdo deve ser específico e definitivo; e
(2) nela se indica que o ofertante deve ser vinculado por sua expressão de intenção após a aceitação por um destinatário.
Artigo 473.º O convite a oferecer é a manifestação de que uma pessoa espera que outra lhe faça uma oferta. Anúncios de leilões, anúncios de licitações, prospectos de ações, prospectos de títulos, prospectos de fundos, anúncios comerciais e promoções e catálogos de preços enviados e semelhantes são convites a serem oferecidos.
O anúncio comercial e a promoção constituem oferta se o seu conteúdo obedecer às condições de oferta.
Artigo 474.º A data de entrada em vigor da oferta rege-se pelo disposto no artigo 137.º deste Código.
Artigo 475. A oferta pode ser retirada. A retirada de uma oferta reger-se-á pelo disposto no artigo 141 deste Código.
Artigo 476. A oferta pode ser revogada, a menos que em qualquer das seguintes circunstâncias:
(1) o oferente indicou explicitamente que a oferta é irrevogável, especificando um prazo para aceitação ou de qualquer outra forma; ou
(2) o destinatário tem razões para acreditar que a oferta é irrevogável e o destinatário fez preparativos razoáveis ​​para executar o contrato.
Artigo 477.º Quando a manifestação de intenção de revogar uma oferta for feita em comunicação em tempo real, o conteúdo dessa expressão de intenção deve ser conhecido do destinatário antes de o destinatário dar a sua aceitação; quando uma manifestação de intenção de revogar uma oferta não for feita em uma comunicação em tempo real, ela deve chegar ao destinatário antes que o destinatário faça uma aceitação.
Artigo 478 Uma oferta torna-se inválida em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) a oferta é rejeitada;
(2) a oferta for revogada de acordo com a lei;
(3) o destinatário não faz nenhuma aceitação antes do término do prazo para aceitação; ou
(4) o destinatário altera materialmente o conteúdo da oferta.
Artigo 479.º A aceitação é a expressão da vontade do destinatário de aceitar a oferta.
Artigo 480. A aceitação far-se-á por meio de aviso prévio, salvo que a aceitação poderá ser feita mediante a prática de ato conforme o curso das negociações das partes ou conforme indicado na oferta.
Artigo 481.º A aceitação deve chegar ao oferente no prazo fixado na oferta.
Quando nenhum limite de tempo para aceitação for especificado na oferta, a aceitação deverá chegar ao oferente de acordo com as seguintes disposições:
(1) quando uma oferta for feita em uma comunicação em tempo real, a aceitação deve ser feita prontamente; ou
(2) quando uma oferta não for feita em uma comunicação em tempo real, o aviso de aceitação deverá chegar ao ofertante dentro de um período de tempo razoável.
Art. 482 Quando a oferta for feita por meio de carta ou telegrama, o prazo de aceitação será contado a partir da data indicada na carta ou da data de entrega do telegrama para envio ou, na falta dessa data, no carta, a partir da data de envio indicada pelo carimbo do correio da mesma. Quando a oferta for efetuada por meio de comunicações instantâneas, como telefonemas, fac-símiles ou e-mails, o prazo de aceitação será contado a partir do momento em que a oferta chegar ao destinatário.
Artigo 483.º O contrato é celebrado no momento em que a aceitação se torna efetiva, salvo disposição em contrário da lei ou acordo das partes.
Artigo 484.º No caso de aceitação por meio de aviso prévio, o momento em que a aceitação produz efeitos rege-se pelo disposto no artigo 137.º deste Código.
Quando um aviso de aceitação não é necessário, a aceitação torna-se efetiva quando um ato de aceitação é realizado de acordo com o curso de negociação das partes ou conforme indicado pela oferta.
Artigo 485. A aceitação pode ser retirada. As disposições do artigo 141 deste Código aplicam-se à retirada de uma aceitação.
Artigo 486 Quando um destinatário faz uma aceitação para além do prazo para aceitação, ou quando a aceitação é feita dentro do prazo para aceitação, mas não pode chegar ao oferente a tempo em circunstâncias normais, tal aceitação constitui uma nova oferta, a menos que o oferente atempadamente notifica o destinatário de que a aceitação é efetiva.
Cláusula 487 Quando um destinatário faz um aviso de aceitação dentro do prazo para aceitação, se o aviso teria chegado ao oferente a tempo em circunstâncias normais, mas atingir o oferente além do prazo por outros motivos, a aceitação será efetiva a menos que o ofertante atempadamente notifica o destinatário de que a aceitação não é aceita por ultrapassar o prazo de aceitação.
Artigo 488.º O conteúdo da aceitação deve ser consistente com o conteúdo da oferta. Caso o destinatário proponha na aceitação qualquer alteração material ao conteúdo da oferta, esta constituirá uma nova oferta. Uma alteração relativa ao objeto do contrato, quantidade, qualidade, preço ou remuneração, período de execução, local e forma de execução, responsabilidade por inadimplência, métodos de resolução de litígios ou semelhantes é uma alteração material do conteúdo de um oferecer.
Artigo 489. Quando uma aceitação faz uma alteração imaterial à oferta, a aceitação deve ser efetiva e o conteúdo do contrato deve ser alterado pela aceitação, a menos que o oferente se oponha a tempo, ou a oferta indique que uma aceitação não pode fazer qualquer alteração no conteúdo da oferta.
Artigo 490.º Quando as partes celebram um contrato por escrito, o contrato é celebrado no momento em que todas as partes assinam, carimbam ou colocam as suas impressões digitais no memorando. Antes de assinar, carimbar ou colocar suas impressões digitais, quando uma das partes já cumpriu a obrigação principal e a outra parte aceitou a execução, o contrato é formado no momento da aceitação.
Quando um contrato deve ser celebrado por escrito de acordo com as leis ou regulamentos administrativos ou acordado entre as partes e as partes não conseguem fazer o contrato por escrito, se uma das partes já cumpriu a obrigação principal e a outra parte aceitou execução, o contrato é formado no momento de tal aceitação.
Artigo 491.º Quando as partes celebram um contrato sob a forma de carta, mensagem de dados ou semelhante, e é exigida a assinatura de uma carta de confirmação, o contrato é formado no momento da assinatura da carta de confirmação.
Quando as informações sobre bens ou serviços publicados por uma parte por meio da rede de informações, como a Internet, estão em conformidade com as condições de uma oferta, a menos que acordado de outra forma pelas partes, um contrato é formado no momento em que a outra parte escolhe tal produto ou serviço e envia o pedido com sucesso.
Artigo 492.º O lugar onde a aceitação produz efeitos é o lugar onde é celebrado o contrato.
Quando um contrato é celebrado na forma de mensagem de dados, a menos que acordado de outra forma pelas partes, o local principal de negócios do destinatário é o local onde o contrato é formado; na ausência de estabelecimento principal, o domicílio do destinatário é o local onde o contrato é celebrado.
Artigo 493.º Quando as partes celebram um contrato sob a forma de memorando de contrato, salvo acordo em contrário entre as mesmas, o lugar onde o contrato é definitivamente assinado, editado ou obtido a impressão digital é o lugar onde o contrato é celebrado.
Artigo 494 Quando o Estado emite uma ordem de compra do Estado ou uma atribuição obrigatória de acordo com as necessidades, tais como emergência e alívio de desastres, prevenção e controle de pandemia, ou semelhantes, as pessoas da lei civil em causa devem celebrar um contrato em conformidade com o direitos e obrigações previstos nas leis e regulamentos administrativos relevantes.
A parte que tem a obrigação de fazer uma oferta de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos deve fazer uma oferta razoável em tempo hábil.
A parte que tem a obrigação de fazer uma aceitação de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos não deve rejeitar a solicitação razoável da outra parte para celebrar um contrato.
Artigo 495.º Uma carta de subscrição, carta de ordem e carta de reserva e semelhantes, em que as partes concordam em celebrar um contrato dentro de um determinado período de tempo no futuro, constitui um contrato preliminar.
Quando uma das partes não cumpre a obrigação de celebrar um contrato acordado no contrato preliminar, a outra parte pode solicitar a essa parte a responsabilidade pela violação do contrato preliminar.
Artigo 496.º Cláusula-tipo refere-se a cláusula formulada previamente por uma das partes para efeitos de utilização repetida e que não tenha sido negociada com a outra parte aquando da celebração do contrato.
Ao concluir um contrato, onde uma cláusula padrão é usada, a parte que fornece a cláusula padrão deve determinar os direitos e obrigações das partes de acordo com o princípio da justiça e deve, de forma razoável, chamar a atenção da outra parte para a cláusula em relação aos principais interesses e preocupações da outra parte, como uma cláusula que isenta ou alivia a responsabilidade da parte que fornece a cláusula padrão, e fornece explicações de tal cláusula mediante solicitação da outra parte. Quando a parte que fornece a cláusula padrão falha em cumprir a obrigação acima mencionada de chamar a atenção ou dar explicações, resultando na falha da outra parte em prestar atenção ou compreender a cláusula relativa aos seus principais interesses e preocupações, a outra parte pode alegar que tal cláusula não se torna parte do contrato.
Artigo 497 Uma cláusula padrão é nula em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) existência de uma circunstância em que a cláusula é nula, conforme previsto na Seção 3 do Capítulo VI do Livro Um e no Artigo 506 deste Código;
(2) a parte que fornece a cláusula padrão isenta ou alivia injustificadamente a responsabilidade, impõe responsabilidade mais pesada à outra parte ou restringe os direitos principais da outra parte; ou
(3) a parte que fornece a cláusula padrão priva a outra parte de seus direitos principais.
Art. 498. Em caso de controvérsia sobre o entendimento de uma cláusula-padrão, a cláusula deve ser interpretada de acordo com o seu entendimento comum.
Quando houver duas ou mais interpretações de uma cláusula padrão, a cláusula deve ser interpretada de maneira desfavorável para a parte que fornece a cláusula padrão. Quando uma cláusula padrão é inconsistente com uma cláusula não padronizada, a cláusula não padronizada deve prevalecer.
Artigo 499 Quando um recompensador, por meio de um anúncio público, promete pagar uma recompensa a qualquer pessoa que tenha realizado um determinado ato, a pessoa que tiver concluído o ato poderá solicitar ao recompensador o pagamento.
Cláusula 500 Durante o curso da celebração de um contrato, a parte que se enquadrar em qualquer uma das seguintes circunstâncias e causar prejuízo à outra parte será responsável pela indenização:
(1) sob o pretexto de celebração de um contrato, envolvendo-se em consulta com intenção maliciosa;
(2) ocultar intencionalmente fatos relevantes ou fornecer informações falsas sobre a conclusão do contrato; ou
(3) praticar quaisquer outros atos contrários ao princípio da boa fé.
Artigo 501.º As partes não devem divulgar ou utilizar indevidamente os segredos comerciais ou outras informações confidenciais que se obtenham no decurso da celebração do contrato, independentemente da sua celebração ou não. A parte que divulgar ou usar indevidamente esses segredos comerciais ou informações e, assim, causar prejuízos à outra parte, será responsável pela indenização.
Capítulo III Efeito dos Contratos
Artigo 502.º O contrato celebrado nos termos da lei entra em vigor na data da sua celebração, salvo disposição em contrário da lei ou acordo das partes.
Quando houver leis ou regulamentos administrativos que determinem que um contrato esteja sujeito à aprovação e outros procedimentos, tais disposições devem ser seguidas. Quando a falha na conclusão da aprovação ou de outros procedimentos afetar a validade do contrato, a validade das cláusulas relativas ao cumprimento de uma obrigação de arquivamento para aprovação e semelhantes, e as outras cláusulas relevantes do contrato não serão afetadas . Se a parte obrigada a preencher o pedido de aprovação ou outros procedimentos não o fizer, a outra parte poderá solicitar à primeira parte que assuma a responsabilidade pelo descumprimento dessa obrigação.
Quando houver leis ou regulamentos administrativos determinando que a modificação, atribuição ou rescisão de um contrato esteja sujeita à aprovação ou outros procedimentos, tais disposições devem ser seguidas.
Artigo 503.º Quando uma pessoa sem autoridade celebra um contrato em nome de um mandante, e se o mandante já começou a cumprir as obrigações contratuais ou aceitou a execução da outra parte, o contrato é considerado ratificado.
Artigo 504 Quando o representante legal de uma pessoa jurídica ou o responsável de uma organização sem personalidade jurídica celebra um contrato ultra vires, tal ato é eficaz e o contrato vincula a pessoa jurídica ou a organização sem personalidade jurídica, a menos que a outra parte saiba ou deva ter saber que o representante legal ou o responsável age ultra vires.
Artigo 505 Quando as partes concluem um contrato além do seu âmbito de negócios, a validade do contrato será determinada de acordo com as disposições da Seção 3 do Capítulo VI do Livro Um deste Código e deste Livro, e o contrato não será determinado como inválido unicamente por estar além de seu escopo de negócios.
Artigo 506. É nula a cláusula de exculpação do contrato que isenta a responsabilidade nos seguintes atos:
(1) causar danos físicos à outra parte; ou
(2) causar perdas à propriedade da outra parte intencionalmente ou devido a negligência grave.
Artigo 507.º Quando um contrato não produz efeitos ou seja nulo, revogado ou rescindido, não é afetada a validade da cláusula relativa à resolução de litígios.
Artigo 508.º A validade de um contrato que não seja abrangida pelas disposições deste Livro rege-se pelas disposições pertinentes do Capítulo VI do Livro Um deste Código.
Capítulo IV Execução de Contratos
Art. 509. As partes cumprirão integralmente as respectivas obrigações contratadas.
As partes cumprirão o princípio da boa fé e cumprirão obrigações como o envio de notificações, a prestação de assistência e a manutenção da confidencialidade de acordo com a natureza e o propósito do contrato e o andamento da negociação.
As partes devem evitar o desperdício de recursos, poluir o meio ambiente ou prejudicar a ecologia durante a execução do contrato.
Cláusula 510 Quando as partes não concordarem sobre conteúdos como qualidade, preço ou remuneração, local de execução e semelhantes, ou o acordo não for claro, após a entrada em vigor do contrato, as partes poderão celebrar um acordo complementar; caso as partes não cheguem a um acordo complementar, esse conteúdo será determinado de acordo com as cláusulas pertinentes do contrato ou do procedimento de negociação.
Artigo 511 Quando um acordo entre as partes sobre o conteúdo do seu contrato não é claro e tal conteúdo não pode ser determinado de acordo com as disposições do artigo anterior, as seguintes disposições devem ser aplicadas:
(1) quando os requisitos de qualidade não são claramente estipulados, o contrato deve ser executado de acordo com uma norma nacional obrigatória, ou uma norma nacional recomendatória na ausência de uma norma nacional obrigatória, ou o padrão da indústria na ausência de uma padrão nacional recomendatório. Na ausência de quaisquer normas nacionais ou industriais, o contrato será executado de acordo com a norma geral ou uma norma específica conforme ao objeto do contrato.
(2) caso o preço ou a remuneração não sejam claramente estipulados, o contrato deve ser executado de acordo com o preço de mercado vigente no local da execução no momento da celebração do contrato. Quando o preço estabelecido ou orientado pelo governo for aplicado conforme exigido por lei, o contrato será executado com base nesse preço.
(3) quando o local de execução não for claramente estipulado, o contrato deve ser executado no local da parte que recebe o dinheiro em que o pagamento está envolvido, ou, quando o imóvel deve ser entregue, no local onde o imóvel está localizado. Para as demais matérias, o contrato deverá ser executado no local onde se encontra a parte executora da obrigação.
(4) quando o período de execução não for claramente estipulado, o devedor pode cumprir suas obrigações a qualquer momento, e o credor pode solicitar que o devedor o execute a qualquer momento, desde que ele dê ao devedor o tempo necessário para a preparação;
(5) quando o modo de execução não for claramente estipulado, o contrato deve ser executado de forma a atingir o objetivo do contrato; e
(6) quando a alocação de despesas para o desempenho não for claramente estipulada, as despesas serão suportadas pela parte que cumpre a obrigação; se as despesas de execução forem aumentadas por motivo do credor, este suportará a parte acrescida das despesas.
Artigo 512 Quando o objecto de um contrato electrónico celebrado através da Internet ou outra rede de informação for a entrega de bens e os bens devam ser entregues por serviços de entrega expresso, o prazo de entrega é o momento do aviso de recepção dos bens pelo destinatário. Quando o objeto do referido contrato eletrónico for a prestação de serviços, o tempo de prestação do serviço é o tempo indicado no certificado eletrónico gerado automaticamente ou no certificado físico. Quando não houver tempo declarado em tal certificado ou o tempo nele declarado for inconsistente com o tempo real para a prestação do serviço, o tempo real para a prestação do serviço deverá prevalecer.
Quando o objeto do referido contrato eletrônico é entregue por transmissão online, o momento da entrega é o momento em que o objeto do contrato entra no sistema específico designado pela outra parte e pode ser pesquisado e identificado.
Quando as partes do referido contrato eletrônico acordarem de outra forma sobre o modo e o tempo de entrega de bens ou prestação de serviços, tal acordo deverá ser cumprido.
Artigo 513.º Quando um preço fixado ou orientado pelo governo for adoptado num contrato, se o referido preço for ajustado dentro do período de entrega estipulado no contrato, o preço do contrato será o preço ajustado no momento da entrega. Quando ocorrer uma entrega em atraso do objeto, o preço do contrato será o preço original se o preço aumentar no momento da entrega, ou o preço ajustado se o preço cair no momento da entrega. Quando ocorrer atraso na entrega do objeto ou pagamento em atraso, o preço do contrato será o preço ajustado se o preço aumentar, ou o preço original se o preço cair.
Artigo 514.º Quando a obrigação é o pagamento de dinheiro, salvo disposição em contrário da lei ou acordado entre as partes, o credor pode solicitar ao devedor o cumprimento da obrigação na moeda legal do lugar da execução efetiva.
Artigo 515 Quando um contrato tem vários objetos e o devedor é obrigado a cumprir apenas um deles, o devedor tem o direito de escolha de escolher o objeto a cumprir, salvo disposição em contrário da lei ou acordado pelas partes, ou de outra forma determinado pelo curso de lidar.
Se a parte com direito de escolha não fizer a escolha dentro do período acordado ou após o término do período de desempenho, e ainda assim não fizer a escolha dentro de um período de tempo razoável após ser exigida, o direito de escolha será alterado para a outra parte.
Artigo 516.º As partes notificam prontamente a outra parte no exercício do direito de escolha, devendo o objecto do contrato a cumprir ser averiguado no momento em que tal notificação chegue à outra parte. O objeto apurado não deve ser alterado, a menos que de outra forma consentido pela outra parte.
Quando um dos objetos disponíveis para escolha se tornar impossível de realizar, a parte com direito de escolha não poderá escolher tal objeto para realizar, a menos que a impossibilidade de realizar seja causada pela outra parte.
Artigo 517.º Havendo dois ou mais credores, se o bem for divisível e cada credor tiver direito ao crédito na proporção da sua parte, o crédito é por acção; se houver dois ou mais devedores, se o objeto for divisível e cada devedor assumir a obrigação na proporção da sua parte, então a obrigação é uma obrigação por ação.
Quando for difícil determinar a parte entre os credores com um crédito por ação ou os devedores com uma obrigação por ação, cada um é considerado como tendo ou assumindo uma parte igual.
Artigo 518 Quando houver dois ou mais credores, e qualquer um ou todos os credores podem requerer ao devedor o cumprimento da obrigação, o seu crédito é solidário; se houver dois ou mais devedores, e o credor puder solicitar a algum ou todos os devedores o cumprimento integral da obrigação, a obrigação é solidária.
Uma reclamação solidária ou uma obrigação solidária deve ser prevista por lei ou acordada entre as partes.
Artigo 519.º Sempre que seja difícil determinar a quota-parte das obrigações dos devedores que assumem responsabilidades solidárias, considera-se que cada devedor deve uma parte igual.
Um devedor que assuma responsabilidades solidárias que tenha assumido obrigações superiores à sua própria participação tem o direito de contribuir contra os outros devedores assumindo responsabilidades solidárias na extensão da participação não desempenhada pelos outros devedores e, consequentemente, terá direito a os direitos de um credor, desde que os interesses dos demais credores não sejam prejudicados. As defesas dos outros devedores que assumem responsabilidades solidárias contra o credor podem ser opostas a esse devedor.
Quando um devedor que assume responsabilidades solidárias contra as quais o direito à contribuição é reivindicado é incapaz de cumprir a parte que é responsável por assumir, os outros devedores que assumem responsabilidades solidárias devem ser responsáveis ​​pela parte relevante da obrigação em um pro rata base.
Artigo 520 Quando um dos devedores que assumem responsabilidades solidárias tiver cumprido a sua obrigação, compensado a sua obrigação, ou colocado o objeto da obrigação em depósito, a obrigação dos outros devedores devidos ao credor extingue-se na medida correspondente, e esse devedor tem direito a contribuições contra os outros devedores, de acordo com as disposições do artigo anterior.
Quando a obrigação de um dos devedores de assumir responsabilidades solidárias é exonerada pelo credor, a obrigação dos outros devedores de assumir responsabilidades solidárias devidas ao credor extingue-se na medida da parte que esse devedor assume.
Quando a obrigação de um dos devedores assumindo responsabilidades solidárias se fundiu com o crédito do credor a ser detido pela mesma pessoa, após dedução dessa parte da obrigação, o crédito do credor contra os outros devedores assumindo responsabilidades solidárias continua a existir.
Quando um credor demora a aceitar o desempenho de um dos devedores que assume responsabilidades solidárias, esse atraso tem efeito sobre os outros devedores que assumem responsabilidades solidárias.
Artigo 521.º Quando for difícil determinar a parte entre os credores com créditos solidários, considera-se que cada credor tem uma parte igual.
O credor que tenha aceite o cumprimento da obrigação que exceda a sua parte deve reembolsar os outros credores com créditos solidários com ele numa base pro rata.
As disposições relevantes sobre uma obrigação solidária neste Capítulo podem ser aplicadas a uma reivindicação solidária mutatis mutandis.
Artigo 522.º Quando as partes acordam que o devedor deve cumprir a obrigação para com um terceiro, se o devedor não cumprir a obrigação para com o terceiro ou se a execução não for conforme com o acordo, o devedor será responsável pela mora perante o credor.
Quando for previsto por lei ou acordado pelas partes que um terceiro pode solicitar diretamente ao devedor que cumpra a obrigação para com ele, e o terceiro não o rejeitar explicitamente dentro de um período de tempo razoável, se o devedor não cumprir o obrigação para com o terceiro ou a execução não conforme com o acordo, o terceiro pode requerer ao devedor a responsabilidade de mora. As defesas que o devedor tem contra o credor podem ser opostas a terceiro.
Artigo 523.º Quando as partes acordam que a obrigação deve ser cumprida por um terceiro para com o credor, se o terceiro não cumprir a obrigação ou se a execução não for conforme ao acordo, o devedor assume a responsabilidade pelo credor.
Artigo 524.º Quando um devedor não cumpre uma obrigação e um terceiro tem um interesse legítimo no cumprimento da obrigação, o terceiro tem o direito de o cumprir perante o credor em nome do devedor, a menos que a obrigação só possa ser cumprida pelo devedor com base na natureza da obrigação, conforme acordado pelas partes, ou nos termos da lei.
Depois de o credor aceitar o cumprimento dessa obrigação por parte do terceiro, o seu crédito contra o devedor será transferido para o terceiro, salvo acordo em contrário entre o devedor e o terceiro.
Artigo 525.º Quando as partes têm obrigações mútuas e existe uma ordem de cumprimento das obrigações, as partes cumprirão as obrigações ao mesmo tempo. Qualquer parte tem o direito de rejeitar a solicitação de desempenho da outra parte antes que a outra parte execute. Qualquer parte tem o direito de rejeitar o pedido da outra parte para o desempenho correspondente se o desempenho da outra parte não estiver em conformidade com o acordo.
Artigo 526 Quando as partes têm obrigações mútuas e existe uma ordem de cumprimento das obrigações, se a parte obrigada a cumprir primeiro não cumprir a obrigação, a parte obrigada a cumprir posteriormente tem o direito de rejeitar o pedido de cumprimento feito por essa parte. Quando a execução da parte obrigada a cumprir primeiro não estiver em conformidade com o contrato, a parte obrigada a cumprir posteriormente tem o direito de indeferir o pedido formulado pela primeira parte para o cumprimento da obrigação correspondente.
Artigo 527 Uma parte obrigada a cumprir a obrigação em primeiro lugar pode suspender a sua execução se houver evidência definitiva que prove que a outra parte se enquadra em qualquer uma das seguintes situações:
(1) suas condições de operação estão seriamente deterioradas;
(2) transfere propriedade ou retira capital para evitar dívidas;
(3) a boa vontade de seus negócios foi perdida; ou
(4) há outra circunstância em que ele perdeu ou está perdendo sua capacidade de cumprir a obrigação.
A parte que suspender a execução sem tal evidência definitiva será responsável por inadimplência.
Artigo 528.º A parte que suspende a execução de acordo com as disposições do artigo anterior deve notificar atempadamente a outra parte. A execução será retomada se a outra parte fornecer uma garantia adequada. Após uma parte suspender seu desempenho, quando a outra parte deixar de restaurar sua capacidade de cumprir a obrigação e deixar de fornecer uma garantia apropriada dentro de um período de tempo razoável, será considerado como uma indicação por meio de seu ato de que a parte não cumprir sua obrigação principal, podendo a parte que suspender a execução rescindir o contrato e solicitar à outra parte a responsabilidade pelo inadimplemento.
Artigo 529 Quando o cumprimento de uma obrigação por um devedor se tornou difícil devido ao motivo de o credor não notificar o devedor de que se dividiu em duas ou mais entidades, se fundiu com outra entidade ou mudou seu domicílio, o devedor pode suspender a execução ou colocar o assunto em depósito.
Artigo 530.º O credor pode rejeitar o cumprimento antecipado da obrigação pelo devedor, a menos que o cumprimento antecipado não prejudique os interesses do credor.
Quaisquer despesas adicionais incorridas para o credor devido ao cumprimento antecipado da obrigação por parte do devedor serão suportadas pelo devedor.
Artigo 531.º O credor pode rejeitar a execução parcial da obrigação pelo devedor, a menos que a execução parcial não prejudique os interesses do credor.
Quaisquer despesas adicionais incorridas para o credor devido ao cumprimento parcial da obrigação pelo devedor serão suportadas pelo devedor.
Artigo 532.º Após a entrada em vigor de um contrato, nenhuma das partes pode deixar de cumprir as suas obrigações contratuais com o fundamento de que o nome de qualquer das partes ou o nome da entidade, o representante legal, a pessoa responsável ou a pessoa que manuseia o contrato foram alterados.
Artigo 533.º Após a celebração do contrato, quando uma condição fundamental com base na qual o contrato é celebrado é significativamente alterada, que são imprevisíveis pelas partes no momento da celebração do contrato e que não constituem um dos riscos comerciais, se a continuação da execução do contrato for manifestamente injusto para uma das partes, a parte adversamente afetada pode renegociar com a outra parte; quando tal acordo não puder ser alcançado dentro de um período de tempo razoável, as partes podem solicitar ao tribunal popular ou a uma instituição de arbitragem para retificar ou rescindir o contrato.
O tribunal popular ou a instituição arbitral deverão retificar ou rescindir o contrato de acordo com o princípio da equidade, levando em consideração as reais circunstâncias do caso.
Artigo 534.º Quando as partes se aproveitam do contrato para cometer um acto que põe em perigo os interesses do Estado e do público, a autoridade reguladora do mercado e outras autoridades administrativas competentes serão responsáveis ​​pela supervisão e tratamento do mesmo em conformidade com o disposto nas leis e regulamentos administrativos. .
Capítulo V Preservação de Contratos
Artigo 535 Quando o direito do devedor contra uma contraparte, ou um direito acessório relacionado com o mesmo, não tiver sido reclamado contra a contraparte devido à indolência do devedor, e a execução do devido crédito do credor for assim adversamente afetada, o credor pode requerer ao tribunal popular permitir-lhe exercer, por sub-rogação, o crédito do devedor contra a contraparte do devedor em seu próprio nome, a menos que esse crédito pertença exclusivamente ao próprio devedor.
O âmbito do direito de sub-rogação limita-se ao crédito devido ao credor. As despesas necessárias para que o credor exerça o direito de sub-rogação ficam a cargo do devedor.
As defesas da contraparte contra o devedor podem ser opostas ao credor.
Artigo 536 Antes da data de vencimento do crédito do credor, se houver uma circunstância em que o prazo de prescrição para o crédito principal do devedor ou um direito acessório relacionado com o mesmo expire, ou o devedor não declare atempadamente o seu crédito num processo de falência , e a execução do crédito do credor é assim adversamente afetada, o credor pode, por sub-rogação, solicitar à contraparte do devedor que cumpra sua obrigação para com o devedor, declarar o crédito do devedor ao administrador da falência ou tomar outros atos necessários.
Artigo 537.º Quando o tribunal popular determinar que foi instituído o direito de sub-rogação, a contraparte do devedor cumpre a obrigação para com o credor. Após a aceitação da execução pelo credor, extinguem-se os direitos e obrigações correspondentes entre o credor e o devedor e entre o devedor e a contraparte. Sempre que o crédito do devedor ou um crédito acessório relacionado com a contraparte estiver sujeito a medidas de preservação ou execução, ou se o devedor entrar em falência, será tratado de acordo com as disposições da legislação pertinente.
Artigo 538 Quando um devedor dispõe gratuitamente de seus direitos e interesses de propriedade renunciando às suas reivindicações, renunciando à garantia de suas reivindicações ou transferindo suas propriedades sem contraprestação e semelhantes, ou prolongando maliciosamente o período de desempenho de sua reivindicação devida, e o a execução do crédito do credor é assim prejudicada, o credor pode requerer ao tribunal popular a revogação do ato do devedor.
Artigo 539 Quando um devedor transfere sua propriedade a um preço obviamente excessivamente baixo, toma propriedade de outra pessoa ou fornece garantia para a obrigação de outrem a um preço obviamente excessivamente elevado, e a execução do crédito do credor é assim adversamente afetada, o credor pode requerer que tribunal popular para revogar o ato do devedor se a contraparte do devedor souber ou deveria ter conhecido tal circunstância.
Artigo 540.º O âmbito do direito de revogação limita-se ao crédito do credor. As despesas necessárias ao exercício do direito de revogação pelo credor ficam a cargo do devedor.
Artigo 541.º O direito de revogação exerce-se no prazo de um ano a contar da data em que o credor tenha ou devesse ter conhecido a causa da revogação. O direito de revogação extingue-se se o credor não exercer esse direito no prazo de cinco anos a contar da data em que ocorreu o ato do devedor.
Artigo 542.º A revogação do acto do devedor que prejudica a execução do crédito do credor não produz efeitos jurídicos ab initio.
Capítulo VI Modificação e Cessão de Contratos
Artigo 543.º As partes podem modificar o contrato mediante acordo e mediante consulta.
Artigo 544.º Quando o conteúdo do contrato que as partes concordam em modificar não for claro, presume-se que o contrato não foi modificado.
Artigo 545.º O credor pode ceder o seu crédito, no todo ou em parte, a uma terceira pessoa, salvo se:
(1) uma reivindicação não é atribuível em virtude de sua natureza;
(2) uma reivindicação não é atribuível conforme acordado pelas partes; ou
(3) uma reivindicação não pode ser atribuída de acordo com a lei.
Quando as partes concordarem que um crédito imaterial não pode ser cedido, esse acordo não pode ser oponível a um terceiro de boa fé. Quando as partes concordam que não pode ser cedida uma reclamação pecuniária, o acordo não pode ser oponível a terceiros.
Artigo 546.º Quando o credor cede o seu crédito mas não o informa ao devedor, a cessão não produz efeitos contra o devedor.
A notificação da cessão de um crédito não pode ser revogada, a não ser com o consentimento do cessionário.
Artigo 547.º Quando o credor cede o seu crédito, o cessionário adquire o direito acessório relativo ao crédito, salvo se o direito acessório pertencer exclusivamente ao credor.
O não registo da cessão do direito acessório ou a omissão de alteração da posse não prejudica a aquisição do direito acessório pelo cessionário.
Artigo 548.º Depois de o devedor receber a notificação de cessão de um crédito, as defesas do devedor contra o cedente podem ser opostas ao cessionário.
Artigo 549 O devedor pode reclamar uma compensação contra o cessionário em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) quando o devedor recebe a notificação de cessão de um crédito, o devedor tem um crédito contra o cedente que se torna devido antes ou no mesmo momento da data de vencimento do crédito cedido; ou
(2) o crédito do devedor e o crédito atribuído são gerados com base no mesmo contrato.
Artigo 550 As despesas de execução acrescidas em virtude da cessão do crédito correrão por conta da cedente.
Artigo 551.º Quando o devedor delegar total ou parcialmente as suas obrigações a um terceiro, deve ser obtido o consentimento do credor.
O devedor ou a terceira pessoa podem exigir do credor o seu consentimento dentro de um prazo razoável. Se o credor não fizer nenhuma indicação, considera-se que não foi dado consentimento.
Artigo 552 Quando uma terceira pessoa concorda com o devedor em cumprir a obrigação e notifica o credor disso, ou uma terceira pessoa indica ao credor a sua vontade de cumprir a obrigação, se o credor não fizer explicitamente uma rejeição dentro de um prazo razoável Ao longo do tempo, o credor pode solicitar a um terceiro que assuma a obrigação solidária com o devedor, na medida da obrigação que o terceiro está disposto a assumir.
Artigo 553.º Quando o devedor delega a sua obrigação, o novo devedor pode fazer defesa do devedor original contra o credor; quando o devedor original tem um crédito contra o credor, o novo devedor não pode reclamar uma compensação contra o credor.
Artigo 554.º Quando o devedor delega a sua obrigação, o novo devedor assume a obrigação acessória relativa à obrigação principal, salvo se a obrigação acessória pertencer exclusivamente ao devedor original.
Artigo 555. Uma parte pode ceder os seus direitos e delegar as suas obrigações ao abrigo de um contrato a um terceiro com o consentimento da outra parte.
Artigo 556.º Quando os direitos e obrigações decorrentes de um contrato são cedidos e delegados em conjunto, aplicam-se as disposições relativas à cessão de créditos e à delegação de obrigações.
Capítulo VII Rescisão de Direitos e Obrigações nos termos de um Contrato
Artigo 557 Uma reclamação ou obrigação será rescindida em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) a obrigação foi cumprida;
(2) as obrigações são compensadas entre si;
(3) o devedor colocou o assunto em depósito de acordo com a lei;
(4) o credor isentou a obrigação;
(5) a reivindicação e a obrigação são fundidas para serem detidas pela mesma pessoa; ou
(6) qualquer outra circunstância em que o acordo das partes seja rescindido conforme previsto por lei ou acordado entre as partes.
A relação de direitos e obrigações sob um contrato será encerrada com a rescisão do contrato.
Art. 558 Rescindidas as reclamações e obrigações das partes, as partes deverão, obedecendo ao princípio da boa-fé e semelhantes, cumprir as obrigações de enviar notificação, prestar assistência, guardar sigilo e recuperar os bens usados ​​de acordo com o curso de lidar.
Art. 559. Extinta a reclamação e a obrigação extingue-se concomitantemente o direito acessório à reclamação, salvo disposição em contrário da lei ou acordo das partes.
Artigo 560 Quando um devedor deve a um credor várias obrigações da mesma espécie, e o desempenho do devedor não é suficiente para cumprir todas as obrigações, ao fazer o cumprimento, o devedor deve designar qual obrigação deve ser exonerada, salvo acordo em contrário pelo partidos.
Se o devedor não fizer essa designação, a obrigação devida será cumprida primeiro. Quando várias obrigações são todas devidas, a obrigação não garantida ou com a menor garantia deve ser cumprida primeiro. Quando nenhuma das obrigações estiver garantida ou as obrigações estiverem igualmente garantidas, a obrigação com a qual o devedor assume o encargo mais pesado deve ser cumprida primeiro. Quando os encargos forem iguais, as obrigações serão cumpridas na ordem das datas de vencimento. Quando as datas de vencimento forem as mesmas, as obrigações serão cumpridas pro rata temporis.
Artigo 561.º Além do cumprimento da obrigação principal, o devedor paga ao credor os juros e outras despesas relacionadas com a execução da obrigação. Quando o pagamento não for suficiente para cumprir todas as obrigações, a menos que acordado de outra forma pelas partes, ele deve cumprir a obrigação de acordo com a seguinte ordem:
(1) as despesas relevantes incorridas pelo credor para executar o seu crédito;
(2) os interesses; e
(3) a obrigação principal.
Artigo 562.º As partes podem rescindir o contrato mediante acordo e mediante consulta.
As partes podem concordar sobre as causas da rescisão do contrato por uma das partes. Quando surge uma causa de rescisão do contrato, a parte com direito à rescisão pode rescindir o contrato.
Artigo 563 As partes podem rescindir o contrato em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) o objetivo de um contrato não pode ser alcançado por motivo de força maior;
(2) antes de expirar o prazo de execução, uma das partes expressamente expresse ou indique por seu ato que não cumprirá a obrigação principal;
(3) uma das partes atrasar o cumprimento da obrigação principal e ainda assim deixar de cumpri-la dentro de um período de tempo razoável após ter sido exigida;
(4) uma das partes atrasa o cumprimento da obrigação ou de outra forma agiu em violação do contrato, tornando assim impossível o cumprimento do objetivo do contrato; ou
(5) qualquer outra circunstância prevista em lei.
Para um contrato ao abrigo do qual o devedor é obrigado a cumprir continuamente uma obrigação por um período indefinido de tempo, as partes podem rescindir o contrato a qualquer momento, desde que a outra parte seja notificada dentro de um prazo razoável.
Artigo 564.º Quando o prazo para o exercício do direito de rescindir o contrato for previsto por lei ou acordado entre as partes, se as partes não o tiverem exercido no termo do prazo, esse direito extingue-se.
Quando nenhum prazo para o exercício do direito de rescindir o contrato for previsto por lei ou acordado entre as partes, tal direito será extinto se a parte com direito de rescisão não exercer tal direito dentro de um ano após saber ou deveria ter conhecidas as causas da rescisão, ou dentro de um período de tempo razoável após ter sido exigida pela outra parte.
Artigo 565.º Quando uma das partes requerer a rescisão do contrato nos termos da lei, a outra parte será devidamente notificada. O contrato será rescindido no momento em que a notificação chegar à outra parte ou, se a notificação estabelecer que o contrato será rescindido automaticamente se o devedor deixar de cumprir sua obrigação dentro de um determinado período de tempo, o contrato será rescindido quando o devedor deixar de cumprir a obrigação ao expirar o período de tempo especificado. Quando a outra parte tem objeções à rescisão do contrato, qualquer uma das partes pode solicitar ao tribunal popular ou a uma instituição de arbitragem para determinar a validade da rescisão.
Quando uma das partes, sem notificar a outra parte, solicitar a rescisão do contrato, entrando diretamente com uma ação judicial ou requerendo a arbitragem nos termos da lei, e o tribunal popular ou instituição de arbitragem confirmar tal pedido, o contrato será rescindido quando um cópia duplicada da reclamação ou da carta de requerimento de arbitragem é entregue à outra parte.
Artigo 566.º Rescindido o contrato, quando as obrigações ainda não tenham sido cumpridas, a execução cessa; nos casos em que as obrigações já tenham sido cumpridas, as partes podem, tendo em conta o estado de execução e a natureza do contrato, solicitar o regresso ao estado original ou outras medidas corretivas tomadas, e têm o direito de requerer a indemnização pelos prejuízos.
Quando um contrato é rescindido por inadimplência, a parte com o direito de rescindir o contrato pode solicitar à parte infratora a responsabilidade por inadimplência, salvo acordo em contrário entre as partes.
Após a rescisão do contrato principal, o fornecedor da garantia continua obrigado a garantir a responsabilidade do devedor, salvo disposição em contrário estipulada no contrato de garantia.
Artigo 567.º A extinção da relação de direitos e obrigações contratuais não prejudica a validade das cláusulas contratuais relativas à liquidação e liquidação.
Artigo 568 Quando as partes devem mutuamente obrigações entre si, e o objeto das obrigações são do mesmo tipo e qualidade, qualquer parte pode compensar sua obrigação contra a obrigação devida da outra parte, a menos que a obrigação não possa ser compensada em virtude da natureza das obrigações, ou de acordo com os acordos entre as partes ou as disposições da lei.
Uma parte que reivindicar uma compensação deve notificar a outra parte. A notificação entrará em vigor quando chegar à outra parte. Nenhuma condição ou limite de tempo pode ser atribuído à compensação.
Artigo 569.º Quando as partes devem mutuamente obrigações entre si e o objeto das obrigações não são da mesma espécie ou qualidade, as obrigações também podem ser compensadas mediante acordo entre as partes, mediante consulta.
Artigo 570 Quando for difícil cumprir uma obrigação em qualquer uma das seguintes circunstâncias, o devedor pode colocar o objeto em custódia:
(1) o credor se recusa a aceitar a execução sem justa causa;
(2) o credor não pode ser localizado;
(3) o credor morre com seus herdeiros ou administrador do patrimônio não determinado, ou o credor perde a capacidade de praticar atos jurídicos civis sem tutor determinado; ou
(4) qualquer outra circunstância prevista em lei.
Quando o objeto não for adequado para ser colocado em depósito ou as despesas decorrentes forem muito elevadas, o devedor pode vender o objeto por meio de leilão ou venda e colocar o produto assim obtido em depósito de acordo com a lei.
Artigo 571.º A matéria ou o produto obtido em leilão ou venda da matéria é colocado em custódia quando o devedor entrega a matéria ou o produto da mesma ao órgão de custódia, nos termos da lei.
Quando um objeto ou seu produto tiver sido colocado em custódia, considera-se que o devedor entregou o objeto em tal medida.
Artigo 572.º Colocada sob custódia a matéria, o devedor deve notificar imediatamente o credor ou o herdeiro do credor, o administrador do espólio, o tutor ou a custódia dos seus bens.
Artigo 573.º Colocada sob custódia a matéria, o risco de destruição, dano ou perda da mesma será assumido pelo credor. Durante o período em que o objeto for colocado em custódia, o produto acumulado do objeto deverá pertencer ao credor. As despesas assim incorridas ficam a cargo do credor.
Artigo 574.º O credor pode cobrar a qualquer momento a matéria colocada sob custódia, salvo se o credor tiver a devida obrigação para com o devedor, o organismo de custódia deve indeferir o pedido do credor de cobrança antes de o credor cumprir a obrigação ou prestar caução para a mesma.
O direito do credor de cobrar o objeto colocado em custódia extingue-se se esse direito não for exercido dentro de cinco anos a partir da data em que o objeto foi entregue à agência de custódia, e esse objeto será transferido para o Estado após as despesas da agência de custódia são deduzidos. No entanto, quando um credor deixa de cumprir sua obrigação devida para com o devedor, ou quando o credor renuncia ao seu direito de cobrar o objeto colocado sob custódia por escrito para a agência de custódia, o devedor tem o direito de retomar o objeto após o pagamento despesas da agência de custódia.
Artigo 575.º Quando um credor isenta parte ou a totalidade das obrigações do devedor, os créditos e obrigações cessam parcial ou totalmente, a menos que o devedor se oponha dentro de um prazo razoável.
Artigo 576.º Quando um crédito e uma obrigação se fundem em propriedade da mesma pessoa, o crédito e a obrigação extinguem-se, a menos que prejudique os interesses de terceiros.
Capítulo VIII Responsabilidade Padrão
Artigo 577 Quando uma parte não cumprir sua obrigação contratual ou se sua execução não estiver em conformidade com o acordo, ela será responsabilizada por inadimplência, como continuar a cumprir suas obrigações, tomar medidas corretivas ou compensar perdas.
Artigo 578.º Quando uma parte expressamente expressamente ou indique com o seu acto que não cumprirá a sua obrigação contratual, a outra parte pode requerer à primeira parte a responsabilidade pelo incumprimento antes do termo do prazo de execução.
Artigo 579.º Quando uma parte não paga o preço, a remuneração, a renda ou os juros, ou deixa de cumprir outra obrigação pecuniária, a outra parte pode requerer esse pagamento ou execução.
Artigo 580 Quando uma parte deixar de cumprir uma obrigação imaterial ou seu desempenho não estiver em conformidade com o acordo, a outra parte pode solicitar tal cumprimento, a menos que:
(1) o desempenho é impossível de jure ou de facto;
(2) o objeto da obrigação não é adequado para uma execução obrigatória ou as despesas para a execução são muito elevadas; ou
(3) o credor não solicitar a execução dentro de um período de tempo razoável.
Quando uma das situações especificadas no parágrafo anterior existir de forma que o objetivo do contrato não possa ser alcançado, o tribunal popular ou uma instituição de arbitragem pode rescindir a relação contratual de direitos e obrigações a pedido de uma das partes, mas a responsabilidade por inadimplência continuará ser suportado sem ser afetado.
Artigo 581 Quando uma parte deixar de cumprir sua obrigação ou se seu desempenho não estiver em conformidade com o acordo, se a obrigação não for cumprida em virtude da natureza da obrigação, a outra parte pode solicitar que essa parte suporte as despesas de um substituto desempenho por uma terceira pessoa.
Artigo 582.º Quando a execução não é conforme ao acordo, a responsabilidade por incumprimento será suportada nos termos do contrato entre as partes. Quando a responsabilidade de inadimplência não estiver estipulada ou não estiver claramente estipulada no contrato, e se não puder ser determinada de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, a parte prejudicada pode, em virtude da natureza do objeto e de acordo com o grau de perda, solicitar razoavelmente que a outra parte arcar com a responsabilidade de inadimplência, como reparo, refazer, substituição, devolução do objeto, redução no preço ou remuneração e assim por diante.
Artigo 583.º Se uma parte não cumprir a sua obrigação contratual ou se a sua execução não for conforme ao acordo, deve proceder à indemnização se, depois de ter cumprido a sua obrigação ou tomado as medidas de reparação, a outra parte sofrer prejuízo.
Artigo 584 Quando uma parte deixar de cumprir sua obrigação contratual ou seu desempenho não estiver em conformidade com o acordo de forma que a outra parte sofra prejuízo, o valor da indenização será equivalente ao prejuízo causado pela quebra de contrato, incluindo os benefícios esperados para deve ser obtido caso o contrato tenha sido executado, exceto que não deve exceder o prejuízo que pode ser causado pela violação que a parte infratora prevê ou deveria ter previsto no momento da celebração do contrato.
Artigo 585 As partes podem concordar que, em caso de inadimplemento de uma das partes, uma certa quantia de indenização deve ser paga à outra parte de acordo com as circunstâncias da violação, ou as partes podem concordar sobre o método de cálculo da compensação por perdas decorrentes da violação.
Quando os danos liquidados acordados forem inferiores ao prejuízo causado, o tribunal popular ou uma instituição de arbitragem pode aumentar o valor a pedido de uma das partes. Quando os danos liquidados acordados são excessivamente maiores do que a perda causada, o tribunal popular ou uma instituição de arbitragem pode fazer a redução apropriada mediante solicitação de uma das partes.
Quando as partes concordarem com a indenização pela execução atrasada, a parte infratora deverá continuar a cumprir a obrigação após o pagamento da indenização.
Artigo 586 As partes podem concordar que uma das partes deposite o dinheiro da penhor à outra parte para garantir o seu crédito. Um contrato de depósito em dinheiro sério torna-se efetivo na entrega efetiva do dinheiro sério.
O valor do dinheiro da penalidade será acordado entre as partes, exceto que não deverá exceder 20% do valor do objeto do contrato principal, e qualquer parte excessiva não terá efeito como dinheiro da penalidade. Quando o valor do dinheiro sério efetivamente entregue for maior ou menor do que o valor acordado, o valor acordado do dinheiro sério será considerado alterado.
Artigo 587.º Depois de o devedor ter cumprido a sua obrigação, o dinheiro ganho será calculado como parte do preço ou devolvido. Quando uma parte que está pagando o dinheiro penhorado não cumprir sua obrigação ou não cumpri-la em conformidade com o acordo, de modo que o objetivo do contrato não possa ser alcançado, ela não tem o direito de solicitar o reembolso do dinheiro ganho. Quando uma parte que recebe o dinheiro sério deixar de cumprir sua obrigação ou não cumpri-la em conformidade com o acordo, de modo que o objetivo do contrato não possa ser alcançado, ela deverá reembolsar duas vezes o valor do dinheiro sério à outra parte.
Artigo 588.º Quando as partes concordam tanto com a indemnização como com o dinheiro sério, em caso de incumprimento de uma das partes, a outra parte pode optar por aplicar a cláusula sobre os danos liquidados ou a cláusula sobre o dinheiro sério.
Quando o dinheiro ganho não for suficiente para compensar as perdas causadas pela inadimplência de uma das partes, a outra parte pode solicitar compensação pelas perdas que excederem o valor do dinheiro ganho.
Artigo 589.º Quando o devedor cumpre a sua obrigação nos termos do acordo e o credor se recusa a aceitar a execução sem justa causa, o devedor pode solicitar ao credor a indemnização das despesas adicionais.
O devedor não precisa de pagar juros pelo período de atraso na aceitação pelo credor.
Artigo 590.º Quando a parte não pode cumprir o contrato por motivo de força maior, fica isenta da responsabilidade, total ou parcial, consoante as consequências do caso de força maior, salvo disposição em contrário da lei. A parte que não puder cumprir o contrato por motivo de força maior deverá notificar prontamente a outra parte para mitigar os prejuízos que possam ser causados ​​à outra parte, e deverá fornecer a prova da força maior dentro de um período de tempo razoável.
Quando a força maior ocorrer após o atraso na execução de uma parte, a responsabilidade por inadimplência dessa parte não estará isenta.
Artigo 591 Após a inadimplência de uma das partes, a outra parte deve tomar as medidas apropriadas para evitar perdas futuras. No caso de o prejuízo ser agravado pelo não cumprimento das medidas cabíveis, não será reclamada qualquer indemnização pela parte agravada dos prejuízos.
As despesas razoáveis ​​incorridas por uma parte para prevenir o agravamento da perda serão arcadas pela parte infratora.
Artigo 592.º Em caso de incumprimento de ambas as partes, cada uma suporta as responsabilidades correspondentes.
Quando o inadimplemento de uma parte causa prejuízo para a outra parte, e a culpa da outra parte contribui para a ocorrência de tal perda, o valor da compensação pode ser mitigado em conformidade.
Artigo 593.º A parte que violar o contrato por motivo de terceiro será responsável perante a outra parte por incumprimento nos termos da lei. A disputa entre a parte infratora e o terceiro será tratada de acordo com as disposições da lei ou seu acordo.
Art. 594. O prazo de prescrição para a propositura de ação judicial ou para o requerimento de arbitragem em controvérsia decorrente de contrato de compra e venda internacional de mercadoria e de contrato de importação e exportação de tecnologia é de quatro anos.
Parte Dois Contratos Típicos
Capítulo IX Contratos de Vendas
Artigo 595.º Um contrato de venda é um contrato ao abrigo do qual um vendedor transfere a sua propriedade sobre o objecto para um comprador que paga o preço em troca.
Artigo 596 Um contrato de venda geralmente contém cláusulas especificando o nome, quantidade, qualidade e preço do objeto, o período de tempo, local e método de execução, a embalagem, o padrão e métodos de inspeção, o modo de liquidação, o linguagem usada no contrato, a validade do mesmo e semelhantes.
Artigo 597.º Se a propriedade de um objecto não puder ser transferida devido ao facto de o vendedor não obter o direito de disposição, o comprador pode rescindir o contrato e exigir ao vendedor a responsabilidade de mora.
Onde houver leis, regulamentos administrativos que proíbam ou restrinjam a transferência de um assunto, tais disposições devem ser seguidas.
Artigo 598.º O vendedor deve cumprir a sua obrigação de entregar o objeto ou os documentos para a sua aceitação e de transferir a propriedade do objeto ao comprador.
Artigo 599.º O vendedor deve entregar ao comprador os certificados e informações pertinentes, com excepção dos documentos para a aceitação da entrega do objecto, em conformidade com o contrato ou com o curso da negociação.
Artigo 600 Quando um objeto a ser vendido envolve direitos de propriedade intelectual, salvo disposição em contrário da lei ou acordado entre as partes, os direitos de propriedade intelectual não pertencem ao comprador.
Cláusula 601 O vendedor deve entregar o objeto no prazo estipulado no contrato. Quando um prazo de entrega é estipulado no contrato, o vendedor pode entregar o objeto a qualquer momento dentro desse prazo.
Artigo 602.º Quando não houver acordo entre as partes quanto ao prazo de entrega ou se o acordo for pouco claro, aplicam-se as disposições do artigo 510.º e do n.º 4 do artigo 511.º deste Código.
Artigo 603.º O vendedor deve entregar a mercadoria no local de entrega acordado.
Quando não houver acordo entre as partes sobre o local de entrega ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, as seguintes disposições serão aplicadas:
(1) quando o objeto precisa ser transportado, o vendedor deve consigná-lo ao primeiro transportador para entrega ao comprador; e
(2) quando o objeto não precisa ser transportado, se o vendedor e o comprador souberem a localização do objeto no momento da celebração do contrato, o vendedor deverá entregar o objeto no referido local; se a localização do objeto for desconhecida, o vendedor deverá entregar o objeto no local de trabalho do vendedor no momento em que o contrato for concluído.
Artigo 604.º Os riscos de destruição, dano ou perda do objecto são suportados pelo vendedor antes da entrega e pelo comprador depois da entrega, salvo disposição em contrário da lei ou acordado entre as partes.
Artigo 605.º Quando um objecto não é entregue no prazo acordado devido ao motivo do comprador, o comprador assume os riscos de destruição, dano ou perda do objecto a partir do momento em que violar o acordo.
Artigo 606 Quando um vendedor vende um objeto em rota que foi consignado a uma transportadora para transporte, a menos que as partes tenham idade em contrário, os riscos de destruição, dano ou perda do objeto devem ser suportados pelo comprador a partir do momento quando o contrato é formado.
Artigo 607.º O comprador assume os riscos de destruição, dano ou perda do objecto quando o vendedor o transporta para o local designado pelo comprador e o entrega ao transportador nos termos do acordo.
Quando não houver acordo entre as partes sobre o local de entrega ou o acordo não for claro, se o objeto precisar ser transportado de acordo com o subparágrafo (1) do segundo parágrafo do artigo 603 deste Código, o comprador deverá assumir os riscos de destruição, dano ou perda do objeto quando o vendedor consigna o objeto ao primeiro transportador para transporte.
Artigo 608 Quando um vendedor colocar o objeto no local de entrega em conformidade com o acordo ou as disposições do inciso (2) do segundo parágrafo do artigo 603 deste Código, se o comprador não receber a entrega em falta, os riscos de destruição, dano ou perda do objeto serão arcados pelo comprador a partir do momento em que o comprador entrar em default.
Cláusula 609 A falta de entrega, por parte do vendedor, dos documentos e informações sobre o objeto em conformidade com o contrato, não afeta a transferência dos riscos de destruição, dano ou perda do objeto.
Artigo 610.º Quando um objecto não cumpre os requisitos de qualidade de modo a que o objecto do contrato não possa ser alcançado, o comprador pode recusar-se a aceitar o objecto ou rescindir o contrato. Quando o comprador se recusar a aceitar o objeto ou rescindir o contrato, os riscos de destruição, dano ou perda do objeto serão arcados pelo vendedor.
Artigo 611 Quando o desempenho do vendedor não está em conformidade com o contrato, a assunção dos riscos de destruição, dano ou perda do objeto pelo comprador não afeta o direito do comprador de exigir do vendedor a responsabilidade por inadimplência.
Artigo 612.º O vendedor tem a obrigação de garantir que nenhum terceiro tem qualquer direito sobre o objeto entregue, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 613.º Sempre que, no momento da celebração do contrato, o comprador saiba ou devesse saber que um terceiro tem direito sobre o objeto do contrato, o vendedor não pode assumir a obrigação prevista no artigo anterior.
Artigo 614.º Quando o comprador dispõe de provas definitivas de que uma terceira pessoa tem direito sobre o objeto, pode suspender o pagamento do mesmo, a menos que o vendedor tenha fornecido uma garantia adequada.
Cláusula 615 O vendedor deve entregar o objeto em conformidade com os requisitos de qualidade acordados pelas partes. Quando o vendedor fornece especificações de qualidade do objeto, o objeto entregue deve estar em conformidade com os requisitos de qualidade especificados.
Artigo 616 Quando não houver acordo entre as partes sobre os requisitos de qualidade do objeto ou o acordo não for claro, se os requisitos de qualidade não puderem ser determinados de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, as disposições do Subparágrafo (1) do Aplica-se o artigo 511 deste Código.
Artigo 617.º Quando um objecto entregue pelo vendedor não cumpre os requisitos de qualidade, o comprador pode solicitar ao vendedor a responsabilidade de mora, de acordo com as disposições dos artigos 582 a 584 deste Código.
Artigo 618 Quando as partes concordam em aliviar ou isentar a responsabilidade do vendedor pelos defeitos do objeto, se o vendedor, intencionalmente ou por negligência grosseira, deixar de informar o comprador sobre o defeito do objeto, ele não tem o direito de reclamar redução ou isenção da responsabilidade.
Artigo 619.º O vendedor deve entregar o objecto respeitando o método de embalagem acordado no contrato. Quando não houver acordo entre as partes sobre o método de embalagem ou o acordo não for claro, se o método de embalagem não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o assunto deve ser embalado de forma geral, ou, em a ausência de uma forma geral, de forma a proteger o objeto e propiciar a economia de recursos e a proteção do meio ambiente ecológico.
Cláusula 620 Após o comprador receber o objeto, ele deve inspecioná-lo dentro do prazo acordado para a inspeção. Se não houver prazo acordado para a inspeção, o comprador deverá inspecionar em tempo hábil.
Artigo 621.º Sempre que as partes tenham acordado um prazo para a inspecção, o comprador deverá, dentro do prazo para a inspecção, notificar o vendedor de qualquer inconformidade do objecto com a quantidade ou qualidade acordada. Se o aviso não for dado ao vendedor por indolência do comprador, o objeto será considerado conforme a quantidade ou qualidade acordada.
Quando as partes não concordarem com um período de inspeção, o comprador deve notificar o vendedor de qualquer inconformidade do objeto com a quantidade ou qualidade acordada dentro de um período de tempo razoável após a descoberta ou caso deva ser descoberta a inconformidade. Se o comprador deixar de notificar o vendedor dentro de um período de tempo razoável ou dentro de dois anos após a entrega do objeto, o objeto será considerado em conformidade com a quantidade ou qualidade acordada, exceto quando houver um período de garantia dentro do qual a qualidade do objeto é garantida, o período de garantia será aplicado.
Quando um vendedor sabe ou deveria saber que o objeto entregue não está em conformidade com o acordo, o comprador não está sujeito ao prazo de notificação, conforme previsto nos dois parágrafos anteriores.
Artigo 622 Quando um período de inspeção acordado pelas partes for excessivamente curto, e for difícil para o comprador concluir uma inspeção abrangente dentro de tal período em virtude da natureza do assunto e de acordo com o curso de negociação, tal período será considerado apenas como um período para o comprador levantar objeções aos defeitos de patente do objeto.
Quando um período acordado para inspeção ou um período de garantia para garantia de qualidade for menor do que o período previsto pelas leis e regulamentos administrativos relevantes, este último deverá prevalecer.
Artigo 623 Quando as partes não concordarem com um período de inspeção, e o comprador tiver assinado uma nota de entrega, recibo de confirmação ou documento semelhante no qual a quantidade, modelo e especificações do objeto são declarados, o comprador será presumido ter inspecionado a quantidade e os defeitos patentes do objeto, a menos que haja evidências suficientes para derrubar tal presunção.
Artigo 624 Quando um vendedor entrega um objeto a uma terceira pessoa de acordo com as instruções dadas pelo comprador, se a norma de inspeção acordada entre o vendedor e o comprador for inconsistente com aquela acordada entre o comprador e a terceira pessoa, a norma de inspeção acordada entre o vendedor e o comprador prevalecerá.
Artigo 625 Quando, de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos ou conforme acordado pelas partes, o objeto deve ser reciclado após o término de sua vida útil válida, o vendedor tem a obrigação de reciclar o objeto por si mesmo ou por um terceira pessoa autorizada.
Artigo 626.º O comprador deve efetuar o pagamento de acordo com o montante e o método de pagamento acordados. quando não houver acordo entre as partes sobre o valor do preço ou a forma de pagamento, ou se o acordo não for claro, aplicar-se-ão as disposições do artigo 510 e os parágrafos (2) e (5) do artigo 511 deste Código.
Artigo 627.º O comprador deve efetuar o pagamento no local acordado no contrato. Quando não houver acordo entre as partes sobre o local de pagamento, ou o acordo não for claro, se o local não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o comprador deve fazer o pagamento no local de negócios do vendedor , ressalvado que o pagamento será efetuado no local da entrega da matéria ou do documento de recebimento, se o pagamento estiver condicionado à entrega da matéria.
Artigo 628.º O comprador deve efetuar o pagamento na data acordada no contrato. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo de pagamento, ou o acordo não for claro, se o prazo de pagamento não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o comprador deverá efetuar o pagamento ao mesmo tempo que recebe a matéria ou o documento para recebimento da mesma.
Artigo 629.º Quando o valor da mercadoria entregue pelo vendedor ultrapassar o valor acordado, o comprador pode aceitar ou recusar-se a aceitar a parte excessiva. Caso o comprador aceite a parte excessiva, deverá pagar pelo preço acordado no contrato. Se o comprador se recusar a aceitar a parte excessiva, deverá notificar o vendedor em tempo hábil.
Cláusula 630 Quaisquer receitas acumuladas do objeto antes da entrega pertencerão ao vendedor e quaisquer receitas acumuladas do objeto após a entrega pertencerão ao comprador, a menos que acordado de outra forma pelas partes.
Artigo 631.º Rescisão do contrato por inconformidade do objecto principal com os requisitos acordados, o efeito da rescisão é aplicável ao objecto acessório. No caso de rescisão contratual por inconformidade do objeto acessório com os requisitos pactuados, o efeito da rescisão terá efeito sobre o objeto principal.
Artigo 632.º Quando o objecto do contrato é composto por várias matérias, se uma delas não corresponder aos requisitos acordados no contrato, o comprador pode rescindir a parte do contrato relativa a essa matéria. No entanto, quando a separação do referido objeto dos demais objetos prejudique marcadamente o valor dos objetos do contrato, o comprador pode rescindir o contrato em relação aos múltiplos objetos em causa.
Cláusula 633 Quando os objetos devem ser entregues a prestações, se o vendedor deixar de entregar um lote dos objetos, ou tiver entregue o lote de forma não conforme com o contrato, de modo que o objeto do contrato em relação não sendo possível concretizar o referido lote, o comprador poderá rescindir a parte do contrato relativa ao referido lote.
Caso o vendedor deixe de entregar um lote dos objetos, ou entregue o lote de forma não conforme ao contrato, de forma que a entrega subsequente dos demais lotes não atinja o objeto do contrato, o comprador poderá rescindir a parte do contrato em relação ao referido lote e aos restantes lotes.
Quando um comprador rescindiu uma parte do contrato em relação a um lote dos objetos, se o referido lote e qualquer outro lote forem interdependentes um do outro, o comprador pode rescindir o contrato em relação a todos os lotes, independentemente de eles terem entregue ou não.
Cláusula 634 Quando um comprador sob um contrato de parcelamento deixa de fazer o pagamento e o valor não pago atinge um quinto do preço total, se o comprador ainda assim não pagar o valor da parcela devido dentro de um período razoável de tempo após ser exigido, o vendedor pode peça ao comprador que pague o valor total ou ele pode rescindir o contrato.
O vendedor que rescindir o contrato pode solicitar ao comprador o pagamento de uma taxa pelo uso do objeto.
Artigo 635.º As partes numa venda por amostra devem selar a amostra e podem fazer especificações quanto à sua qualidade. O material entregue pelo vendedor deve ser idêntico em qualidade à amostra e suas especificações.
Artigo 636 Quando um comprador para uma venda por amostra não tiver conhecimento dos defeitos ocultos da amostra, mesmo que o objeto entregue seja idêntico à amostra, a qualidade do objeto entregue pelo vendedor ainda deve estar em conformidade com o padrão geral para o mesmo categoria de bens.
Artigo 637.º As partes numa venda para utilização experimental podem acordar um período de utilização experimental do objecto. Quando não houver acordo entre as partes sobre o período de uso experimental ou o acordo não for claro, se o período para uso experimental não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, será determinado pelo vendedor.
Artigo 638.º O comprador de uma venda para utilização experimental pode adquirir ou recusar a compra do objeto dentro do período de utilização experimental. Quando, ao expirar o período de uso experimental, o comprador não fizer nenhuma indicação se deve ou não comprá-lo, considera-se que o comprador comprou o objeto.
Se um comprador de uma venda em uso experimental, dentro do período para o uso experimental, já tiver feito um pagamento parcial ou tiver vendido, alugado, criado uma garantia real sobre o assunto em questão, o comprador será considerado como tendo concordado em comprá-lo.
Artigo 639.º Quando não houver acordo entre as partes numa venda para utilização experimental sobre a taxa pela utilização do objecto, ou se o acordo não for claro, o vendedor não tem o direito de exigir ao comprador o pagamento dessa taxa.
Artigo 640.º Os riscos de destruição, dano ou perda do produto serão suportados pelo vendedor dentro do prazo da utilização experimental.
Artigo 641. As partes podem acordar em um contrato de venda que o vendedor retém a propriedade do objeto se o comprador deixar de pagar o preço ou cumprir outras obrigações.
A propriedade do objeto retido por um vendedor, sem estar registrada, não pode ser reivindicada contra um terceiro de boa-fé.
Cláusula 642 Quando as partes concordam que o vendedor deve manter a propriedade do objeto do contrato, a menos que acordado de outra forma pelas partes, o vendedor tem o direito de retomar o objeto se o comprador se enquadrar em qualquer uma das seguintes circunstâncias antes essa propriedade é transferida e as perdas são causadas ao vendedor:
(1) o comprador deixar de fazer o pagamento de acordo com o contrato e deixar de pagá-lo dentro de um período de tempo razoável após ter sido exigido;
(2) o comprador não cumprir as condições específicas de acordo com o contrato; ou
(3) o comprador vende, promete ou de outra forma descarta indevidamente o assunto.
O vendedor pode negociar com o comprador a retomada do objeto. Em caso de fracasso dessa negociação, os procedimentos de execução dos direitos de garantia podem ser aplicados mutatis mutandis.
Artigo 643 Depois de um vendedor ter retomado o objeto de acordo com o primeiro parágrafo do artigo anterior, o comprador pode solicitar o resgate do objeto se eliminar a causa para o vendedor recuperar o objeto dentro de um período razoável de resgate acordado pelas partes ou definido pelo vendedor.
Quando um comprador não resgata o objeto dentro do período de resgate, o vendedor pode vender o objeto a um terceiro a um preço razoável. Após deduzir do produto da venda o valor não pago pelo comprador e as despesas necessárias, o eventual saldo será devolvido ao comprador; se o produto da venda for insuficiente para cobrir o valor não pago e as demais despesas necessárias, a deficiência deverá ser paga pelo comprador.
Artigo 644 Os direitos e obrigações das partes na alienação por licitação, bem como os procedimentos da licitação, reger-se-ão pelas disposições das leis e regulamentos administrativos pertinentes.
Artigo 645 Os direitos e obrigações das partes num leilão, bem como os procedimentos do leilão, reger-se-ão pelas disposições das leis e regulamentos administrativos pertinentes.
Artigo 646 Onde houver disposições de leis que regulem outros contratos não gratuitos, tais disposições devem ser seguidas. Na falta de tal disposição, as disposições pertinentes sobre os contratos de venda serão aplicadas mutatis mutandis.
Artigo 647.º Quando as partes acordam em transferir a propriedade do objecto por permuta, aplicam-se mutatis mutandis as disposições pertinentes sobre os contratos de venda.
Capítulo X Contratos de Fornecimento e Consumo de Eletricidade, Água, Gás ou Calor
Artigo 648.º Um contrato de fornecimento e consumo de electricidade é um contrato ao abrigo do qual um fornecedor fornece electricidade ao consumidor que paga o preço em troca.
Um fornecedor de eletricidade ao público não deve recusar um pedido razoável de um consumidor para celebrar um contrato.
Artigo 649 Um contrato de fornecimento e consumo de eletricidade geralmente contém cláusulas especificando o modo, a qualidade e o tempo do fornecimento, o volume, o endereço e a natureza do consumo, o método de medição, o preço, o método de liquidação das taxas de eletricidade, a responsabilidade pela manutenção das instalações de abastecimento e consumo de eletricidade e afins.
Artigo 650.º O lugar de execução do contrato de fornecimento e consumo de energia eléctrica é acordado entre as partes; se não houver acordo entre as partes ou se o acordo for pouco claro, o local de demarcação dos direitos de propriedade nas instalações de fornecimento de energia elétrica será o local de cumprimento.
Artigo 651.º O fornecedor de electricidade deve fornecer electricidade de forma segura, de acordo com a norma de qualidade para o fornecimento de energia fixada pelo Estado e no acordo. Caso um fornecedor deixe de fornecer energia elétrica de forma segura, de acordo com o padrão de qualidade de fornecimento de energia estabelecido pelo Estado ou no contrato, causando prejuízo ao consumidor, o fornecedor será responsável pela indenização.
Artigo 652.º Quando um fornecedor de eletricidade necessitar de cortar o fornecimento de eletricidade devido a revisões programadas ou não programadas das instalações de fornecimento de eletricidade, restrição do consumo de eletricidade de acordo com a lei ou consumo ilegal de eletricidade por parte do consumidor e semelhantes, deve notificar o consumidor com antecedência, de acordo com os regulamentos pertinentes do Estado. Sempre que um fornecedor interromper o fornecimento de eletricidade sem notificar o consumidor com antecedência, causando assim prejuízos ao consumidor, o fornecedor assume a responsabilidade pela indemnização.
Artigo 653.º O fornecedor de electricidade deve apressar-se a reparar sem demora, de acordo com os regulamentos aplicáveis ​​do Estado, sempre que o fornecimento de electricidade seja interrompido por motivos como catástrofes naturais. Se o fornecedor não o fizer e, assim, causar prejuízos ao consumidor, o fornecedor será responsável pela indemnização.
Artigo 654.º O consumidor de energia eléctrica deve pagar as taxas de energia eléctrica atempadamente, de acordo com a regulamentação aplicável do Estado e o acordo entre as partes.
Se o consumidor deixar de pagar as taxas de eletricidade devidas, ele deverá pagar a indenização acordada. Se um consumidor, após ser reclamado, ainda não pagar as taxas de eletricidade e os danos liquidados dentro de um prazo razoável, o fornecedor pode interromper o fornecimento de eletricidade de acordo com os procedimentos previstos pelo Estado.
Sempre que um fornecedor interromper o fornecimento de energia elétrica em conformidade com o disposto no número anterior, deve notificar previamente o consumidor.
Art. 655 O consumidor deve utilizar a energia elétrica de forma segura, econômica e planejada, de acordo com a regulamentação pertinente do Estado e o acordo entre as partes. Se um consumidor deixar de usar a eletricidade de acordo com a regulamentação pertinente do Estado ou o acordo entre as partes, e assim causar prejuízos ao fornecedor, o consumidor será responsável pela indenização.
Artigo 656.º As disposições do contrato de fornecimento e consumo de energia eléctrica aplicam-se mutatis mutandis aos contratos de fornecimento e consumo de água, gás ou aquecimento.
Capítulo XI Contratos de doações
Artigo 657. O contrato de oferta é o contrato segundo o qual um doador dá gratuitamente os seus bens a um donatário, e este indica a sua aceitação da oferta.
Artigo 658. O doador pode revogar a doação antes da transferência dos direitos sobre o bem doado.
O disposto no parágrafo anterior não se aplica ao contrato de doação com firma reconhecida, ou ao contrato de doação de interesse público ou obrigação moral que não deva, nos termos da lei, ser revogado, tal como um contrato de presente para socorro a desastres, pobreza -alívio, alívio de deficiência ou fins semelhantes.
Artigo 659.º O bem dotado deve ser registado ou outro procedimento se a lei assim o exigir.
Artigo 660 Para um contrato de doação com firma reconhecida ou um contrato de doação de interesse público ou obrigação moral que não deva ser revogado de acordo com a lei, tal como um contrato de socorro em catástrofes, socorro à pobreza, socorro por deficiência ou propósitos semelhantes , caso o doador não entregue o bem dotado, o donatário poderá solicitar a entrega.
Quando os bens doados que serão entregues nos termos do parágrafo anterior forem destruídos, danificados ou perdidos por ato intencional do doador ou por sua negligência grosseira, o doador arcará com a responsabilidade pela indenização.
Artigo 661.º A oferta pode estar sujeita a obrigação.
Quando um presente estiver sujeito a uma obrigação, o donatário deverá cumprir a obrigação de acordo com o acordo.
Artigo 662.º O doador não é responsável por qualquer defeito dos bens doados. Quando um presente está sujeito a uma obrigação, se a propriedade presenteada tiver defeitos, o doador deverá, na medida da obrigação anexada, assumir as mesmas responsabilidades que um vendedor.
Quando o doador intencionalmente não notificar o donatário sobre o defeito do bem doado ou tenha dado garantia para o mesmo, causando prejuízo ao donatário, o doador arcará com a responsabilidade pela indenização.
Artigo 663 O doador pode revogar a doação se o donatário tiver praticado qualquer um dos seguintes atos:
(1) infringir gravemente os direitos e interesses legítimos do doador ou de qualquer parente próximo do doador;
(2) ter a obrigação de apoiar o doador, mas não cumprir essa obrigação; ou
(3) deixar de cumprir a obrigação acordada no contrato de presente.
O direito de revogação do doador deve ser exercido no prazo de um ano a partir da data em que o doador sabe ou deveria saber da causa da revogação.
Artigo 664.º Quando a ilegalidade do donatário conduz à morte ou à perda da capacidade para praticar os atos jurídicos civis do doador, o herdeiro ou representante legal do doador pode revogar a doação.
O direito de revogação do herdeiro do doador ou de seu representante legal deverá ser exercido no prazo de seis meses a partir da data em que o herdeiro ou o representante legal conhecer ou deveria saber da causa da revogação.
Artigo 665 Com a revogação da doação, quem tem direito à revogação pode solicitar ao donatário a devolução dos bens doados.
Artigo 666 Quando a situação financeira de um doador se deteriorar acentuadamente e sua produção, negócios ou vida familiar forem gravemente afetados, ele pode deixar de cumprir a obrigação de entregar o presente.
Capítulo XII Contratos de Empréstimo
Artigo 667.º Um contrato de empréstimo é um contrato segundo o qual um mutuário toma emprestado um empréstimo a um credor e o paga com juros no vencimento.
Artigo 668.º O contrato de empréstimo deve ser celebrado por escrito, salvo no caso de empréstimo entre pessoas singulares que convenha em contrário.
Um contrato de empréstimo geralmente contém cláusulas que especificam a categoria do empréstimo, tipo de moeda, finalidade de uso, valor, taxa de juros, prazo e o método de reembolso e assim por diante.
Artigo 669.º Ao celebrar um contrato de empréstimo, o mutuário deve, conforme exigido pelo credor, fornecer ao credor informações verdadeiras sobre as suas atividades empresariais e as condições financeiras relacionadas com o empréstimo.
Artigo 670.º Os juros do empréstimo não podem ser descontados do capital antecipadamente. Em caso de dedução antecipada dos juros do capital, o empréstimo será reembolsado e os juros calculados de acordo com o montante real do empréstimo concedido.
Artigo 671.º O mutuante que não conceder o empréstimo no prazo e montante acordados, causando prejuízos ao mutuário, assume a responsabilidade pela indemnização.
O mutuário que deixar de tomar o empréstimo no prazo e valor acordados deverá pagar juros com base no prazo e no valor acordados.
Artigo 672.º O credor pode inspeccionar e supervisionar a utilização do empréstimo em conformidade com o acordo. O mutuário deve fornecer regularmente as demonstrações financeiras e contábeis relevantes ou outros materiais ao credor, de acordo com o contrato.
Artigo 673.º Quando o mutuário deixa de utilizar o empréstimo para os fins previstos no contrato, o mutuante pode deixar de conceder o empréstimo, revogá-lo antes da data de vencimento ou rescindir o contrato.
Artigo 674.º O mutuário deve pagar os juros no prazo acordado. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo de pagamento de juros ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, os juros serão pagos no momento em que o principal for reembolsado se o prazo do empréstimo for inferior a um ano; os juros serão pagos no final de cada ano completo se o prazo do empréstimo for superior a um ano, e os juros deverão ser pagos quando o principal for reembolsado, se o prazo remanescente for inferior a um ano.
Artigo 675.º O mutuário deve reembolsar o empréstimo no prazo acordado. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo de reembolso do empréstimo, ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o mutuário pode reembolsar o empréstimo a qualquer momento, e o credor pode exigir que o mutuário pague o empréstimo dentro de um prazo razoável.
Artigo 676.º O mutuário que não reembolsar o empréstimo no prazo acordado pagará os juros de mora, nos termos do acordo ou da regulamentação aplicável do Estado.
Artigo 677.º Quando o mutuário faz um pré-pagamento do empréstimo, salvo acordo em contrário das partes, os juros são calculados de acordo com a duração efetiva do empréstimo.
Artigo 678.º O mutuário pode solicitar ao mutuante uma prorrogação do prazo do empréstimo antes do seu vencimento. O prazo do empréstimo pode ser estendido mediante consentimento do credor.
Artigo 679.º O contrato de empréstimo entre pessoas singulares é formado no momento em que o credor concede o empréstimo.
Artigo 680.º São proibidos os empréstimos usurários e a taxa de juro do empréstimo não deve violar os regulamentos pertinentes do Estado.
Quando não houver acordo sobre o pagamento de juros no contrato de empréstimo, o empréstimo será considerado como sem juros.
Quando o acordo sobre o pagamento de juros em um contrato de empréstimo não for claro, se as partes não conseguirem chegar a um acordo adicional, os juros serão determinados levando-se em consideração as práticas da área local ou entre as partes, como o método de transação, curso de negociação, taxa de juros de mercado e outros Quando o empréstimo for entre pessoas físicas, o empréstimo será considerado sem juros.
Capítulo XIII Contratos de Fiança
Seção 1 Regras Gerais
Artigo 681. O contrato de fiança é um contrato ao abrigo do qual a fiança e o credor concordam, com o objetivo de garantir a execução de um crédito subjacente, que a fiança deve cumprir a obrigação ou assumir a responsabilidade quando o devedor não o cumpra quando for devido ou ocorrer uma circunstância acordada pelas partes.
Artigo 682.º O contrato de caução é o contrato acessório subordinado a um contrato de obrigação principal. Quando o contrato principal é inválido, o contrato de fiança é inválido, salvo disposição em contrário da lei.
Quando o contrato de fiança for declarado inválido, o devedor, o fiador ou o credor culpado assumem a responsabilidade civil na proporção da respectiva falta.
Artigo 683.º Nenhuma pessoa jurídica de órgão do Estado pode servir de fiador, salvo que um órgão do Estado possa, mediante aprovação do Conselho de Estado, servir de fiador para a reapreciação dos empréstimos concedidos por um governo estrangeiro ou por uma organização económica internacional.
Nenhuma pessoa jurídica sem fins lucrativos constituída para fins de interesse público ou organização sem personalidade jurídica pode atuar como fiador.
Artigo 684.º O contrato de fiança geralmente contém cláusulas que especificam a espécie e o montante do crédito principal garantido, o prazo para o devedor cumprir a obrigação, as modalidades, o âmbito e o prazo da fiança e semelhantes.
Artigo 685.º O contrato de fiança pode ser um contrato celebrado separadamente, por escrito, ou uma cláusula de garantia no contrato principal de indemnização.
O contrato de fiança é formado quando um terceiro unilateralmente dá uma garantia por escrito a um credor que a aceita sem formular objeção.
Artigo 686 A fiança consiste na fiança geral e na fiança solidária.
Quando não houver acordo no contrato de fiança quanto à forma de fiança ou o acordo não for claro, a fiança deverá assumir a responsabilidade na forma de fiança geral.
Artigo 687.º Quando as partes acordam no contrato de fiança que a fiança assumirá a responsabilidade por fiança se o devedor não puder cumprir a sua obrigação, a fiança é fiança geral.
A fiança em uma fiança geral pode recusar-se a assumir a responsabilidade de fiança perante o credor antes que uma disputa decorrente do contrato principal seja adjudicada ou arbitrada e quando o devedor ainda não for capaz de cumprir integralmente a obrigação após seus ativos terem sido executados de acordo com a lei, a menos que ocorra uma das seguintes circunstâncias:
(1) o paradeiro do devedor é desconhecido e não há bens disponíveis para execução;
(2) o tribunal popular aceitou o pedido de falência do devedor;
(3) o credor tem provas de que os bens do devedor são insuficientes para cumprir todas as obrigações ou o devedor perde a capacidade para cumprir a obrigação; ou
(4) a fiança renuncia ao seu direito previsto neste parágrafo por escrito.
Artigo 688 Quando as partes acordarem no contrato de fiança que a fiança e o devedor são solidariamente responsáveis ​​pela obrigação, a fiança é fiança com responsabilidade solidária.
Quando um devedor sob fiança com responsabilidade solidária não cumprir a obrigação devida ou quando ocorrer uma circunstância acordada pelas partes, o credor pode solicitar ao devedor o cumprimento de sua obrigação, ou solicitar a fiança para assumir a responsabilidade de fiança no âmbito de sua fiança.
Artigo 689. A fiança pode solicitar ao devedor a constituição de contra-caução.
Artigo 690.º O fiador e o credor podem, mediante consulta, celebrar um contrato de fiança máxima para créditos flutuantes para prestação de garantia aos créditos do credor que surjam consecutivamente dentro de um determinado período de tempo e cujo montante total seja até ao montante máximo de suas reivindicações.
Além de aplicar as disposições deste Capítulo, as disposições relevantes do Livro Dois deste Código sobre a hipoteca máxima para créditos flutuantes devem ser aplicadas mutatis mutandis.
Seção 2 - Responsabilidade por fiança
Art. 691. O escopo da fiança cobre os créditos principais e os respectivos juros, as indenizações liquidadas, as indenizações compensatórias e as despesas de execução do crédito, salvo acordo em contrário das partes.
Art. 692 - O prazo de fiança é o período durante o qual a fiança deverá assumir responsabilidade por fiança, período não podendo ser suspenso, interrompido ou prorrogado.
O credor e a fiança podem concordar com o termo da fiança. No entanto, quando o prazo de fiança acordado for anterior ou igual ao prazo de vencimento para cumprimento da obrigação principal, considera-se que não há acordo sobre o prazo de fiança. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo de fiança ou o acordo não for claro, o prazo de fiança será de seis meses a partir da data de vencimento do prazo para cumprimento da obrigação principal.
Se um credor e um devedor não chegarem a acordo sobre o prazo para o cumprimento da obrigação principal ou o acordo não for claro, o prazo de fiança será contado a partir da data em que o prazo de carência para o credor solicitar ao devedor o cumprimento da obrigação expira.
Art. 693. No caso de o credor da fiança geral deixar de propor a ação judicial ou de requerer a arbitragem do devedor no prazo da fiança, a fiança deixa de representar a responsabilidade da fiança.
Se o credor de uma fiança com responsabilidade solidária deixar de requerer a fiança para assumir a fiança no prazo da fiança, a fiança deixa de ser fiança.
Artigo 694 Quando o credor de uma fiança geral entrar com uma ação judicial ou solicitar a arbitragem contra o devedor antes do termo do prazo da fiança, o prazo de prescrição da obrigação de fiança será contado a partir da data em que o direito da fiança de recusar-se a assumir a responsabilidade pela fiança extingue-se.
Quando um credor de uma fiança com responsabilidade solidária solicita a fiança para assumir sua responsabilidade de fiança antes do término do prazo de fiança, o prazo de prescrição da obrigação de fiança deve ser contado a partir da data em que o credor solicita a fiança para assumir sua responsabilidade de fiança.
Artigo 695.º Quando o credor e o devedor, sem o consentimento por escrito da fiança, acordam em alterar o conteúdo do contrato de obrigação de reclamação principal, se a obrigação for reduzida, a fiança continua a suportar a responsabilidade de fiança pela obrigação alterada; se a obrigação for aumentada, a fiança não arcará com a responsabilidade da fiança pela parte aumentada.
Quando um credor e um devedor alteram o prazo para a execução do contrato de obrigação de crédito principal, o prazo de fiança não será afetado, a menos que mediante consentimento por escrito da fiança.
Artigo 696.º Quando o credor cede o seu crédito, total ou parcialmente, sem notificação da fiança, a transferência não produz efeitos contra a fiança.
Quando a transferência de um crédito for proibida conforme acordado entre a fiança e o credor, se o credor transferir o seu crédito sem o consentimento por escrito da fiança, a fiança deixará de arcar com a responsabilidade da fiança.
Artigo 697 Quando um credor, sem o consentimento por escrito da fiança, permite que o devedor transfira a obrigação no todo ou em parte, a fiança não mais arcará com a responsabilidade de fiança na extensão da obrigação transferida sem o seu consentimento, salvo acordo em contrário do credor e a fiança.
Se uma terceira pessoa se juntar para ser um dos devedores, a responsabilidade do fiador não será afetada.
Art. 698. Decorrido o prazo de cumprimento da obrigação principal, se a fiança de fiança geral fornecer ao credor informações verdadeiras sobre os bens do devedor disponíveis para execução, mas o credor renuncie ou não exerça o seu direito, causando assim sendo tais bens inexequíveis, o fiador não mais será responsável na extensão do valor dos referidos bens disponíveis para execução, cujas informações são fornecidas pelo fiador.
Artigo 699.º Havendo duas ou mais fianças que garantam uma obrigação, os fiadores assumem a responsabilidade pela fiança na proporção da sua quota-parte de fiança nos termos do contrato de fiança. Na falta de tal acordo, o credor pode requerer qualquer uma das fianças para assumir a responsabilidade de fiança no âmbito da sua responsabilidade.
Artigo 700 Depois de a fiança ter assumido a responsabilidade de fiança, salvo acordo em contrário das partes, a fiança tem direito a indenização contra o devedor no âmbito de sua responsabilidade de fiança, e pode gozar do direito do credor contra o devedor, desde que os interesses do credor não serão prejudicados.
Artigo 701. A fiança pode reclamar a defesa que o devedor tem contra o credor. Se o devedor renunciar ao direito de defesa, o fiador terá ainda o direito de reclamar essa defesa contra o credor.
Artigo 702.º Quando o devedor tem direito a compensação ou revogação contra o credor, a fiança pode recusar-se a assumir a responsabilidade fiança no âmbito correspondente.
Capítulo XIV Contratos de Locação
Artigo 703.º O contrato de locação é o contrato segundo o qual o locador entrega o bem locado a um locatário para utilização ou obtenção de rendimentos, pelo qual o locatário paga a renda.
Artigo 704 Um contrato de locação geralmente contém cláusulas que especificam o nome, quantidade, finalidade de uso do objeto locado, o prazo do arrendamento, aluguel e o prazo e método de seu pagamento, e a manutenção do objeto locado, e o Como.
Artigo 705 O prazo do arrendamento não pode exceder vinte anos. Se um arrendamento exceder vinte anos, a parte acima de vinte anos é inválida.
Expirado o prazo de locação, as partes poderão renovar o contrato de locação, desde que o prazo de locação pactuado não ultrapasse vinte anos a partir da data da renovação.
Artigo 706 A omissão das partes em registrar o contrato de locação de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos não afeta a validade do contrato.
Artigo 707 O contrato de arrendamento com prazo superior a seis meses deve ser feito por escrito. Quando o contrato de arrendamento entre as partes não for feito por escrito, se o prazo não puder ser determinado, o arrendamento será considerado como um arrendamento por prazo indeterminado.
Artigo 708 O locador deve entregar o bem locado ao locatário nos termos do contrato e manter o bem locado apto para o uso acordado durante o prazo da locação.
Artigo 709. O locatário deve utilizar o bem locado da forma acordada entre as partes. Quando não houver acordo entre as partes sobre a forma de utilização ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o objeto alugado deve ser utilizado de acordo com a sua natureza.
Artigo 710.º Quando o locatário utilizar o bem locado da forma acordada entre as partes ou consoante a sua natureza, não será responsável pelo uso e desgaste do bem locado.
Artigo 711.º Se o locatário deixar de utilizar o bem locado da forma acordada entre as partes ou conforme a sua natureza, causando dano ao bem locado, o locador pode rescindir o contrato e requerer a sua indemnização.
Artigo 712.º O locador deve cumprir o dever de manutenção do bem locado, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 713.º Sempre que seja necessário proceder à manutenção ou reparação de um bem locado, o locatário pode solicitar ao locador a sua manutenção e reparação num prazo razoável. Se o locador deixar de cumprir a obrigação de manutenção ou reparação, o locatário pode manter ou reparar o bem locado por si próprio e as despesas assim incorridas serão suportadas pelo locador. Se a manutenção ou reparo do objeto locado afetar o uso do locatário, o aluguel deve ser reduzido ou o prazo do aluguel deve ser estendido em conformidade.
Quando um bem alugado necessitar de manutenção ou reparação por negligência do locatário, o locador não assumirá a obrigação de manutenção ou reparação conforme previsto no parágrafo anterior.
Artigo 714.º O locatário deve conservar devidamente o bem locado e é responsável pela indemnização se o bem locado for destruído, danificado ou extraviado por falta de guarda do mesmo.
Artigo 715.º O locatário pode, com o consentimento do locador, melhorar o bem locado ou instalar aditamentos ao mesmo.
Quando um locatário melhora o objeto locado ou instala acréscimos ao mesmo sem o consentimento do locador, o locador pode solicitar que o locatário restaure o objeto locado à sua condição original ou para compensar as perdas.
Artigo 716.º O locatário pode, com o consentimento do locador, sublocar o bem locado a terceiro. O contrato de locação entre o locatário e o locador mantém-se válido apesar da sublocação pelo locatário, e se o terceiro causar prejuízo ao bem locado, o locatário assume a responsabilidade pela indemnização.
Quando um locatário subloca o objeto locado sem o consentimento do locador, o locador pode rescindir o contrato.
Artigo 717 Quando um locatário, mediante consentimento do locador, subloca o objeto locado a um terceiro, se o prazo da sublocação exceder o prazo remanescente do locatário, a sublocação no período superior ao prazo original não deve ser legalmente vinculando o locador, salvo acordo em contrário entre o locador e o locatário.
Artigo 718.º Se o locador souber ou deva ter conhecimento da sublocação efectuada por um locatário, mas não levantar objecções no prazo de seis meses, considera-se que o locador consentiu na sublocação.
Artigo 719.º Em caso de incumprimento do locatário no pagamento da renda, o sublocatário pode pagar a renda em atraso e a indemnização ao locatário, salvo se o contrato de subarrendamento não vincular juridicamente o locador.
O aluguel e os danos liquidados pagos pelo sublocatário ao locatário podem ser usados ​​para compensar o aluguel devido pelo sublocatário ao locatário. Se o valor do aluguel e da indenização paga pelo sublocatário exceder o aluguel, o sublocatário tem o direito de ser indenizado pelo locatário.
Artigo 720.º Qualquer produto da posse ou uso do bem locado durante a vigência do contrato pertence ao locatário, salvo disposição em contrário das partes.
Artigo 721.º O locatário deve pagar a renda dentro do prazo estipulado no contrato. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo para o pagamento do aluguel ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o aluguel será pago no momento do termo do arrendamento expira se o prazo for inferior a um ano, ou no final de cada ano completo quando o prazo for superior a um ano, desde que o aluguel seja pago no momento em que o prazo do arrendamento expira se o prazo restante for inferior mais de um ano.
Artigo 722 Quando o locatário deixar de pagar o aluguel ou atrasar o pagamento do aluguel sem justa causa, o locador pode exigir que o locatário pague o aluguel dentro de um período de tempo razoável, e pode rescindir o contrato se o locatário deixar de pagar o aluguel dentro de tal período de tempo.
Artigo 723.º Quando o locatário não pode utilizar ou receber o benefício do bem locado devido a um crédito de terceiro, o locatário pode requerer a redução ou isenção da renda.
Se uma terceira pessoa reclamar o seu direito contra o bem locado, o locatário notifica o locador em tempo útil.
Cláusula 724 O locador pode rescindir o contrato em qualquer uma das seguintes circunstâncias, se o objeto locado não puder ser usado por motivo não imputável ao locatário:
(1) o bem alugado é apreendido ou detido pela autoridade judicial ou administrativa nos termos da lei;
(2) há disputas sobre a atribuição de direitos do objeto locado; ou
(3) o objeto alugado viola as disposições obrigatórias das leis e regulamentos administrativos no que diz respeito às condições de uso do mesmo.
Artigo 725.º A alteração da propriedade de um bem locado durante o período em que o locatário possui o bem locado em conformidade com o contrato de locação não afecta a validade do contrato de locação.
Artigo 726 O locador que pretenda vender uma casa alugada deve notificar o locatário dentro de um período de tempo razoável antes da venda, e o locatário terá o direito de prioridade na compra da casa em condições equivalentes, a menos que a pessoa que seja coproprietária por ação exerce o seu direito de prioridade na compra da casa ou se o locador a vende a seus parentes próximos.
Se o locatário deixar de expressar explicitamente a sua intenção de adquirir a casa no prazo de quinze dias após o locador ter cumprido a sua obrigação de notificação, considera-se que o locatário renunciou a esse direito de prioridade.
Artigo 727.º Quando o locador autoriza um leiloeiro a vender a casa alugada em leilão, deve notificar o locatário cinco dias antes do leilão. O locatário será considerado como tendo renunciado ao seu direito de prioridade para adquiri-lo caso não participe do leilão.
Artigo 728.º Quando o locador não notifica o locatário ou de outra forma impede o locatário de exercer o seu direito de prioridade na compra da casa locada, o locatário pode solicitar ao locador que assuma a responsabilidade pela indemnização, exceto que a validade do contrato de venda da casa arrendada celebrada entre o locador e uma terceira pessoa não será afetada.
Artigo 729.º Quando um bem locado se encontra parcial ou totalmente destruído, danificado ou perdido por causa não imputável ao locatário, o locatário pode solicitar a redução ou isenção da renda; e o locatário pode rescindir o contrato se o objeto do contrato não puder ser alcançado devido a tal destruição, dano ou perda.
Artigo 730 Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo do arrendamento, ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o arrendamento será considerado um arrendamento por prazo indeterminado . Qualquer uma das partes pode rescindir o contrato a qualquer momento, desde que a outra parte seja notificada com antecedência razoável.
Artigo 731.º Quando o bem locado põe em perigo a segurança ou a saúde do locatário, este pode rescindir o contrato a qualquer momento, mesmo que o locatário esteja claramente ciente da qualidade inferior do bem locado no momento da celebração do contrato.
Artigo 732.º Quando o locatário morre durante o período de locação de uma casa locada, uma pessoa que vive com ou o co-operador do falecido pode locar a casa de acordo com o contrato de locação original.
Artigo 733 O locatário deve devolver o objeto locado no termo do prazo do contrato. O objeto alugado devolvido deve ser mantido em seu estado pós-uso de acordo com o contrato ou de acordo com sua natureza.
Artigo 734.º Quando o locatário continua a usar o bem locado após o termo do prazo do locação e o locador não levanta qualquer objeção, o contrato de locação original continua a ser válido, exceto que o prazo de locação se torna indefinido.
Expirado o contrato de arrendamento, o locatário da casa tem o direito de prioridade em arrendá-la em condições equivalentes.
Capítulo XV Contratos de Financiamento de Locação
Artigo 735.º Um contrato de locação financeira é um contrato segundo o qual um locatário selecciona um bem locado e o seu vendedor, e um locador adquire o bem locado ao vendedor seleccionado e o fornece ao locatário para uso, que paga a renda em troca.
Artigo 736 Um contrato de arrendamento financeiro geralmente contém cláusulas especificando o nome, quantidade, especificações, desempenho técnico e método de inspeção do objeto locado, o prazo do arrendamento, a composição do aluguel, o prazo, o método e a moeda de pagamento do aluguel, a propriedade sobre o objeto alugado no vencimento do prazo e semelhantes.
O contrato de arrendamento financeiro deve ser feito por escrito.
Artigo 737.º O contrato de locação financeira celebrado pelas partes sobre um bem locado fictício é nulo.
Artigo 738.º Quando a exploração ou utilização do bem locado exigir licença administrativa nos termos das disposições legislativas e regulamentares administrativas, a omissão do locador na obtenção dessa licença administrativa não prejudica a validade do contrato de locação financeira.
Artigo 739 Quando um locador celebra um contrato de venda com base na seleção do locatário do vendedor e do bem locado, o vendedor deve entregar o objeto ao locatário conforme acordado pelas partes, e o locatário deve gozar dos direitos de um comprador no que diz respeito a o objeto recebido.
Artigo 740 O locatário pode recusar-se a aceitar o objeto entregue pelo vendedor quando o vendedor violar sua obrigação de entrega do objeto ao locatário, e ocorrer uma das seguintes circunstâncias:
(1) o assunto é materialmente inconsistente com o contrato; ou
(2) o vendedor deixa de entregar o objeto conforme acordado pelas partes, e ainda assim deixa de entregá-lo dentro de um período de tempo razoável após ter sido exigido pelo locatário ou locador.
Quando um locatário se recusa a aceitar a entrega do objeto, ele deve notificar imediatamente o locador.
Artigo 741.º O locador, o vendedor e o locatário podem acordar que, em caso de incumprimento pelo vendedor das obrigações decorrentes do contrato de venda, o locatário exerce o direito de reclamação contra o vendedor. Quando o locatário exerce tal direito, o locador deve prestar assistência.
Artigo 742.º O exercício do direito de reclamação do vendedor pelo locatário não prejudica o cumprimento da obrigação de pagar a renda. No entanto, quando um locatário confiou na experiência do locador para selecionar o objeto locado ou o locador interveio na seleção do objeto locado, o locatário pode solicitar a redução ou isenção da renda em conformidade.
Artigo 743 Quando ocorrer qualquer uma das seguintes circunstâncias, que cause a falha do locatário em exercer o direito de reclamação contra o vendedor, o locatário tem o direito de solicitar ao locador que assuma a responsabilidade correspondente:
(1) o locador sabe claramente que o objeto locado tem defeitos de qualidade, mas não notifica o locatário; ou
(2) quando o locatário exerce o direito de reclamação, o locador deixa de fornecer a assistência necessária em tempo hábil.
Quando o direito de reclamar contra o vendedor só pode ser exercido pelo locador, mas o locador não exerce tal direito devido à sua indolência, causando assim prejuízo ao locatário, o locatário tem o direito de solicitar ao locador que arcar com a responsabilidade pela compensação .
Artigo 744.º Quando o locador celebra um contrato de venda com base na escolha do locatário do vendedor e do bem locado, o locador não pode, sem o consentimento do locatário, modificar o conteúdo do contrato relativo ao locatário.
Artigo 745.º A propriedade do locador sobre o bem locado não pode, sem ser registada, ser oponível a terceiro de boa fé.
Artigo 746.º A renda ao abrigo de um contrato de locação financeira deve, salvo acordo em contrário das partes, ser determinada em função da totalidade ou da maior parte do custo de aquisição do bem locado acrescido dos lucros razoáveis ​​a obter pelo locador.
Cláusula 747 Quando um bem locado não está em conformidade com o contrato ou a finalidade de seu uso, o locador não assume qualquer responsabilidade, a menos que o locatário tenha contado com a experiência do locador para selecionar o objeto locado ou o locador tenha intervindo na seleção de o objeto alugado.
Artigo 748.º O locador garante a posse e o uso do bem locado pelo locatário.
O locatário tem o direito de solicitar que o locador arcar com a responsabilidade por compensação, quando o locador cair em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) retomar o objeto alugado sem justa causa;
(2) obstruir ou interferir na posse e uso do bem locado pelo locatário sem justa causa;
(3) uma terceira pessoa reivindica um direito sobre o objeto locado devido a uma razão atribuível ao locador; ou
(4) o locador, de outra forma, afeta indevidamente a posse e o uso do objeto locado pelo locatário.
Artigo 749.º Quando um bem locado causar danos pessoais ou patrimoniais a terceiros durante o período em que estiver na posse do locatário, o locador não assume qualquer responsabilidade.
Artigo 750 O locatário deve manter e utilizar devidamente o bem locado.
O locatário deve cumprir a obrigação de manutenção do bem locado durante o período em que o bem locado estiver sob sua posse.
Cláusula 751 Quando o objeto locado é destruído, danificado ou perdido durante o período em que está sob a posse do locatário, o locador tem o direito de solicitar ao locatário que continue a pagar o aluguel, salvo disposição em contrário por lei ou acordado pelo partidos.
Artigo 752.º O locatário paga a renda nos termos do contrato. Se o locatário deixar de pagar o aluguel dentro de um período razoável de tempo após a demanda, o locador pode solicitar o pagamento integral do aluguel ou rescindir o contrato e retomar o bem locado.
Artigo 753.º No caso de o locatário ceder, hipotecar, penhorar, investir e contribuir a título de acções, ou por qualquer outra forma alienar o bem locado sem o consentimento do locador, o locador pode rescindir o contrato de locação financeira.
Cláusula 754 O locador ou locatário pode rescindir o contrato de locação financeira em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) o contrato de venda entre o locador e o vendedor é rescindido, determinado como nulo ou revogado, e as partes deixam de celebrar um novo contrato de venda;
(2) o objeto alugado é destruído, danificado ou perdido por um motivo não imputável às partes, e é impossível reparar o objeto alugado ou determinar um substituto para o mesmo; ou
(3) o objetivo do contrato de arrendamento mercantil financeiro não pode ser alcançado por motivo imputável ao vendedor.
Artigo 755.º Em caso de rescisão do contrato de locação financeira por rescisão, anulação ou revogação do contrato de venda, se o vendedor e o bem locado forem seleccionados pelo locatário, o locador tem o direito de requerer ao locatário a indemnização das perdas correspondentes , a menos que o contrato de venda seja rescindido, invalidado ou revogado por motivo imputável ao locador.
Quando as perdas do locador tiverem sido recuperadas no momento em que o contrato de venda for rescindido, invalidado ou revogado, o locatário não será mais responsável pela indenização.
Cláusula 756 Quando um contrato de locação financeira é rescindido por motivo não imputável às partes, como destruição acidental, dano ou perda do bem locado após sua entrega ao locatário, o locador pode solicitar ao locatário que faça compensação com base no status de depreciação do objeto locado.
Artigo 757.º O locador e o locatário podem acordar a propriedade do bem locado no termo do prazo da locação. Quando não houver acordo entre as partes sobre a propriedade do objeto locado ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, a propriedade do objeto locado pertencerá ao locador.
Cláusula 758 Quando as partes concordam que o locatário terá a propriedade sobre o objeto locado após o término do prazo do arrendamento, se o locatário tiver pago a maior parte do aluguel, mas não puder pagar a parte restante, e o locador, portanto, rescindiu do contrato e retomado o bem locado, o locatário pode requerer a devolução correspondente se o valor do bem locado retomado for superior ao aluguel e demais despesas em atraso.
Quando as partes concordam que o locador deve ter a propriedade sobre o objeto locado após o término do prazo do arrendamento, e o locatário não pode devolver o objeto locado devido à destruição, dano ou perda do objeto locado, ou porque o o objeto alugado foi anexado ou misturado a outra coisa, o locador tem o direito de solicitar ao locatário uma indenização razoável.
Cláusula 759 Quando as partes concordam que o locatário só é obrigado a pagar ao locador um preço simbólico após o término do prazo do arrendamento, a propriedade do bem locado será considerada como pertencente ao locatário após o locatário ter cumprido sua obrigação de pagar o aluguel conforme o contrato.
Artigo 760.º Quando um contrato de locação financeira é inválido e as partes concordam com a propriedade do bem locado nessas circunstâncias, deve ser seguido esse acordo. Quando não houver acordo entre as partes sobre a propriedade do bem locado ou o acordo não for claro, o objeto locado deve ser devolvido ao locador. No entanto, se o contrato se tornar inválido por motivo imputável ao locatário, se o locador não solicitar a devolução do objeto locado ou a devolução do objeto locado reduzir significativamente a utilidade do mesmo, a propriedade do objeto locado pertencerá ao locatário, e o locatário deve fazer uma compensação razoável ao locador.
Capítulo XVI Contratos de Factoring
Artigo 761.º Um contrato de factoring é um contrato ao abrigo do qual um credor de contas a receber transfere as contas a receber existentes ou posteriormente adquiridas para um factor que presta serviços como alojamento de fundos, gestão ou cobrança de contas a receber, garantia de pagamento de um devedor das contas a receber e semelhantes.
Artigo 762 Um contrato de factoring geralmente contém cláusulas que especificam o tipo de negócio, âmbito do serviço, prazo de serviço, informações sobre o contrato de transação subjacente e as contas a receber, os fundos de financiamento através de factoring, a remuneração do serviço, os métodos de pagamento e o Como.
Um contrato de factoring deve ser feito por escrito.
Artigo 763 Quando um credor e um devedor fabricam uma conta a receber como objeto de transferência e, em seguida, celebram um contrato de factoring sobre ela com um fator, o devedor da conta a receber fabricada não deve apresentar defesa contra o fator com o fundamento de que a conta a receber não existe, a menos que o fator conheça claramente tal fabricação.
Artigo 764.º Quando um factor notifique o devedor de uma conta a receber da cessão da conta a receber, deve revelar a sua identidade como factor e apresentar os documentos comprovativos necessários.
Artigo 765 Quando, após o devedor de uma conta a receber receber o aviso de cessão da mesma, o credor e o devedor da conta a receber concordam em modificar ou rescindir o contrato subjacente sem justa causa, o que tem um impacto adverso sobre o fator, tal modificação ou a rescisão não é eficaz contra o fator.
Artigo 766 Quando as partes concordarem que o factoring é um com o direito de regresso, o fator pode reclamar contra o credor da conta a receber para reembolso do principal e juros dos fundos de financiamento ou resgate do crédito sobre a conta a receber, ou reclamação contra o devedor da conta a receber. Quando um fator é reivindicado contra o devedor da conta a receber após dedução do principal e dos juros dos fundos de financiamento e outras despesas relevantes, qualquer saldo deve ser devolvido ao devedor da conta a receber.
Cláusula 767 Quando as partes concordam que o factoring é aquele sem direito de regresso, o fator deve reclamar contra o devedor da conta a receber, e o fator não é obrigado a devolver ao credor da conta a receber o montante que excede o principal e juros dos fundos de financiamento e demais despesas relevantes por ele obtidas.
Artigo 768 Quando um credor de uma conta a receber celebra múltiplos contratos de factoring com fatores diferentes de modo que os fatores reivindiquem seus direitos contra a mesma conta a receber, a conta a receber deve ser obtida pelo fator de um contrato de factoring registrado com prioridade sobre os fatores de não registrados contratos de factoring, ou, quando todos os contratos de factoring são registrados, pelos fatores em uma ordem de acordo com o momento do registro, ou, se nenhum dos contratos de factoring tiver sido registrado, pelo fator indicado no aviso de transferência que chegou ao devedor da conta a receber primeiro a tempo. Se nenhum dos contratos de factoring tiver sido registrado e nenhum aviso de transferência tiver sido enviado, a conta a receber será obtida pelos fatores em uma base pro rata do valor dos fundos de financiamento que cada um tenha fornecido, ou a remuneração do serviço a que cada um tem direito.
Artigo 769. Para as questões não previstas neste Capítulo, aplicar-se-ão as disposições pertinentes do Capítulo Seis deste Livro sobre a cessão de créditos.
Capítulo XVII Contratos de Trabalho
Artigo 770.º Contrato de trabalho é o contrato ao abrigo do qual o empreiteiro, de acordo com as necessidades do cliente, conclui a obra e entrega o produto do trabalho ao cliente, que lhe paga uma retribuição.
Um trabalho contratado inclui processamento, fabricação sob encomenda, reparo, reprodução, teste, inspeção e assim por diante.
Artigo 771 Um contrato de trabalho geralmente contém cláusulas que especificam o objeto, a quantidade e a qualidade do trabalho, a remuneração do trabalho, o modo de trabalho, o fornecimento de materiais, o período de execução, a norma e o método de inspeção e semelhantes .
Artigo 772.º ​​O empreiteiro deve concluir a parte principal da obra com equipamento, tecnologia e mão-de-obra próprios, salvo acordo em contrário das partes.
Quando um empreiteiro confia a maior parte do trabalho contratado a um terceiro, o empreiteiro será responsável perante o seu cliente pelo trabalho executado pelo terceiro e o cliente pode rescindir o contrato se não tiver consentido com o mesmo.
Artigo 773.º O contratante pode confiar a terceiros a parte acessória da sua obra contratada. Quando um empreiteiro confia uma parte acessória da obra contratada a uma terceira pessoa, o empreiteiro será responsável perante o cliente pelo produto de trabalho concluído por essa terceira pessoa.
Artigo 774.º Quando um contratante deve fornecer os materiais, deve selecionar e utilizar os materiais de acordo com o contrato e aceitar a inspeção do cliente.
Artigo 775 Quando um cliente deve fornecer os materiais, ele deve fornecer os materiais de acordo com o acordo. A contratada deverá inspecionar prontamente os materiais fornecidos pelo cliente e, caso seja constatada alguma inconformidade, a contratada deverá prontamente solicitar ao cliente a reposição, suprimento da falta ou outras medidas corretivas.
Sem o consentimento do cliente, o empreiteiro não pode alterar os materiais fornecidos pelo cliente, nem alterar os acessórios e peças que não necessitem de reparação.
Artigo 776.º O contratante deve notificar imediatamente o cliente se considerar que os desenhos ou requisitos técnicos fornecidos pelo cliente não são razoáveis. Quando forem causados ​​prejuízos ao contratante devido à falta de resposta do cliente ou motivos semelhantes, o cliente será responsável pela indemnização.
Artigo 777.º Quando, no decurso de uma obra contratada, o cliente altere os seus requisitos, causando prejuízo ao empreiteiro, o cliente é responsável pela indemnização.
Artigo 778.º Sempre que uma obra contratada requeira assistência do cliente, o cliente tem a obrigação de prestar essa assistência. Caso o cliente deixe de cumprir tal obrigação, impossibilitando a conclusão da obra contratada, o empreiteiro pode exigir-lhe que cumpra a sua obrigação num prazo razoável, podendo também estender o prazo de execução em conformidade. Se o cliente ainda assim não cumprir sua obrigação dentro do prazo estendido, o contratante pode rescindir o contrato.
Artigo 779.º O empreiteiro deve aceitar a supervisão e fiscalização necessárias do cliente no decurso da sua obra. O cliente não pode perturbar o trabalho normal do empreiteiro por meio de supervisão e inspeção.
Artigo 780.º Após a conclusão da sua obra, o empreiteiro deve entregar ao cliente o produto da obra e fornecer ao cliente os materiais técnicos necessários e os respectivos certificados de qualidade. O cliente deve inspecionar o produto de trabalho para aceitação.
Artigo 781.º Quando o produto de trabalho entregue pelo empreiteiro não cumpre os requisitos de qualidade, o cliente pode, de forma razoável, exigir do empreiteiro a responsabilidade por incumprimento nas formas de reparação, retrabalho, redução da remuneração ou indemnização por perdas.
Artigo 782.º O cliente deve pagar a remuneração no prazo acordado entre as partes. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo de pagamento da remuneração ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com o disposto no artigo 510 deste Código, o cliente deverá efetuar o pagamento no momento da entrega da obra produtos; e caso seja entregue parte do produto de trabalho, o cliente deverá pagar a respectiva remuneração.
Artigo 783.º Quando o cliente não efetua os pagamentos relativos à remuneração ou aos honorários de materiais, o contratante tem o direito de manter o produto da obra sob garantia ou de recusar a entrega, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 784.º O empreiteiro deve conservar devidamente os materiais fornecidos pelo cliente e o produto de trabalho acabado, e assume a responsabilidade pela indemnização se esses materiais ou o produto de trabalho forem destruídos, danificados ou perdidos devido à sua manutenção inadequada.
Artigo 785.º O contratante deve manter em sigilo as informações pertinentes de acordo com as necessidades do cliente e, sem a autorização deste, não pode reter cópias ou dados técnicos dos mesmos.
Artigo 786.º Os co-contratantes assumem responsabilidades solidárias para com o cliente, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 787.º O cliente pode rescindir o contrato de trabalho a qualquer momento antes de o empreiteiro terminar a sua obra, desde que seja responsável pela indemnização do prejuízo assim causado ao empreiteiro.
Capítulo XVIII Contratos para Projeto de Construção
Artigo 788.º Um contrato de projecto de construção é o contrato ao abrigo do qual um empreiteiro executa a construção de um projecto e o preço em troca é pago pelo proponente do contrato.
Os contratos de projeto de construção consistem em contratos de prospecção, desenho e construção do projeto.
Artigo 789.º O contrato de projecto de construção deve ser celebrado por escrito.
Artigo 790.º A licitação de um projeto de construção deve ser realizada de forma aberta, justa e imparcial, de acordo com as disposições da legislação pertinente.
Artigo 791.º A parte que oferece o contrato pode celebrar um contrato de projecto de construção com um empreiteiro geral ou celebrar contratos separados de prospecção, concepção e construção com as partes de prospecção, concepção e construção, respectivamente. Uma parte que oferece um contrato não pode dividir um projeto de construção que deveria ser concluído por um empreiteiro em várias partes e oferecê-las a vários empreiteiros.
Um empreiteiro geral ou um empreiteiro de prospecção, projeto ou construção pode, mediante consentimento da parte que oferece o contrato, confiar parte da obra contratada a um terceiro. O terceiro assumirá responsabilidade solidária com o empreiteiro geral ou o empreiteiro de prospecção, engenharia ou construção para com a parte que oferece o contrato sobre o produto de trabalho do terceiro. Um empreiteiro não pode delegar a totalidade do projeto de construção contratado a uma terceira pessoa ou dividir o projeto de construção contratado em várias partes e delegá-los separadamente a terceiros em nome da subcontratação.
Um empreiteiro está proibido de subcontratar o projeto contratado a qualquer entidade sem as qualificações correspondentes. Um subcontratado está proibido de subcontratar o projeto contratado. A estrutura principal do projeto de construção deve ser executada pelo próprio empreiteiro.
Artigo 792.º Os contratos relativos aos grandes projectos de construção do Estado devem ser celebrados de acordo com os procedimentos fixados pelo Estado e os documentos como planos de investimento e relatórios de estudos de viabilidade aprovados pelo Estado.
Artigo 793.º Quando um contrato de projecto de construção é inválido mas o projecto de construção foi aprovado na inspecção de aceitação, o empreiteiro pode ser indemnizado com referência ao preço do projecto acordado no contrato e com base no preço de avaliação do projecto de construção.
Quando um contrato de projeto de construção é inválido e o projeto de construção não passa na inspeção para aceitação, deve ser tratado de acordo com as seguintes disposições:
(1) se o projeto de construção, depois de reparado, tiver sido aprovado na inspeção para aceitação, a parte que oferece o contrato pode solicitar ao empreiteiro que arcará com os custos de reparo; ou
(2) se o projeto de construção após ser reparado ainda não passar na inspeção para aceitação, o empreiteiro não tem o direito de solicitar o pagamento com referência ao preço do projeto acordado no contrato ou com base no preço avaliado do projeto de construção.
Se o ofertante for culpado pelo prejuízo causado pelo desrespeito do projeto de construção, ele deverá assumir as responsabilidades correspondentes.
Artigo 794 Um contrato de prospecção ou projeto geralmente contém cláusulas especificando o prazo para a apresentação de documentos relativos aos materiais básicos e orçamento, requisitos de qualidade, despesas e outras condições de cooperação, e semelhantes.
Artigo 795 Um contrato de construção geralmente contém cláusulas especificando o escopo do projeto, o período de construção, o tempo de início e conclusão do projeto a ser entregue no meio do curso, a qualidade do projeto, custos, tempo de entrega de materiais técnicos, a responsabilidade pelo fornecimento de materiais e equipamentos, alocação e liquidação de fundos, inspeção e aceitação do projeto após sua conclusão, alcance e período de garantia de qualidade, cooperação e assim por diante.
Artigo 796.º Para qualquer projecto de construção ao qual se aplique um sistema de superintendência, o ofertante deve celebrar um contrato de atribuição de superintendência por escrito com o superintendente encarregado. Os direitos e obrigações, bem como as responsabilidades legais da parte que oferece o contrato e do superintendente, serão definidos de acordo com as disposições sobre contratos de atribuição deste Livro, bem como as disposições relevantes de outras leis e regulamentos administrativos.
Artigo 797.º O proponente pode, sem perturbar o funcionamento normal do empreiteiro, fiscalizar a qualquer momento o andamento e a qualidade da obra.
Artigo 798.º Antes da ocultação de um projecto oculto, o contratante deve notificar o proponente do contrato para o inspeccionar. Se o ofertante deixar de realizar a fiscalização em tempo hábil, a contratada poderá estender o prazo para a conclusão do projeto em conformidade, e poderá solicitar indenização pelos prejuízos causados ​​pela paralisação das obras, ociosidade forçada dos trabalhadores e a Como.
Cláusula 799 Após a conclusão de um projeto de construção, o contratante deve realizar prontamente a inspeção de aceitação de acordo com os desenhos e descrições de construção, bem como as regras de inspeção e aceitação de projetos de construção e as normas de inspeção de qualidade emitidas por o Estado. Caso o projeto seja aprovado na fiscalização de aceitação, o ofertante deverá pagar o preço acordado e assumir o projeto de construção.
Um projeto de construção pode ser entregue e colocado em uso somente após ter sido aprovado na inspeção para aceitação após a conclusão. Sem ser inspecionado ou não passar na fiscalização, o projeto de construção não pode ser entregue ou colocado em uso.
Artigo 800 Quando forem causados ​​prejuízos a um ofertante de contrato devido ao fato de a prospecção ou projeto não estar em conformidade com os requisitos de qualidade ou de os documentos de prospecção ou projeto não serem apresentados conforme previsto, de modo que o período de construção seja atrasado a parte de prospecção ou projeto deve continuar a aperfeiçoar a prospecção ou projeto, reduzir ou dispensar as taxas de prospecção ou projeto e fazer a compensação pelas perdas.
Artigo 801 Quando a qualidade de um projeto de construção não estiver em conformidade com o contrato devido a um motivo imputável ao construtor, a parte que oferece o contrato tem o direito de solicitar ao construtor que repare, retrabalhe ou reconstrua o projeto sem custos adicionais dentro de um período de tempo razoável. Se a entrega atrasar devido ao reparo, retrabalho, reconstrução, o construtor será responsável pela inadimplência.
Artigo 802.º Sempre que um projecto de construção cause danos pessoais e materiais por motivo imputável ao empreiteiro dentro de um período razoável de utilização do projecto, o empreiteiro é o responsável pela indemnização.
Cláusula 803 Quando uma parte que oferece o contrato deixar de fornecer matérias-primas, equipamentos, instalações, fundos ou materiais técnicos no prazo acordado e de acordo com os requisitos acordados, o empreiteiro pode prorrogar o período de construção em conformidade e tem o direito de solicitar compensação pelos prejuízos causados ​​pela paralisação do trabalho, ociosidade forçada dos trabalhadores e assim por diante.
Cláusula 804 Se um projeto de construção for interrompido ou suspenso no meio do curso por motivo imputável ao ofertante, o ofertante deve tomar medidas para compensar a perda ou mitigar a perda, e indenizar o empreiteiro por quaisquer perdas despesas causadas e reais incorridas por paralisação de trabalho, ociosidade forçada de trabalhadores, transporte de volta, transferência de equipamento de maquinário, acúmulo de materiais e componentes estruturais e semelhantes.
Artigo 805 Quando o ofertante altera o seu plano, fornece materiais imprecisos, ou deixa de fornecer as condições de trabalho necessárias para a prospecção ou projeto conforme programado, causando assim o refazer ou paralisação da obra de prospecção ou projeto, ou a revisão do projeto, a parte que oferece o contrato deve pagar taxas adicionais de acordo com a quantidade de trabalho realmente realizado pela parte que faz a prospecção ou projeto.
Artigo 806.º Quando o empreiteiro delega ou subcontrata ilegalmente o projecto de construção a terceiros, o proponente pode rescindir o contrato.
Quando os principais materiais de construção, componentes e acessórios de construção e equipamentos fornecidos pela parte que oferece o contrato não estão em conformidade com o padrão obrigatório, ou a parte que oferece o contrato não cumpre suas obrigações de prestar assistência, de modo que o contratante não pode assumir o construção, se o ofertante ainda assim não cumprir as obrigações correspondentes em um prazo razoável após a demanda, o empreiteiro poderá rescindir o contrato.
Quando, após a rescisão do contrato, a qualidade do projeto de construção concluído for considerada normal, o ofertante deverá efetuar o pagamento correspondente pelo projeto de construção de acordo com o contrato. Se a qualidade do projeto de construção concluído for inferior aos padrões, o disposto no artigo 793º deste Código será aplicado com as necessárias adaptações.
Artigo 807.º Quando a parte que oferece o contrato não paga o preço nos termos do acordo, o contratante pode exigir que a parte que oferece o contrato faça o pagamento num prazo razoável. Caso o ofertante ainda deixe de pagar o preço ao término do referido prazo, a empreiteira poderá negociar com o ofertante a avaliação do projeto de construção para cumprimento da obrigação, ou solicitar ao juízo popular a venda do empreendimento em leilão nos termos da lei, a menos que a obra seja, por sua natureza, inadequada para avaliação ou leilão. O pagamento pela construção do empreendimento será realizado, prioritariamente, com os recursos obtidos na avaliação ou leilão do referido empreendimento.
Artigo 808.º Nas matérias não previstas neste Capítulo aplicam-se as disposições pertinentes sobre os contratos de trabalho.
Capítulo XIX Contratos de Transporte
Seção 1 Regras Gerais
Artigo 809.º O contrato de transporte é o contrato ao abrigo do qual um transportador transporta um passageiro ou mercadorias do local de expedição para um destino acordado pelas partes, sendo o passageiro, o expedidor ou o destinatário o pagamento da passagem ou do frete.
Artigo 810.º O transportador que se dedica ao transporte público não pode rejeitar um pedido de transporte normal e razoável apresentado por um passageiro ou expedidor.
Artigo 811 O transportador deve transportar com segurança um passageiro ou mercadoria para um destino conforme acordado dentro do acordado ou em um prazo razoável.
Artigo 812.º O transportador deve transportar um passageiro ou uma mercadoria para um destino acordado através de um itinerário de transporte acordado ou normal.
Artigo 813.º O passageiro, o expedidor ou o destinatário devem pagar a tarifa ou o frete. Se uma transportadora não transportar por uma rota acordada ou pela rota usual, aumentando assim a tarifa ou o frete, o passageiro, consignatário ou consignatário pode se recusar a pagar a tarifa ou frete extra.
Seção 2 Contrato de Transporte de Passageiros
Artigo 814.º O contrato de transporte de passageiros é celebrado no momento em que o transportador emite o bilhete ao passageiro, salvo disposição em contrário das partes ou de acordo com o código de negociação.
Artigo 815.º O embarque do passageiro deve obedecer ao horário, ao número de corridas ou voos e ao número do assento indicado no bilhete válido. Qualquer passageiro que embarque sem passagem, além da distância paga, em classe superior, ou com passagem com desconto enquanto não estiver qualificado para tal, deverá pagar ou compensar a diferença no preço da passagem, e a transportadora pode cobrar uma tarifa extra de acordo aos regulamentos. Quando um passageiro se recusa a pagar a tarifa em conformidade, a transportadora pode recusar-se a transportá-lo.
Quando um passageiro com um contrato de transporte de passageiros em nome real perde sua passagem, ele pode solicitar à transportadora que relate a perda e reemitir uma passagem, e a transportadora não deve cobrar novamente as taxas de passagem ou outras despesas não razoáveis.
Artigo 816.º O passageiro que por motivos próprios não puder embarcar no horário indicado no bilhete, deverá, no prazo acordado entre as partes, submeter-se aos procedimentos de reembolso ou alteração do bilhete. Se o passageiro não se submeter aos procedimentos de reembolso ou alteração no prazo acordado, a transportadora pode recusar-se a reembolsar o bilhete, ficando sem a obrigação de transporte.
Artigo 817.º As bagagens de mão de um passageiro devem obedecer ao limite de quantidade e categoria exigidos pelo acordo. O passageiro que transportar bagagens acima do limite de quantidade ou em violação aos requisitos da categoria deverá despachar a bagagem.
Artigo 818 O passageiro não pode transportar consigo ou transportar secretamente na bagagem artigos inflamáveis, explosivos, tóxicos, corrosivos ou radioativos, quaisquer outros artigos perigosos que possam pôr em perigo a segurança das pessoas e bens a bordo, nem quaisquer artigos contrabandeados.
Se o passageiro violar o disposto no parágrafo anterior, o transportador poderá descarregar ou destruir os artigos perigosos ou contrabandeados ou entregá-los aos serviços competentes. Se o passageiro insistir em transportar consigo os artigos perigosos ou contrabandeados ou em transportá-los na bagagem, a transportadora deve recusar-se a transportá-lo.
Artigo 819.º O transportador deve cumprir estritamente a sua obrigação de transporte seguro e notificar atempadamente os passageiros sobre as questões de atenção para um transporte seguro. O passageiro deve ajudar ativamente e cooperar com a transportadora no que diz respeito às providências razoáveis ​​tomadas para um transporte seguro.
Artigo 820.º O transportador deve transportar os passageiros no momento e no número de corridas ou voos e no número do assento indicado no bilhete válido. Em circunstâncias em que o transporte é atrasado ou sai do estado normal, a transportadora deve informar e lembrar o passageiro em tempo hábil, tomar as medidas necessárias para o arranjo e, a pedido dos passageiros, providenciar para que façam outros números de viagens ou voos ou reembolsar seus bilhetes. A transportadora será responsável pela indenização por qualquer perda assim causada ao passageiro, a menos que tal perda não seja imputável à transportadora.
Artigo 821.º A transportadora que reduza unilateralmente o padrão de serviço deve, a pedido dos passageiros, reembolsar os seus bilhetes ou reduzir a tarifa. Uma transportadora que atualizar o padrão de serviço não cobrará tarifa extra.
Artigo 822.º A transportadora não poupará esforços, durante o transporte, para resgatar e ajudar uma passageira que sofre de uma doença emergente, inicia o parto ou está em perigo de outra forma.
Artigo 823 A transportadora será responsável pela indenização decorrente de lesão ou morte de um passageiro ocorrida durante o transporte, a menos que a lesão ou morte seja resultado do próprio estado de saúde do passageiro, ou a transportadora possa provar que a lesão ou a morte é causada por ato intencional ou negligente do passageiro.
As disposições do parágrafo anterior aplicam-se a qualquer passageiro dispensado de passagem de acordo com os regulamentos, portador de passagem gratuita ou autorizado pela transportadora a viajar sem passagem.
Artigo 824.º Quando um artigo que o passageiro transporta consigo for destruído, danificado ou perdido durante o transporte, a transportadora será responsável pela indemnização, se a culpa for da transportadora.
No caso de as bagagens registadas dos passageiros serem destruídas, danificadas ou perdidas, serão aplicadas as disposições aplicáveis ​​ao transporte de mercadorias.
Seção 3 Contratos de transporte de carga
Artigo 825.º O expedidor, ao expedir mercadorias para transporte, deve declarar claramente ao transportador as informações necessárias para o transporte de mercadorias, tais como o nome ou nome da entidade do destinatário ou do destinatário por encomenda, bem como o nome, natureza, peso e quantidade das mercadorias e o local de entrega.
Se o transportador sofrer um prejuízo devido à declaração falsa do expedidor ou à omissão de informações substanciais, o expedidor será responsável pela indemnização.
Artigo 826.º Se o transporte de mercadorias estiver sujeito a aprovação ou inspeção, o expedidor apresentará ao transportador os documentos comprovativos do cumprimento das formalidades pertinentes.
Artigo 827.º O expedidor deve embalar as mercadorias da forma acordada pelas partes. Quando não houver acordo entre as partes sobre a forma de embalagem ou o acordo não for claro, serão aplicadas as disposições do Artigo 619 deste Código.
Se o expedidor violar as disposições do parágrafo anterior, o transportador poderá recusar-se a realizar o transporte.
Artigo 828 Quando um expedidor consignar para transporte mercadorias perigosas como artigos inflamáveis, explosivos, tóxicos, corrosivos ou radioativos, o expedidor deverá, de acordo com os regulamentos do Estado sobre o transporte de mercadorias perigosas, embalar adequadamente as mercadorias perigosas, afixar aviso sinais e etiquetas para os mesmos, e apresentar ao transportador documentos escritos relativos ao nome, natureza e medidas de precaução relevantes para as mercadorias perigosas.
Se o expedidor violar as disposições do parágrafo anterior, o transportador poderá recusar-se a realizar o transporte ou tomar as medidas adequadas para evitar perdas, ficando as despesas incorridas a cargo do expedidor.
Artigo 829 Antes de um transportador entregar a mercadoria ao consignatário, o expedidor pode pedir ao transportador que interrompa o transporte, devolva a mercadoria, mude o local de destino ou entregue a mercadoria a outro destinatário, desde que o expedidor indenize as perdas assim causado ao transportador.
Artigo 830.º Após o transporte das mercadorias para o local de destino, o transportador deve notificar imediatamente o destinatário, desde que saiba quem é o destinatário, e o destinatário deve receber prontamente a mercadoria. Se o destinatário atrasar a entrega das mercadorias, o destinatário deverá pagar as taxas de armazenamento e outras taxas ao transportador.
Artigo 831.º Ao receber a mercadoria, o destinatário deve proceder à sua inspecção no prazo acordado entre as partes. Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo para a inspeção das mercadorias ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o destinatário deverá inspecionar as mercadorias dentro de um período razoável de Tempo. Quando o consignatário não levantar qualquer objeção sobre a quantidade, destruição, dano ou perda das mercadorias dentro do prazo acordado ou um período de tempo razoável, o silêncio será considerado como uma prova preliminar de que a transportadora entregou as mercadorias em de acordo com os documentos de transporte.
Artigo 832 O transportador será responsável pela indenização por qualquer destruição, dano ou perda das mercadorias ocorridas durante o transporte, exceto que o transportador não será responsável pela compensação se o transportador provar que a destruição, dano ou a perda das mercadorias é causada por força maior, pela natureza intrínseca das mercadorias ou pelo uso e desgaste razoável, ou é causada por negligência do expedidor ou do destinatário.
Artigo 833.º O montante da indemnização pela destruição, dano ou perda dos bens deve estar de acordo com o acordo entre as partes, se houver tal acordo. Quando o acordo sobre o valor da indenização não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o valor da indenização será calculado com base no preço de mercado das mercadorias no local de entrega no momento quando as mercadorias são entregues ou deveriam ter sido entregues. Havendo legislação ou regulamentação administrativa que estabeleça o contrário quanto à forma de cálculo e ao limite do valor da indenização, tais disposições deverão ser observadas.
Artigo 834.º Quando dois ou mais transportadores efectuam um transporte conexo do mesmo modo, o transportador que celebra o contrato com o expedidor é responsável pela totalidade do transporte. Se ocorrer perda em um trecho do transporte, o transportador que celebra o contrato com o expedidor e o transportador desse trecho assumirá responsabilidade solidária.
Artigo 835.º Em caso de extravio das mercadorias durante o transporte por motivo de força maior, salvo disposição em contrário da lei, o transportador não pode solicitar o pagamento da carga se a carga ainda não tiver sido recolhida, e o expedidor pode solicitar o seu reembolso se o frete já foi coletado.
Artigo 836.º Se o expedidor ou consignatário deixar de pagar o frete, as taxas de armazenamento ou outras despesas, o transportador tem o direito de reter as mercadorias sob garantia, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 837.º Quando o destinatário é desconhecido ou o destinatário se recusa a receber as mercadorias sem justa causa, o transportador pode fazer com que as mercadorias sejam colocadas sob custódia nos termos da lei.
Seção 4 Contratos de transporte multimodais
Artigo 838.º O operador de transporte multimodal é responsável pela execução ou organização da execução de um contrato de transporte multimodal, goza dos direitos e assume as obrigações de transportador ao longo de todo o transporte.
Artigo 839.º O operador de transporte multimodal pode acordar com os transportadores dos diferentes troços do transporte multimodal as respectivas responsabilidades pelo transporte em cada troço ao abrigo do contrato de transporte multimodal, desde que tal acordo não afecte o obrigações do operador para todo o transporte.
Artigo 840.º O operador de transporte multimodal deve, após a recepção da mercadoria expedida para transporte pelo expedidor, emitir os documentos de transporte multimodal. Os documentos de transporte multimodal podem ser negociáveis ​​ou não negociáveis, a pedido do expedidor.
Artigo 841.º Quando os prejuízos são causados ​​a um operador de transporte multimodal por culpa de um expedidor no momento da remessa da mercadoria para transporte, o expedidor é responsável pela indemnização, mesmo que o expedidor tenha transferido o transporte multimodal documentos.
Artigo 842.º Quando ocorre destruição, dano ou perda de mercadorias numa secção do transporte multimodal, as disposições das leis pertinentes que regulam os modos de transporte da secção aplicam-se à responsabilidade de indemnização a ser assumida pelo operador do transporte multimodal. -Transporte modal e os limites da responsabilidade. Quando a parte do transporte em que ocorreu a destruição, dano ou perda não puder ser determinada, a responsabilidade pela indenização será arcada de acordo com as disposições deste Capítulo.
Capítulo XX Contratos de Tecnologia
Seção 1 Regras Gerais
Artigo 843.º Um contrato de tecnologia é um contrato celebrado pelas partes para esclarecer os seus direitos e obrigações para o desenvolvimento, transferência, licenciamento, consultoria ou serviço de tecnologia.
Artigo 844.º A celebração de um contrato de tecnologia conduz à proteção dos direitos de propriedade intelectual e ao avanço da ciência e da tecnologia e promove a pesquisa e o desenvolvimento, a transformação, a aplicação e a divulgação das conquistas científicas e tecnológicas.
Artigo 845 Um contrato de tecnologia geralmente contém cláusulas especificando o nome do projeto, o conteúdo, o escopo e os requisitos do objeto, o plano, o local e a forma de execução, a confidencialidade das informações e materiais tecnológicos, a propriedade sobre as realizações tecnológicas e o método de distribuição dos rendimentos, os critérios e o método da inspeção para aceitação, interpretação de terminologias e semelhantes.
Materiais como informações de base tecnológica, os estudos de viabilidade e relatórios de avaliação tecnológica, o papel de tarefa do projeto e planos, padrões de tecnologia, normas de tecnologia, projeto original e documentos técnicos, bem como outros documentos técnicos que são relevantes para a execução do contrato podem , conforme acordado pelas partes, ser partes componentes do contrato.
Quando um contrato de tecnologia envolve uma patente, deve indicar a designação da invenção, o requerente e o titular da patente, a data do pedido, o número do pedido, o número da patente e a duração dos direitos da patente.
Artigo 846 A forma de pagamento do preço, remuneração ou royalty será acordada entre as partes em contrato de tecnologia, e o pagamento poderá ser feito à vista ou a prazo com base no cálculo único, ou com base no método de pagamento de comissão ou tal pagamento mais uma taxa inicial.
Quando as partes concordam em adotar um método de pagamento de comissão, a comissão pode ser sacada em uma porcentagem específica do preço do produto, o valor de produção recém-aumentado e os lucros obtidos com a exploração de patentes e a utilização de know-how tecnológico , ou a receita de vendas do produto, ou ser calculada por outros métodos acordados entre as partes. Essa percentagem pode ser fixa, ou que aumenta ou diminui ano a ano.
Quando as partes concordam em adotar o pagamento da comissão, elas podem especificar o método de exame dos livros contábeis relevantes.
Artigo 847.º Quando o direito de utilização ou transferência de uma obra por conta de outrem pertence a uma pessoa colectiva ou organização não constituída, a pessoa colectiva ou organização não constituída pode celebrar um contrato de tecnologia sobre a obra por conta de outrem. Quando a pessoa jurídica ou organização sem personalidade jurídica celebra um contrato de tecnologia para transferir a obra por conta de outrem, o criador da obra por conta de outrem tem o direito prioritário de adquiri-la em condições equivalentes.
Uma obra por encomenda é uma realização tecnológica que se consegue como resultado do desempenho das tarefas atribuídas por uma pessoa colectiva ou organização não constituída ou que se realiza principalmente através da utilização de recursos materiais e tecnológicos dessa pessoa colectiva ou organização não constituída.
Artigo 848.º O direito de utilização ou transferência de um produto de trabalho tecnológico que não seja uma obra por encomenda pertence ao seu criador, que pode celebrar um contrato de tecnologia sobre esse produto de trabalho.
Artigo 849.º A pessoa singular que realizou um produto de trabalho tecnológico tem o direito de indicar nos documentos pertinentes do produto de trabalho tecnológico que é o seu criador e de receber certificados de honra e recompensas.
Artigo 850 O contrato de tecnologia que monopólio ilegal de tecnologias ou infringe outro produto de trabalho tecnológico é inválido.
Seção 2 Contratos de desenvolvimento de tecnologia
Artigo 851.º Contrato de desenvolvimento de tecnologia é o contrato celebrado pelas partes relativo à investigação e desenvolvimento de nova tecnologia, produto, técnica, variedade ou material, bem como ao seu sistema.
Os contratos de desenvolvimento de tecnologia consistem em contratos de desenvolvimento comissionados e contratos de desenvolvimento cooperativo.
Um contrato de desenvolvimento de tecnologia deve ser feito por escrito.
As disposições pertinentes sobre os contratos de desenvolvimento de tecnologia aplicam-se mutatis mutandis ao contrato celebrado pelas partes sobre a aplicação e transformação de um produto tecnológico com valor prático.
Artigo 852 O cliente de um contrato de desenvolvimento comissionado deve pagar as taxas de pesquisa e desenvolvimento e as remunerações de acordo com o acordo, fornecer materiais tecnológicos, fazer propostas de pesquisa e desenvolvimento, completar suas tarefas no trabalho cooperativo e aceitar o produto do trabalho da pesquisa e desenvolvimento.
Artigo 853 Um pesquisador-desenvolvedor de um contrato de desenvolvimento comissionado deve elaborar e implementar um plano de pesquisa e desenvolvimento de acordo com o contrato, fazer uso razoável dos fundos de pesquisa e desenvolvimento, concluir o trabalho de pesquisa e desenvolvimento conforme programado, entregar o produto do trabalho de pesquisa e desenvolvimento, fornecer materiais tecnológicos relevantes e orientação tecnológica necessária de forma a ajudar o cliente a compreender o produto do trabalho de pesquisa e desenvolvimento.
Art. 854. Em caso de inadimplemento de uma das partes de um contrato de desenvolvimento comissionado, ocasionando a paralisação, o atraso ou o insucesso dos trabalhos de pesquisa e desenvolvimento, a parte será responsável por inadimplência.
Artigo 855.º As partes do contrato de desenvolvimento cooperativo devem realizar investimentos na forma acordada entre as partes, incluindo aporte de tecnologia em investimento, participação em trabalhos de investigação e desenvolvimento com o cumprimento das respectivas funções, e cooperação em investigação e desenvolvimento.
Art. 856. Em caso de inadimplemento de uma das partes do contrato de fomento cooperativo, causando a paralisação, o atraso ou o insucesso dos trabalhos de pesquisa e desenvolvimento, a parte assumirá a responsabilidade pela inadimplência.
Artigo 857.º Quando uma tecnologia objecto de contrato de desenvolvimento de tecnologia seja divulgada ao público por outrem, tornando assim sem sentido a execução do contrato, as partes podem rescindir o contrato.
Artigo 858.º As partes de um contrato de desenvolvimento de tecnologia acordam na atribuição dos riscos de dificuldades tecnológicas intransponíveis que surjam na execução do contrato e que provoquem o fracasso total ou parcial da investigação e desenvolvimento. Quando não houver tal acordo entre as partes ou se o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, as partes devem compartilhar os riscos de forma razoável.
Quando uma parte descobrir que existe uma situação especificada no parágrafo anterior que pode causar o fracasso total ou parcial da pesquisa e desenvolvimento, ela deve notificar imediatamente a outra parte e tomar as medidas adequadas para mitigar a perda. Caso não informe prontamente a outra parte e não tome as medidas cabíveis para que a perda seja agravada, ele será responsável pela parte agravada da perda.
Art. 859. Quando uma invenção for realizada por meio de desenvolvimento comissionado, o direito de requerer a patente da mesma pertence ao pesquisador-desenvolvedor, salvo disposição em contrário da lei ou acordado entre as partes. Quando o pesquisador-desenvolvedor obteve o direito de patente, o cliente pode explorar a patente de acordo com a lei.
No caso de um investigador-promotor ceder o seu direito de requerer uma patente, o cliente tem o direito prioritário de adquirir o direito em condições equivalentes.
Artigo 860.º Quando uma invenção se realiza através do desenvolvimento cooperativo, o direito de requerer a patente conjuntamente pertence a todas as partes no desenvolvimento cooperativo. Quando uma parte deve transferir a parte do direito de pedido de patente conjunta que possui, as outras partes têm o direito de prioridade de adquirir o direito em condições equivalentes, salvo acordo em contrário entre as partes.
Quando uma parte de um desenvolvimento cooperativo renuncia à parte do direito de pedido de patente que possui, a menos que acordado de outra forma pelas partes, a outra parte pode fazer o pedido, ou as outras partes podem fazer o pedido em conjunto, conforme o caso. Quando o (s) requerente (s) adquirem o direito de patente, a parte que renunciou ao seu direito pode explorar a patente gratuitamente.
Quando uma parte de um desenvolvimento cooperativo não concorda em requerer a patente, a outra parte ou partes não podem requerer a patente.
Artigo 861.º O direito de utilização e o direito de transferência de produto do trabalho que contenha know-how tecnológico obtido através do desenvolvimento comissionado ou do desenvolvimento cooperativo, bem como a forma de distribuição do seu produto, devem ser acordados entre as partes. Quando não houver tal acordo entre as partes ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, todas as partes têm o direito de usar e transferir o referido produto de trabalho, desde que nenhum direito de patente foi concedido para uma mesma solução tecnológica, exceto que um pesquisador-desenvolvedor de um desenvolvimento comissionado não pode transferir o produto do trabalho a uma terceira pessoa antes de entregá-lo ao cliente.
Seção 3 Contratos de transferência de tecnologia e contratos de licenciamento de tecnologia
Artigo 862.º Um contrato de transferência de tecnologia é um contrato ao abrigo do qual um titular legítimo de uma tecnologia atribui a outra pessoa os direitos relevantes relativos a uma patente específica, pedido de patente ou know-how tecnológico.
Um contrato de licenciamento de tecnologia é um contrato sob o qual um titular legítimo de uma tecnologia autoriza outra pessoa a exercer os direitos relevantes para aplicar e explorar uma patente específica ou know-how tecnológico.
O acordo em um contrato de transferência de tecnologia ou um contrato de licenciamento de tecnologia sobre o fornecimento de equipamento especial e matérias-primas para aplicação de tecnologia ou sobre o fornecimento de consultoria de tecnologia relevante e serviço de tecnologia é uma parte componente do contrato.
Artigo 863.º Os contratos de transferência de tecnologia incluem os contratos de transferência do direito de patente, os contratos de transferência do direito de requerer uma patente, os contratos de transferência de know-how tecnológico e semelhantes.
Os contratos de licenciamento de tecnologia incluem os contratos de licenciamento de exploração de patentes, contratos de licenciamento de know-how tecnológico e semelhantes.
Os contratos de transferência de tecnologia e os contratos de licenciamento de tecnologia devem ser feitos por escrito.
Artigo 864.º Um contrato de transferência de tecnologia ou um contrato de licenciamento de tecnologia pode especificar o âmbito de exploração da patente ou de utilização do know-how tecnológico, mas não pode restringir a concorrência ou o desenvolvimento das tecnologias.
Artigo 865.º O contrato de licença de exploração de patente só é válido durante o período de validade da patente. Quando o prazo do direito de patente expira ou o direito de patente é declarado inválido, o titular da patente não pode celebrar um contrato de licenciamento de exploração de patente relacionado à referida patente com outra pessoa.
Artigo 866 O licenciante em um contrato de licenciamento de exploração de patente deve permitir que o licenciado explore a patente, entregue os materiais tecnológicos relacionados à exploração da patente e forneça a orientação tecnológica necessária de acordo com o acordo.
Artigo 867.º O licenciado num contrato de licenciamento de exploração de patente deve explorar a patente nos termos do acordo, não pode permitir que terceiros estranhos ao contrato explorem a patente e deve pagar os royalties acordados.
Artigo 868.º O cedente num contrato de transferência de know-how tecnológico ou o licenciante num contrato de licença de know-how tecnológico deve, nos termos do acordo, fornecer materiais tecnológicos, dar orientação tecnológica, garantir a aplicabilidade prática e fiabilidade da tecnologia, e cumprir obrigações de confidencialidade.
As obrigações de confidencialidade previstas no parágrafo anterior não impedem o licenciante de requerer a patente, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 869.º O cessionário de um contrato de transferência de know-how tecnológico ou o licenciado de um contrato de licença de know-how tecnológico deve, nos termos do acordo, explorar a tecnologia, pagar a taxa de transferência e os royalties e cumprir obrigações de confidencialidade.
Artigo 870 O cedente em um contrato de transferência de tecnologia ou o licenciante em um contrato de licença de know-how tecnológico deve garantir que ele é o legítimo proprietário da tecnologia fornecida e garantir que a tecnologia fornecida é completa, sem erros, eficaz e capaz de atingir a meta acordada pelas partes.
Artigo 871.º O cessionário de um contrato de transferência de tecnologia ou o licenciado de um contrato de licenciamento de know-how tecnológico devem, de acordo com o âmbito e prazo acordados pelas partes, cumprir a sua obrigação de confidencialidade relativamente à parte da tecnologia fornecida pelo cedente ou licenciante que não foram divulgados ao público.
Artigo 872.º O licenciante que deixar de licenciar a tecnologia nos termos do acordo deverá reembolsar os royalties parcial ou total e será responsável pela multa. Um licenciante que explora uma patente ou know-how tecnológico além do escopo acordado, ou, sem autorização, permite que um terceiro explore a patente ou utilize o know-how tecnológico em violação do acordo deve interromper seu ato de violação e arcar com a responsabilidade padrão . Ele será responsável pela inadimplência se violar a obrigação de confidencialidade acordada.
Quando o cedente for responsável pela violação do contrato, o disposto no número anterior aplica-se com as necessárias adaptações.
Artigo 873.º O licenciado que deixar de pagar royalties nos termos do contrato deve compensar o pagamento dos royalties e pagar os danos liquidados. Caso o licenciado não o faça, deverá suspender a exploração da patente ou a utilização do know-how tecnológico, devolver os materiais tecnológicos e assumir a responsabilidade pela inadimplência. Quando um licenciado que explora a patente ou utiliza o know-how tecnológico além do escopo acordado, ou permite que uma terceira pessoa, sem autorização, explore a patente ou utilize o know-how tecnológico, ele deve interromper seus atos de violação e assumir a inadimplência responsabilidade. O licenciado que violar a obrigação de confidencialidade conforme acordado será responsável pelo inadimplemento.
As disposições do parágrafo anterior aplicam-se mutatis mutandis ao cessionário, que será responsável pela inadimplência.
Artigo 874.º Quando a exploração de uma patente ou a utilização de um know-how tecnológico pelo cessionário ou licenciado nos termos do acordo infringe os direitos e interesses legítimos de outra pessoa, a responsabilidade pelos mesmos é suportada pelo cedente ou pelo licenciante , a menos que acordado de outra forma pelas partes.
Artigo 875.º As partes podem, respeitando o princípio do benefício mútuo, acordar no contrato a forma de partilha de qualquer produto tecnológico subsequentemente melhorado obtido na exploração da patente ou na utilização do know-how tecnológico. Quando não houver acordo sobre tal método ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do Artigo 510 deste Código, o produto tecnológico posteriormente aprimorado feito por uma das partes não poderá ser compartilhado por outra parte.
Artigo 876 As disposições pertinentes desta Seção devem ser aplicadas mutatis mutandis à transferência e licenciamento dos direitos exclusivos de projetos de layout de circuitos integrados, direitos a novas variedades de plantas, direitos autorais de software de computador e outros direitos de propriedade intelectual e semelhantes.
Artigo 877.º Havendo leis ou regulamentos administrativos que disponham de outra forma sobre os contratos de importação e exportação de tecnologia ou sobre os contratos de patentes e aplicação de patentes, devem ser observadas as disposições pertinentes.
Seção 4 Contratos de consulta de tecnologia e contratos de serviço de tecnologia
Artigo 878.º Contrato de consultoria em tecnologia é o contrato segundo o qual uma das partes utiliza os seus conhecimentos tecnológicos para fornecer à outra parte o estudo de viabilidade, a previsão tecnológica, a investigação tecnológica especial e o relatório de análise e avaliação de um projecto tecnológico específico.
Um contrato de serviço de tecnologia é um contrato pelo qual uma parte usa seu conhecimento tecnológico para resolver problemas tecnológicos específicos para a outra parte. Os contratos de serviços de tecnologia não incluem contratos de trabalho ou contratos de projeto de construção.
Artigo 879.º Um cliente em um contrato de consultoria de tecnologia deve, de acordo com o acordo, esclarecer as questões para consulta, fornecer informações de base tecnológica e os materiais relacionados, aceitar o produto do trabalho da pessoa confiada e pagar uma remuneração.
Artigo 880.º A pessoa encarregada de um contrato de consultoria de tecnologia deve completar o relatório de consulta ou resolver as questões dentro do prazo acordado, e o relatório de consulta apresentado deve cumprir os requisitos acordados pelas partes.
Artigo 881 Quando um cliente em um contrato de consultoria de tecnologia deixa de fornecer os materiais necessários de acordo com o acordo, afetando assim o andamento e a qualidade do trabalho, ou se o cliente não aceita o produto de trabalho ou atrasa a aceitação, ele não pode solicitar devolverá a remuneração paga e pagará qualquer remuneração não paga.
Uma pessoa encarregada de um contrato de consultoria de tecnologia que não apresentar o relatório de consulta conforme programado ou apresentar um relatório que não atenda aos requisitos acordados entre as partes será responsável por inadimplência na forma de redução ou renúncia de sua remuneração e semelhantes.
Quando um cliente em um contrato de consultoria de tecnologia toma uma decisão com base no relatório de consulta da pessoa confiada e conselhos que atendem aos requisitos conforme acordado pelas partes, quaisquer perdas assim causadas serão suportadas pelo cliente, a menos que acordado de outra forma pelas partes.
Artigo 882.º O cliente com contrato de prestação de serviços de tecnologia deve, nos termos do contrato, proporcionar condições de trabalho, executar o trabalho cooperativo, aceitar o produto do trabalho e pagar a remuneração.
Artigo 883.º A pessoa encarregada de um contrato de prestação de serviços de tecnologia deve, nos termos do acordo, completar os serviços, resolver os problemas tecnológicos, garantir a qualidade da obra e transmitir os conhecimentos para a resolução dos problemas tecnológicos.
Artigo 884 Quando um cliente de um contrato de serviço de tecnologia deixar de cumprir suas obrigações contratuais ou cumprir suas obrigações de maneira inconsistente com o contrato, afetando assim o andamento e a qualidade da obra, ou deixar de aceitar o produto de trabalho ou atrasar a aceitação, ele não pode pedir o reembolso da remuneração paga e deverá pagar qualquer remuneração não paga.
Uma pessoa encarregada de um contrato de serviço de tecnologia que deixar de concluir o trabalho de serviço em conformidade com o acordo deverá arcar com a responsabilidade de inadimplência na forma de renúncia de sua remuneração e semelhantes.
Artigo 885.º Salvo convenção em contrário das partes, no decurso da execução de um contrato de consultoria de tecnologia ou de um contrato de serviço de tecnologia, o novo produto tecnológico fabricado pela pessoa encarregada com materiais tecnológicos e condições de trabalho fornecidos pelo cliente pertence à pessoa encarregada. Os novos produtos tecnológicos elaborados pelo cliente com base no produto do trabalho do encarregado pertencem ao cliente.
Artigo 886 Quando não houver acordo em um contrato de consultoria de tecnologia ou um contrato de serviço de tecnologia sobre o suporte das despesas necessárias para a pessoa encarregada de realizar o trabalho normal, ou o acordo não for claro, as referidas despesas serão suportadas pelo encarregado pessoa.
Artigo 887.º Havendo legislação ou regulamentação administrativa que estabeleça o contrário sobre os contratos de intermediário tecnológico e os contratos de formação tecnológica, devem ser observadas as disposições pertinentes.
Capítulo XXI Contratos de Custódia de Bens
Artigo 888.º O contrato de custódia de bens é o contrato ao abrigo do qual o depositário guarda o artigo entregue pelo depositante e o devolve.
Quando um depositante realiza compras, jantares, hospedagem ou outras atividades no lugar do custodiante e deposita um artigo em uma área designada, o artigo é considerado colocado sob a custódia do custodiante, a menos que acordado de outra forma pelas partes ou exigido pelo curso da negociação .
Artigo 889.º O depositante deve pagar a taxa de custódia ao depositário em conformidade com o acordo.
Quando não houver acordo entre as partes sobre a taxa de custódia ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o artigo será considerado colocado sob custódia gratuita.
Artigo 890.º O contrato de guarda de bens é celebrado com a entrega do artigo a guardar, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 891.º Quando o depositante entrega ao agente de custódia um artigo que ficará sob a sua custódia, este emite um certificado de guarda, salvo disposição em contrário do curso da negociação.
Artigo 892.º A custódia deve conservar devidamente o artigo depositado.
As partes podem concordar sobre o local e o método de custódia. Exceto em caso de emergência ou no interesse do depositante, o local e o método de guarda não podem ser alterados sem o consentimento da outra parte.
Artigo 893.º Quando o depositante entrega ao agente de custódia um artigo a guardar sob custódia que apresente defeitos ou requeira medidas especiais de guarda em razão da sua natureza, deve informar o depositário das informações pertinentes. Se o depositante não o fizer, causando danos ao artigo depositado, o depositário não será responsável pela indemnização. Quando o custodiante sofrer uma perda resultante, o depositante será responsável pela indenização, a menos que o custodiante conheça ou devesse ter conhecido a situação, mas não tome medidas corretivas.
Artigo 894.º O agente de custódia não pode voltar a depositar um artigo sob a sua guarda a terceiros para guarda, salvo acordo em contrário das partes.
O depositário que voltar a depositar o artigo sob sua custódia a terceiros para custódia em violação do parágrafo anterior, causando danos ao artigo, será responsável pela indenização.
Artigo 895.º A custódia não pode usar nem permitir que terceiros usem o artigo sob a sua guarda, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 896.º Quando um terceiro reclama um artigo sob custódia, este cumpre a obrigação de devolver o artigo ao depositante, a menos que o referido artigo seja posto em conservação ou execução nos termos da lei.
Quando uma terceira pessoa intentar uma ação contra o depositário ou solicitar a detenção do artigo sob a custódia deste último, o custodiante deverá notificar imediatamente o depositante.
Artigo 897 Quando um artigo sob custódia for destruído, danificado ou perdido devido à guarda indevida pelo custodiante durante o período em que o artigo estiver sob sua custódia, o custodiante será responsável pela indenização, exceto se o custodiante que mantiver o artigo depositado livre responsável não assumirá a responsabilidade pela indenização se puder provar que a destruição, dano ou perda não foi causada por seu ato intencional ou negligente.
Artigo 898.º O depositante deve declarar ao custodiante se deposita dinheiro, títulos negociáveis ​​ou outros artigos de valor, devendo o custodiante examiná-los para aceitação ou selá-los; na falta de declaração do depositante, se o referido artigo for destruído, danificado ou extraviado, o custodiante poderá indenizar com base na taxa dos artigos ordinários.
Artigo 899.º O depositante pode levantar o artigo que depositou sob custódia a qualquer momento.
Quando não houver acordo entre as partes quanto ao período de custódia ou se o acordo não for claro, o custodiante pode, a qualquer momento, solicitar ao depositante que recolha o artigo sob sua custódia. Havendo acordo sobre o prazo de custódia, sem causa especial, o custodiante não poderá solicitar ao depositante a retirada do artigo antes do término do prazo.
Artigo 900.º Decorrido o prazo de custódia ou se o depositante recolher o artigo que depositou em custódia antes do termo desse prazo, o agente de custódia devolverá o artigo e o seu produto ao depositante.
Artigo 901.º Em caso de depósito de dinheiro em custódia, o agente de custódia pode devolver o dinheiro na mesma moeda e montante. Quando outros bens fungíveis forem depositados sob custódia, o custodiante poderá devolver os bens da mesma espécie, qualidade e quantidade de acordo com o contrato.
Artigo 902.º Ao abrigo do contrato de guarda não gratuita, o depositante deve pagar a custódia ao depositário em prazo acordado pelas partes.
Quando não houver acordo entre as partes sobre o prazo para o pagamento da taxa de custódia ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o pagamento será feito no momento do artigo sob custódia é coletado.
Artigo 903.º Quando o depositante não pague a taxa de custódia ou as demais despesas, o depositário tem o direito de manter o artigo sob custódia sob garantia, salvo acordo em contrário das partes.
Capítulo XXII Contratos de Armazenamento
Artigo 904.º Contrato de entreposto é o contrato ao abrigo do qual o entreposto armazena as mercadorias entregues pelo depositante, pelas quais o depositante paga a taxa de entreposto.
Artigo 905.º O contrato de armazenamento é celebrado quando existe consenso de manifestação de vontade entre o armazenista e o depositante.
Artigo 906.º No caso de armazenamento de mercadorias perigosas, tais como produtos inflamáveis, explosivos, tóxicos, corrosivos, radioactivos ou perecíveis, o depositante deve indicar a natureza das referidas mercadorias e fornecer as respectivas informações.
Se o depositante violar o disposto no parágrafo anterior, o armazenista poderá recusar-se a aceitar a mercadoria para armazenamento ou tomar as medidas cabíveis para evitar perdas, devendo as despesas incorridas ser suportadas pelo depositante.
O armazém que armazena mercadorias perigosas, tais como artigos inflamáveis, explosivos, tóxicos, corrosivos e radioativos deve ter as condições de armazenamento correspondentes.
Artigo 907.º O entreposto deve examinar as mercadorias antes de as aceitar nos termos do acordo. Se um armazém, ao examinar as mercadorias, verificar que as mercadorias a serem armazenadas são incompatíveis com o acordo, deverá notificar imediatamente o depositante. O armazenista assume a responsabilidade pela indemnização se, depois de ter examinado e aceite as mercadorias armazenadas, as mesmas não estiverem em conformidade com o acordo em termos de tipo, quantidade ou qualidade.
Artigo 908.º Aquando da entrega da mercadoria para depósito por um depositante, o entreposto deve emitir um documento como o recibo de depósito ou a entrada.
Artigo 909.º O armazém deve assinar ou carimbar no recibo de armazém. Um recibo de armazém deve conter os seguintes dados:
(1) o nome ou designação e domicílio do depositante;
(2) o tipo, quantidade, qualidade, embalagem, número de peças e marcas das mercadorias armazenadas;
(3) o padrão para danos e deterioração das mercadorias armazenadas;
(4) o local de armazenamento;
(5) o período de armazenamento;
(6) a taxa de armazenamento;
(7) a importância segurada, o prazo do seguro e a designação da seguradora, se os bens a serem armazenados tiverem sido segurados; e
(8) o nome do emitente e o local e data de emissão.
Art. 910. O recibo de depósito é a prova de recolhimento da mercadoria armazenada. Quando um recibo de depósito é endossado pelo depositante ou detentor do recibo e é assinado ou carimbado pelo armazenador, o direito de recolher as mercadorias armazenadas pode ser cedido a outra pessoa.
Artigo 911.º O entreposto deve, a pedido do depositante ou do titular do recibo de depósito, permitir ao depositante ou ao titular o exame das mercadorias armazenadas ou a colheita das mesmas.
Artigo 912.º Sempre que o entreposto verificar que as mercadorias armazenadas se deterioram ou sofrer outros danos, deve notificar imediatamente o depositante ou o titular do recibo de depósito.
Artigo 913.º Quando o armazém verificar que as mercadorias armazenadas se deterioram ou sofrem outros danos, que ponham em risco a segurança e o armazenamento normal das outras mercadorias armazenadas, deve exigir ao depositante ou ao titular do recibo de depósito que as descarte quando necessário . Em caso de emergência, um almoxarife pode fazer o descarte necessário, mas depois deve notificar prontamente o depositante ou o titular do recibo de depósito sobre a situação.
Artigo 914 Quando não houver acordo entre as partes sobre o período de armazenamento ou o acordo não for claro, o depositante ou o titular do recibo de armazém pode recolher as mercadorias armazenadas a qualquer momento, e o armazenista pode, a qualquer momento, solicitar ao depositante para recolher as mercadorias armazenadas, desde que seja concedido um período de tempo razoável necessário para os preparativos.
Artigo 915.º Decorrido o período de entreposto, o depositante ou o titular do recibo de depósito deve recolher a mercadoria armazenada mediante a apresentação do recibo de depósito, da entrada do depósito ou semelhantes. Quando o depositante ou o titular do recibo de depósito atrasar a coleta das mercadorias armazenadas, serão cobradas taxas de depósito adicionais; se as mercadorias forem recolhidas antes do termo do período de armazenamento, as taxas de armazenamento não serão reduzidas.
Artigo 916.º Quando o depositante ou o titular do recibo de armazém não recolhe as mercadorias armazenadas no termo do período de entreposto, o entreposto pode exigir ao depositante ou ao titular do recibo de depósito que recolha as mercadorias dentro de um prazo razoável; se o depositante ou o titular ainda assim não conseguir coletar as mercadorias além do período razoável, o armazenador pode ter as mercadorias armazenadas sob custódia.
Artigo 917.º Se, durante o período de entreposto, as mercadorias armazenadas forem destruídas, danificadas ou perdidas devido a armazenamento impróprio por parte do entreposto, o depositário assume a responsabilidade pela indemnização. Quando a deterioração ou dano das mercadorias armazenadas é devido à natureza inerente das mercadorias, ou porque as mercadorias não são embaladas de acordo com o acordo, ou porque são armazenadas além de um período de armazenamento válido, o armazenador não será responsável por compensação.
Artigo 918.º Nas matérias não previstas neste Capítulo aplicam-se as disposições pertinentes sobre os contratos de guarda de bens.
Capítulo XXIII Contratos de Atribuição
Artigo 919.º O contrato de atribuição é o contrato ao abrigo do qual o mandante e um mandatário acordam que o mandatário deve tratar dos assuntos por conta do mandante.
Artigo 920.º O comitente pode confiar especificamente a um mandatário o tratamento de um ou vários assuntos e pode também, geralmente, encarregar um mandatário de tratar de todos os seus assuntos.
Artigo 921.º O responsável principal deve pagar antecipadamente as despesas de tratamento do assunto confiado. Quando um agente paga as despesas principais necessárias ao tratamento de um assunto confiado, o principal deve reembolsar as despesas com juros.
Artigo 922.º O agente deve tratar o assunto confiado de acordo com as instruções do mandante. Quando for necessário modificar tais instruções, a modificação deve ser consentida pelo diretor; quando a situação for emergente e difícil de obter o consentimento do mandante, o agente deve tratar adequadamente o assunto que lhe foi confiado, devendo, a seguir, informar prontamente o mandante da situação.
Artigo 923.º O agente deve tratar pessoalmente do assunto confiado. Com o consentimento do representado, um mandatário pode subcontratá-lo a uma terceira pessoa. Quando a sub-atribuição é consentida ou ratificada pelo comitente, o comitente pode instruir diretamente o terceiro sub-confiado sobre uma questão confiada, e o agente só será responsável pela seleção da terceira pessoa e pelas instruções dadas por para a terceira pessoa. Se a sub-atribuição não for consentida ou ratificada pelo mandante, o agente será responsável por um ato praticado pelo terceiro sub-confiado, a menos que a sub-atribuição seja para proteger os interesses do mandante em caso de emergência.
Artigo 924.º O agente deve, a pedido do mandante, apresentar um relatório sobre a situação do assunto confiado. Após a rescisão do contrato de atribuição, um agente apresentará um relatório sobre o resultado da questão confiada.
Artigo 925.º Quando um mandatário, agindo no âmbito da competência concedida pelo mandante, celebra um contrato com um terceiro em seu próprio nome, se o terceiro tiver conhecimento da relação de representação entre o mandatário e o mandante, o referido contrato deve vinculam diretamente o mandante e a terceira pessoa, a menos que haja indícios definitivos de que o referido contrato vincula apenas o mandatário e a terceira pessoa.
Artigo 926.º Quando um contrato é celebrado por um mandatário em seu próprio nome com um terceiro que não conhece a relação de representação entre o mandatário e o mandante, se o mandatário não cumprir as suas obrigações para com o mandante por causa do terceiro , o agente deve divulgar a terceira pessoa ao comitente, e o comitente pode então exercer o direito do agente contra a terceira pessoa, a menos que a terceira pessoa não tivesse celebrado o contrato se tivesse conhecimento da existência do comitente em o momento da celebração do contrato.
Quando um agente deixa de cumprir suas obrigações devidas a um terceiro por causa do principal, o agente deve divulgar o principal para a terceira pessoa, e a terceira pessoa pode então reivindicar seus direitos contra o agente ou o principal como contraparte, exceto que ele não pode mudar a contraparte depois de ter feito a seleção.
Quando o mandante exerce o direito do mandatário contra o terceiro, este pode reclamar contra o mandante a defesa que tem contra o mandatário. Quando o terceiro elege o representado como contraparte, este pode reclamar contra o terceiro a defesa que tem contra o agente, bem como a defesa do agente contra o terceiro.
Artigo 927.º O mandatário entrega ao mandante os bens adquiridos no tratamento do assunto que lhe é confiado.
Artigo 928.º Terminada a matéria incumbida por um mandatário, o mandante deve pagar ao mandatário uma remuneração nos termos do contrato.
Quando um contrato de atribuição é rescindido ou a matéria confiada não pode ser cumprida por causa não imputável ao agente, o principal deve pagar a remuneração correspondente ao agente, a menos que de outra forma acordado pelas partes.
Artigo 929.º Ao abrigo de um contrato de atribuição não gratuito, quando o prejuízo é causado ao representado por culpa do mandatário, este pode requerer uma indemnização. Nos termos de um contrato de atribuição gratuita, quando as perdas são causadas ao principal por ato intencional do agente ou por sua negligência grosseira, o principal pode solicitar uma indemnização.
Quando um agente atua além da autorização, causando prejuízos ao principal, o agente deve indenizar.
Artigo 930.º Quando o mandatário sofrer um prejuízo no tratamento do assunto que lhe foi confiado por causa que não lhe é imputável, pode pedir ao mandante uma indemnização.
Artigo 931.º O mandante pode, com o consentimento do mandatário, autorizar uma terceira pessoa, que não seja o mandatário, a tratar do assunto que lhe é confiado. Se uma perda for causada ao agente, o agente pode solicitar uma indenização ao principal.
Artigo 932.º Quando dois ou mais agentes tratam conjuntamente de uma questão que lhe foi confiada, devem assumir responsabilidades solidárias para com o comitente.
Artigo 933.º O comitente ou o seu mandatário podem rescindir o contrato de atribuição a qualquer momento. Quando a rescisão do contrato por uma parte causar prejuízos à outra parte, a parte que rescindiu um contrato de atribuição gratuita deve compensar a perda direta causada pela rescisão em um momento impróprio, e a parte que rescindiu um contrato de atribuição não gratuita deve compensar a perda direta e o lucro esperado que pode ser obtido se o contrato tiver sido executado, a menos que a perda seja causada por um motivo não imputável à parte rescindida.
Artigo 934.º O contrato de atribuição cessa quando o mandante morre ou é rescindido, ou se o agente falece, perde a capacidade de praticar atos cívicos jurídicos ou é rescindido, salvo acordo em contrário das partes ou não seja adequado rescindir o contrato com base no natureza da matéria confiada.
Artigo 935.º Quando a rescisão de um contrato de atribuição resultante de morte, falência declarada ou dissolução declarada do principal prejudique os interesses do principal, o agente deve continuar a tratar da matéria confiada até ao herdeiro, administrador do espólio, ou o liquidatário do principal assume.
Artigo 936 Quando um contrato de atribuição é rescindido por morte, perda de capacidade para praticar atos jurídicos civis, falência declarada ou dissolução do agente, o herdeiro, administrador de bens, representante legal ou liquidante do agente deve notificar prontamente o representado . Quando a rescisão do contrato de atribuição prejudicar os interesses do representado, o herdeiro, o administrador do patrimônio, o representante legal ou o liquidante do agente deve tomar as medidas necessárias antes que o titular tome as medidas corretivas.
Capítulo XXIV Contratos para Serviço de Gestão de Propriedade
Artigo 937.º Um contrato de serviço de gestão imobiliária é o contrato ao abrigo do qual um prestador de serviços de gestão imobiliária presta aos proprietários serviços de gestão imobiliária dentro da área de serviço, tais como a reparação e manutenção de edifícios e das suas instalações auxiliares, a gestão e manutenção de a higiene ambiental, a manutenção da ordem e afins, e os proprietários pagam em troca a taxa de administração do imóvel.
Os provedores de serviços de gerenciamento de propriedades incluem empresas de serviços de gerenciamento de propriedades e outros gerentes.
Artigo 938.º Um contrato de prestação de serviços de gestão imobiliária contém geralmente cláusulas que especificam o conteúdo dos serviços, a qualidade do serviço, as taxas e os métodos de cobrança da taxa de serviço, a utilização dos fundos de manutenção, a gestão e utilização das instalações do serviço, o prazo de serviço, a transferência de serviço e assim por diante.
Um compromisso de serviço feito publicamente por um prestador de serviços de gestão imobiliária em favor dos proprietários deve ser uma parte integrante do contrato de serviços de gestão imobiliária.
Um contrato de serviço de gestão de propriedade deve ser feito por escrito.
Artigo 939 Um contrato preliminar de serviços de gestão imobiliária celebrado entre um incorporador e um prestador de serviços de gestão imobiliária em conformidade com a lei, ou um contrato de serviços de gestão imobiliária celebrado por uma comissão de proprietários e um prestador de serviços de gestão imobiliária selecionado e contratado pela assembleia de proprietários em de acordo com a lei são juridicamente vinculativos para os proprietários.
Artigo 940 Quando, antes da expiração do prazo de serviço, conforme acordado em um contrato preliminar para serviços de gestão imobiliária celebrado entre um promotor e um prestador de serviços de gestão imobiliária nos termos da lei, um contrato de serviços de gestão imobiliária celebrado pela comissão de proprietários ou pelo proprietários e um novo prestador de serviços de administração de imóveis entra em vigor, e o contrato preliminar para serviço de administração de imóveis deve ser rescindido
Artigo 941.º Quando o prestador de serviços de gestão imobiliária autoriza uma entidade especializada de serviços ou qualquer outro terceiro a prestar alguns serviços especializados na área dos serviços de gestão imobiliária, o prestador de serviços de gestão imobiliária é responsável perante os proprietários pelos serviços especializados.
O prestador de serviços de gestão imobiliária não pode delegar a terceiros todos os serviços de gestão imobiliária que é obrigado a prestar, nem dividir os serviços de gestão imobiliária e delegá-los a uma terceira pessoa.
Artigo 942.º Um prestador de serviços de gestão imobiliária deve, de acordo com o contrato e a natureza da utilização da propriedade, reparar, manter, limpar, cultivar e gerir o espaço comum da área de serviço de gestão imobiliária co-propriedade da proprietários, mantenham a ordem básica na área de serviço de administração de propriedades e tomem medidas razoáveis ​​para proteger a segurança pessoal e patrimonial dos proprietários.
Para qualquer violação das leis e regulamentos relevantes sobre segurança pública, proteção ambiental, proteção contra incêndio e semelhantes, na área de serviço de gestão de propriedade, o prestador de serviço de gestão de propriedade deve, em tempo hábil, tomar medidas razoáveis ​​para impedir a violação, apresentar relatório aos serviços competentes e prestar auxílio no seu manuseio.
Artigo 943 Um prestador de serviços de gestão imobiliária deve, de forma razoável, divulgar regularmente aos proprietários e relatar à assembleia de proprietários e ao comitê de proprietários sobre seus serviços, o pessoal responsável, os requisitos de qualidade, os itens que uma taxa é cobrada , a taxa da taxa, o cumprimento das obrigações, o uso dos fundos de manutenção e a gestão e receita gerada pelo uso do espaço comum co-propriedade dos proprietários e semelhantes.
Artigo 944.º O proprietário deve pagar as taxas de gestão imobiliária ao prestador de serviços de gestão imobiliária em conformidade com o contrato. Quando um prestador de serviços de gestão imobiliária prestou serviços em conformidade com o acordo e os regulamentos pertinentes, um proprietário não deve se recusar a pagar as taxas de gestão imobiliária com o fundamento de que não aceitou ou não precisa aceitar o serviço de gestão imobiliária relevante.
Se um proprietário deixar de pagar as taxas de administração de propriedade dentro do período acordado em violação do acordo, o prestador de serviços de administração de propriedade pode exigir seu pagamento dentro de um período de tempo razoável; se o proprietário ainda não efetuar o pagamento dentro do referido prazo, o prestador de serviços de administração de imóveis pode iniciar uma ação judicial ou requerer a arbitragem.
O provedor de serviços de administração de propriedade não pode cobrar as taxas de administração de propriedade por meios como corte de energia, água, aquecimento ou gás.
Artigo 945 Quando um proprietário decorar ou remodelar a unidade que possui em um edifício, ele deve notificar o prestador de serviços de gestão imobiliária com antecedência, seguir as regras razoáveis ​​fornecidas pelo prestador de serviços de gestão imobiliária e cooperar com o prestador de serviços de gestão imobiliária no local necessário inspeção.
Se um proprietário transferir ou arrendar a unidade de sua propriedade exclusiva dentro de um edifício, criar um direito de habitação no mesmo ou alterar o uso do espaço comum de acordo com a lei, ele deve informar atempadamente o prestador de serviços de administração de imóveis da situação relevante.
Artigo 946.º No caso de os proprietários decidirem conjuntamente pelo despedimento do prestador de serviços de gestão imobiliária nos termos do regime legal, o contrato de prestação de serviços de gestão imobiliária pode ser rescindido. Nesse caso, o prestador de serviços de gestão imobiliária deve ser notificado por escrito com 60 dias de antecedência, salvo acordo em contrário entre as partes.
Se a ressissão do contrato nos termos do número anterior causar prejuízo ao prestador de serviços de gestão imobiliária, os proprietários devem indemnizar o prejuízo, a menos que o prejuízo seja causado por causa não imputável aos proprietários.
Artigo 947.º Quando os proprietários decidem conjuntamente continuar a empregar um prestador de serviços de gestão imobiliária antes do termo do prazo do serviço, devem renovar o contrato com o prestador original de serviços de gestão antes do termo do contrato.
Antes do término do prazo de serviço, quando um prestador de serviços de gestão imobiliária não autoriza a continuação do emprego, ele deve notificar os proprietários ou o comitê de proprietários por escrito 90 dias antes do término do prazo do contrato, a menos que acordado de outra forma pelas partes.
Artigo 948.º Quando, ao expirar o prazo do serviço de gestão de propriedade, os proprietários deixem de tomar uma decisão nos termos da lei de continuar a empregar o prestador de serviço original ou de contratar outro prestador de serviço, se o prestador de serviço de gestão de propriedade continuar a prestar serviços de gestão de propriedade , o contrato original de serviço de administração de imóveis mantém-se válido, salvo que o mesmo passe a ser por prazo indeterminado.
Qualquer uma das partes pode rescindir tal contrato de serviço de administração de propriedade a qualquer momento, desde que a outra parte seja notificada por escrito com 60 dias de antecedência.
Artigo 949 Após a rescisão de um contrato de serviço de gestão de propriedade, o prestador de serviço de gestão de propriedade original deve desocupar a área de serviço de gestão de propriedade dentro do prazo acordado ou um período de tempo razoável, entregar as instalações de serviço de propriedade, as instalações relacionadas e os materiais relevantes necessários para o serviço de gestão de propriedade, e semelhantes, para o comitê de proprietários, os proprietários que decidem exercer a gestão eles próprios, ou a pessoa designada por eles, cooperam com o novo prestador de serviços de gestão de propriedades na condução eficaz do trabalho de transferência e divulgam com veracidade o informações sobre o uso e gestão da propriedade.
O prestador de serviços de administração de propriedade original que violar as disposições do parágrafo anterior não deve solicitar aos proprietários o pagamento da taxa de administração de propriedade após a rescisão do contrato de serviço de administração de propriedade, e deve arcar com a responsabilidade por indenização se o prejuízo for causado aos proprietários .
Artigo 950.º Após a rescisão de um contrato de gestão imobiliária e antes da entrega ao novo prestador de serviços de gestão imobiliária seleccionado pelos proprietários ou pela assembleia de proprietários ou aos proprietários que decidam exercer a gestão por si próprios, o prestador original de serviços de gestão imobiliária deve continuar a fornecer serviços de administração de propriedade e pode solicitar aos proprietários o pagamento da taxa de administração de propriedade durante este período.
Capítulo XXV Contratos de Corretagem
Artigo 951.º O contrato de corretagem é o contrato ao abrigo do qual um corretor, em seu próprio nome, exerce atividades comerciais para um cliente que paga uma retribuição.
Artigo 952.º As despesas incorridas pelo corretor no tratamento dos assuntos que lhe são confiados serão suportadas pelo corretor, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 953.º Quando o corretor possuir o artigo encomendado, o corretor deve mantê-lo devidamente.
Artigo 954.º Se o artigo encomendado apresentar defeito no momento da entrega a um corretor, ou se for perecível, o corretor pode dispor do artigo com o consentimento do seu cliente; se o corretor não puder fazer contato imediato com o cliente, o corretor pode dispor do artigo de maneira adequada.
Artigo 955.º Quando um corretor vende um artigo a um preço inferior ao preço fixado pelo cliente, ou compra um artigo a um preço superior ao preço fixado pelo cliente, o corretor deve obter o consentimento do cliente; quando tal negócio é feito sem o consentimento do cliente e o corretor compensa a diferença de preço, o dito negócio é vinculativo para o cliente.
Quando um corretor vende um artigo a um preço superior ao preço fixado pelo cliente ou compra um artigo a um preço inferior ao preço fixado pelo cliente, a remuneração pode ser aumentada de acordo com o contrato. Na ausência de tal acordo ou caso o acordo não seja claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, o benefício será do cliente.
No caso de um cliente ter dado uma instrução especial sobre o preço de um artigo, o corretor não pode vendê-lo ou comprá-lo ao contrário da referida instrução.
Artigo 956.º Quando o corretor compra ou vende mercadoria a preço de mercado, salvo indicação em contrário do cliente, o próprio corretor pode servir como comprador ou vendedor.
Apesar da situação prevista no número anterior, o corretor pode ainda requerer ao cliente o pagamento de uma remuneração.
Artigo 957.º Quando o corretor compra um artigo encomendado nos termos do contrato, o cliente deve aceitar o artigo em tempo útil. Quando, após ser exigido pelo corretor, o cliente se recuse a aceitar o artigo sem justa causa, o corretor pode ter o artigo encomendado sob custódia nos termos da lei.
Quando um artigo comissionado não pode ser vendido ou o cliente desiste da venda comissionada, se o cliente, depois de ser exigido pelo corretor, não retira ou se desfaz do referido artigo, o corretor pode ter o artigo comissionado colocado sob custódia de acordo com com a lei.
Artigo 958.º O corretor que celebra contrato com terceiro goza diretamente dos direitos e assume as obrigações decorrentes do referido contrato.
Se uma terceira pessoa não cumprir a obrigação contratual, causando prejuízos ao cliente, o corretor será responsável pela indenização, salvo acordo em contrário entre o corretor e o cliente.
Artigo 959.º Quando o corretor tiver cumprido a matéria confiada, no todo ou em parte, o cliente deverá pagar a remuneração em conformidade. Quando um cliente deixa de pagar a remuneração conforme programado, o corretor tem o direito de reter o artigo comissionado sob garantia, a menos que acordado de outra forma pelas partes.
Artigo 960.º Nas matérias não previstas no presente capítulo, as disposições pertinentes sobre os contratos de atribuição aplicam-se com as necessárias adaptações.
Capítulo XXVI Contratos intermediários
Artigo 961.º Contrato de mediação é o contrato em que o intermediário reporta ao cliente a oportunidade de celebrar um contrato ou presta serviços de mediação para a celebração de um contrato, pela qual o cliente paga uma remuneração.
Artigo 962.º O intermediário deve comunicar ao cliente com veracidade os assuntos relativos à celebração do contrato.
Sempre que o intermediário oculte intencionalmente factos importantes relacionados com a celebração do contrato ou forneça informações falsas dos mesmos, lesando assim os interesses do cliente, não pode requerer a retribuição e assume a responsabilidade pela indemnização.
Artigo 963.º Quando um intermediário contribui para a celebração de um contrato, o cliente paga uma remuneração nos termos do acordo. Quando não houver acordo entre as partes sobre a remuneração do intermediário ou o acordo não for claro, se não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, a remuneração será razoavelmente determinada de acordo com os serviços do intermediário. No caso de os serviços de mediação prestados pelo intermediário facilitarem a celebração do contrato, as partes no referido contrato repartem igualmente o pagamento da remuneração com o intermediário.
Para facilitar a celebração de um contrato, as despesas incorridas nas atividades de intermediação serão suportadas pelo intermediário.
Artigo 964.º Quando o intermediário não facilite a celebração de um contrato, não pode requerer o pagamento de uma remuneração, mas pode requerer ao cliente o pagamento das despesas necessárias incorridas nas actividades de intermediação nos termos do acordo.
Artigo 965.º Se o cliente, após aceitar os serviços do intermediário, utilizar a oportunidade de negociação ou os serviços de intermediário prestados pelo intermediário para contornar o intermediário e celebrar directamente o contrato com outra pessoa, o cliente paga uma remuneração ao intermediário.
Artigo 966.º Nas matérias não previstas no presente capítulo, as disposições pertinentes sobre os contratos de atribuição aplicam-se com as necessárias adaptações.
Capítulo XXVII Contratos de Parceria
Artigo 967.º O contrato de parceria é o acordo entre dois ou mais sócios para a repartição de benefícios e a assunção de riscos por uma empresa mista.
Artigo 968.º O sócio cumpre a obrigação de aporte de capital segundo a forma, o montante e o prazo de pagamento previstos no acordo.
Artigo 969.º São propriedade da sociedade as entradas de capital efectuadas pelos sócios, o produto das mesmas e outros bens adquiridos nos termos da lei no âmbito da actividade da sociedade.
Um parceiro não pode solicitar a partição da propriedade da parceria antes da rescisão do contrato de parceria.
Artigo 970.º O sócio que delibera sobre os negócios da sociedade deve obter o consentimento unânime de todos os sócios, salvo disposição em contrário do contrato de sociedade.
Os negócios da parceria serão administrados em conjunto por todos os parceiros. Um ou mais parceiros podem ser autorizados a gerenciar os negócios da parceria de acordo com o contrato de parceria ou a decisão tomada por todos os parceiros; e os demais sócios deixarão de dirigir os negócios da sociedade, exceto que terão o direito de fiscalizar a gestão.
Quando os sócios administram os negócios da parceria separadamente, o sócio-gerente pode levantar objeções sobre os assuntos administrados pelos outros sócios, caso em que os demais sócios devem suspender a gestão de tal matéria.
Artigo 971.º O sócio não pode requerer remuneração pela gestão dos negócios da sociedade, salvo disposição em contrário do contrato de sociedade.
Artigo 972.º A repartição dos lucros e a repartição das perdas da sociedade far-se-ão de acordo com o contrato de sociedade; quando não houver tal acordo no contrato de parceria ou se o acordo não for claro, os parceiros tomarão uma decisão por meio de consulta. Se tal consulta falhar, os sócios devem dividir os lucros e assumir as perdas na proporção de seu capital integralizado, ou dividir os lucros e assumir as perdas em partes iguais, se as proporções de seu capital integralizado não puderem ser determinadas.
Artigo 973.º Os sócios assumem responsabilidade solidária pelas obrigações sociais. O sócio que cumpriu com as obrigações sociais além de sua participação tem direito a indenização contra os demais sócios.
Artigo 974.º Salvo disposição em contrário do contrato de sociedade, o sócio que cede a totalidade ou parte da sua quota-parte de bens a outra pessoa que não o sócio obtém o consentimento unânime dos demais sócios.
Artigo 975.º O credor do parceiro não pode sub-rogar e exercer qualquer direito do parceiro previsto neste Capítulo e no contrato de parceria, salvo que o credor pode sub-rogar e exercer o direito do parceiro contra a parceria para distribuição dos benefícios.
Artigo 976 Quando não houver acordo entre ou entre os sócios sobre o termo da parceria, ou o acordo não for claro, se o termo não puder ser determinado de acordo com as disposições do artigo 510 deste Código, a parceria será considerada como uma parceria com prazo indeterminado.
Se um parceiro continuar a administrar os negócios da parceria após o término do prazo da parceria, e os demais parceiros deixarem de levantar qualquer objeção, o contrato de parceria original continuará a ser válido, mas por prazo indeterminado.
Um parceiro pode rescindir um contrato de parceria com prazo indeterminado a qualquer momento, mas os outros parceiros devem ser notificados com um prazo razoável de antecedência.
Artigo 977 Quando um parceiro morre, perde a capacidade de praticar atos jurídicos civis ou é rescindido, o contrato de parceria é rescindido, salvo disposição em contrário no contrato de parceria, ou é inadequado rescindir o contrato devido à natureza dos negócios da parceria.
Artigo 978.º No caso de resolução do contrato de parceria, após o pagamento das despesas de resolução e liquidação das dívidas de parceria, os bens residuais da propriedade de parceria, se houver, serão distribuídos de acordo com o disposto no artigo 972 deste Código.
Parte Três Quase-contratos
Capítulo XXVIII Negotiorum Gestio
Artigo 979.º Quando uma pessoa que não tem obrigação estatutária nem contratual atua como custodiante para gerir os negócios de outra pessoa, a fim de evitar que esta sofra a perda de interesses, essa pessoa pode solicitar ao beneficiário o reembolso das despesas necessárias incorridas. . Quando tal custodiante sofrer perdas ao administrar os negócios de outra pessoa, poderá solicitar ao beneficiário a compensação adequada.
Quando a gestão dos negócios alheios for contrária à verdadeira vontade do beneficiário, o custodiante não tem o direito previsto no parágrafo anterior, a menos que a verdadeira vontade do beneficiário viole a lei ou a ordem pública ou os bons costumes .
Artigo 980.º Quando a gestão por uma custódia dos negócios de outra pessoa não se enquadre nas circunstâncias previstas no artigo anterior, mas o beneficiário tenha gozado do benefício da gestão, o beneficiário fica sujeito às obrigações previstas no primeiro parágrafo do Artigo anterior ao custodiante, na medida do benefício que dele auferir.
Artigo 981.º A custódia deve gerir os negócios de outrem no interesse do beneficiário. Nos casos em que a suspensão da gestão coloque o beneficiário em situação de desvantagem, a gestão não pode ser suspensa sem justa causa.
Artigo 982.º Quando a entidade de custódia dirige os negócios de outra pessoa, deve notificar imediatamente o beneficiário, se o puder fazer. Quando o assunto não necessitar de tratamento urgente, a entidade de custódia aguardará a instrução do beneficiário.
Artigo 983.º Cessada a gestão, a entidade de custódia deve reportar a gestão dos negócios ao beneficiário. Os bens obtidos pela custódia na gestão dos negócios serão entregues ao beneficiário em tempo útil.
Artigo 984.º Quando a gestão dos negócios alheios por um depositário é posteriormente ratificada pelo beneficiário, as disposições relativas aos contratos de atribuição aplicam-se à gestão desde o início da gestão, salvo se o depositário manifestar a sua intenção em contrário.
Capítulo XXIX Enriquecimento Unjust
Artigo 985.º Quando uma pessoa enriquece sem causa e sem fundamento jurídico, a pessoa que assim sofre o prejuízo tem o direito de requerer ao enriquecido a restituição da prestação, salvo em qualquer das seguintes circunstâncias:
(1) o pagamento é feito para cumprir uma obrigação moral;
(2) o pagamento é feito para satisfazer uma obrigação ainda não vencida; ou
(3) o pagamento é feito para uma obrigação sabendo que não há obrigação de pagar.
Artigo 986.º Quando o enriquecido não sabe ou não devia ter sabido que o enriquecimento não tem fundamento jurídico, e se o enriquecimento já não existe, a pessoa não tem obrigação de devolver a prestação assim recebida.
Artigo 987.º Sempre que o enriquecido saiba ou devesse saber que o enriquecimento não tem fundamento jurídico, o lesado pode solicitar ao enriquecido a restituição da prestação assim recebida e indemnizar os prejuízos nos termos da lei.
Artigo 988.º Quando o enriquecido tenha cedido gratuitamente a prestação recebida a terceiro, o lesado pode solicitar a esse terceiro que assuma a obrigação de devolver a prestação na medida correspondente.

Esta tradução em inglês vem do site da NPC. Em um futuro próximo, uma versão em inglês mais precisa, traduzida por nós, estará disponível no Portal de Leis da China.