Portal de Leis da China - CJO

Encontre as leis e documentos públicos oficiais da China em inglês

InglêsArabeChinês (simplificado)NeerlandêsFrancêsAlemãohindiItalianoJapaneseKoreanPortuguêsRussoEspanholsuecohebraicoIndonesianVietnamitatailandêsturcoMalay

Código Civil da China: Livro II Direitos Reais (2020)

民法典 第二编 物权

Tipo de leis Escritórios de

Organismo emissor Congresso de pessoas nacionais

Data de promulgação 28 de maio de 2020

Data efetiva 01 de Janeiro, 2021

Status de validade Válido

Âmbito de aplicação Em todo o país

Tópico (s) Lei civil Código Civil

Editor (es) CJ Observer

Código Civil da República Popular da China
(Aprovado na Terceira Sessão do Décimo Terceiro Congresso Nacional do Povo em 28 de maio de 2020)
Livro Dois Direitos Reais
Parte Um Provisões Gerais
Capítulo I Regras Gerais
Artigo 205 Este Livro regula as relações de direito civil decorrentes da atribuição e utilização das coisas.
Artigo 206 O Estado mantém e melhora os sistemas econômicos socialistas fundamentais, tais como o sistema de propriedade sob o qual diversas formas de propriedade co-se desenvolvem com a propriedade pública como o esteio, o sistema de distribuição sob o qual múltiplas formas de distribuição coexistem com distribuição de acordo com trabalho como o esteio, bem como o sistema de economia de mercado socialista.
O Estado consolida e desenvolve o setor público da economia e estimula, apoia e orienta o desenvolvimento do setor não público da economia.
O Estado implementa uma economia de mercado socialista e protege o status legal igual e os direitos de desenvolvimento de todos os participantes do mercado.
Artigo 207 Os direitos reais do Estado, das coletividades, dos particulares e dos demais titulares de direitos são igualmente protegidos pela lei e isentos de violação por parte de qualquer organização ou indivíduo.
Artigo 208. A criação, alteração, alienação ou extinção de direitos reais sobre bens imóveis deve ser registada nos termos da lei. A constituição e alienação de direitos reais sobre bens móveis está sujeita à entrega dos bens móveis nos termos da lei.
Capítulo II Criação, Alteração, Alienação e Extinção de Direitos Reais
Seção 1 Registro de bens imóveis
Artigo 209.º A criação, alteração, alienação ou extinção de direito real sobre bens imóveis produz efeitos a partir do registo nos termos da lei, não produzindo efeitos sem registo, salvo disposição em contrário da lei.
O registro de propriedade não é exigido para recursos naturais que são propriedade do Estado de acordo com a lei.
Artigo 210.º O registo de bens imobiliários é efectuado pela autoridade de registo do lugar onde se encontram os bens imóveis.
O Estado implementa um sistema de registro unificado com respeito a bens imóveis. O escopo, as autoridades e as medidas para o registro unificado serão especificados por leis e regulamentos administrativos.
Artigo 211.º Ao requerer o registo de bens imóveis, o requerente deve, à luz dos diferentes elementos a registar, fornecer os materiais necessários, tais como a prova dos direitos reais, métricas e limites e a área dos bens imóveis.
Artigo 212 A autoridade de registro deve cumprir as seguintes responsabilidades:
(1) examinar a prova de direitos reais e outros materiais necessários fornecidos pelo requerente;
(2) para inquirir os itens de registro relevantes do requerente;
(3) para registrar os itens relevantes de forma verdadeira e em tempo hábil; e
(4) desempenhar outras responsabilidades conforme previsto nas leis e regulamentos administrativos.
Quando forem necessárias mais provas para que as informações relevantes do bem imóvel sejam registradas, a autoridade de registro pode exigir que o requerente forneça materiais suplementares, e pode conduzir inspeção no local, se necessário.
Artigo 213 A autoridade de registro não pode se envolver nos seguintes atos:
(1) para exigir uma avaliação dos bens imóveis;
(2) para realizar o registro repetido em nome da inspeção anual e semelhantes; ou
(3) praticar outros atos que excedam o escopo de suas responsabilidades de registro.
Artigo 214.º A criação, alteração, alienação ou extinção de direito real sobre bens imóveis que a lei exige o registo produz efeitos no momento da sua inscrição no registo de bens imóveis.
Artigo 215 O contrato celebrado pelas partes sobre a criação, alteração, alienação ou extinção de um direito real torna-se efetivo a partir da sua constituição, salvo disposição em contrário da lei ou acordada pelas partes, e a validade do contrato não seja afetados pelo fato de o direito real não estar registrado.
Artigo 216.º O registo de bens imóveis serve de base à determinação da atribuição e do conteúdo dos direitos reais sobre bens imóveis.
O registo dos bens imóveis é mantido pela autoridade de registo.
Artigo 217.º A certidão de direito real sobre bens imóveis é a prova da titularidade dos direitos reais sobre bens imóveis. Os itens inscritos no certificado de direitos reais sobre bens imóveis devem ser consistentes com o que está inscrito no registo de bens imóveis; em caso de incoerência entre os dois, prevalece o que estiver inscrito no registo de bens imóveis, salvo se houver indícios de que haja manifesto erro no registo de bens imóveis.
Artigo 218.º O titular do direito ou pessoa interessada pode requerer a recuperação e a realização de cópias das informações do bem imóvel registado, devendo a autoridade de registo fornecer as informações.
Artigo 219.º O interessado não pode divulgar ou utilizar ilegalmente os dados registados dos bens imóveis do titular do direito.
Artigo 220.º O titular do direito ou o interessado podem requerer a rectificação do registo se considerar que um bem se encontra incorrectamente inscrito no registo de bens imóveis. Se o titular do direito inscrito no registo de bens imóveis concordar por escrito em proceder à retificação, ou se houver provas que demonstrem um erro manifesto no registo, a autoridade de registo deve retificá-lo.
Se o titular do direito inscrito no registo de bens imóveis não concordar com a rectificação, o interessado pode requerer o registo de um manifestante. Quando a autoridade de registro registra a contestação, mas o requerente não entra com uma ação judicial dentro de 15 dias a partir da data de tal registro, o registro da contestação torna-se ineficaz. Quando uma reclamação é registrada incorretamente e, portanto, o dano é causado ao titular do direito, o titular do direito pode solicitar ao requerente o pagamento de danos.
Artigo 221.º Quando as partes celebram um acordo de venda de uma casa ou de qualquer outro direito real sobre bens imóveis, podem requerer o registo de um aviso de prioridade a uma autoridade de registo, nos termos do acordo, de modo a garantir a realização de o verdadeiro direito no futuro. Quando, após o registo do aviso de prioridade, o bem imóvel for alienado sem o consentimento do titular do direito tal como registado no aviso de prioridade, a alienação não produz efeitos nos termos do direito real.
Se, após o registo do aviso de prioridade, nenhum pedido de registo do direito real sobre bens imóveis tiver sido apresentado no prazo de 90 dias a contar da data em que o crédito do credor se extingue ou o bem imóvel for elegível para registo, o registo do aviso de prioridade torna-se ineficaz.
Artigo 222.º A parte que fornecer materiais falsos a pedido de registo e, assim, causar danos a outra pessoa, será responsável pela indemnização.
Se o dano for causado a outra pessoa devido a um erro administrativo no registro, a autoridade de registro será responsável por uma indenização. Depois de feita a compensação, a autoridade de registro tem direito a indenização contra a pessoa que cometeu o erro.
Artigo 223.º A taxa de registo de bens imóveis é cobrada peça a peça e não pode ser cobrada proporcionalmente à área, dimensão ou preço de aquisição dos bens imóveis.
Seção 2 Entrega de bens móveis
Artigo 224. A constituição ou alienação de direito real sobre bens móveis produz efeitos na entrega, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 225. A criação, alteração, alienação ou extinção de direitos reais em embarcações, aeronaves, veículos automóveis e semelhantes, que não tenham sido matriculados, não tem efeito contra terceiro de boa fé.
Artigo 226.º No caso de o titular do direito já possuir um bem móvel antes de ser criado ou alienado um direito real sobre o mesmo, o direito real sobre o bem móvel produz efeitos no momento em que se efectua o acto jurídico civil.
Artigo 227.º Quando um terceiro possuir bens móveis antes da constituição ou alienação de um direito real sobre os bens móveis, a pessoa obrigada a entregar os bens móveis pode transferir o seu direito à restituição contra o terceiro em substituição da entrega.
Artigo 228.º Quando, com a alienação de um direito real sobre bens móveis, as partes acordem que o cedente continua na posse dos bens móveis, o direito real sobre os bens móveis torna-se efectivo no momento da entrada em vigor do referido acordo.
Seção 3 Outras Regras
Artigo 229 Quando um direito real é criado, alterado, alienado ou extinto em decorrência de documento legal expedido pelo tribunal popular ou instituição de arbitragem, ou com base em decisão de expropriação proferida pelo governo popular, a criação, alteração, alienação , ou a extinção do direito real torna-se efetiva a partir do momento em que o ato legal ou a decisão de expropriação entrar em vigor.
Artigo 230.º Quando o direito real se adquire por sucessão, o direito real herdado produz efeitos no momento da abertura da sucessão.
Artigo 231 Quando um direito real é criado ou extinto como resultado de um ato de fato, como a construção legal ou a demolição de uma casa, a criação ou extinção do direito real torna-se efetiva quando o ato de fato é realizado.
Artigo 232.º Quando a disposição de um direito real sobre bens imóveis, nos termos da presente secção, for exigida por lei a ser registada, a disposição do direito real, se não for registada, não produz efeitos.
Capítulo III Proteção de Direitos Reais
Art. 233 Em caso de violação de direito real, o titular do direito poderá ter o problema resolvido por meio de acordo, mediação, arbitragem, litígio e semelhantes.
Artigo 234.º Em caso de litígio sobre a atribuição ou conteúdo de um direito real, o interessado pode requerer a confirmação do direito.
Artigo 235.º Quando um bem imóvel ou móvel é possuído por pessoa sem habilitação, o titular do direito pode requerer a restituição.
Artigo 236 Quando houver um incômodo ou um incômodo potencial contra um direito real, o titular do direito poderá solicitar a remoção do incômodo ou a eliminação do perigo.
Artigo 237.º Quando um bem imóvel ou móvel é destruído ou danificado, o titular do direito pode requerer a reparação, reparação, substituição ou restauração ao estado original de acordo com a lei.
Artigo 238.º Em caso de violação de um direito real e consequentemente de dano, o titular do direito pode, nos termos da lei, exigir ao infractor o pagamento da indemnização ou outras responsabilidades civis.
Art. 239. As formas de proteção do direito real previstas neste Capítulo podem ser aplicadas isoladamente ou concomitantemente, de acordo com as circunstâncias da violação de um direito.
Parte Dois Propriedade
Capítulo IV Regras Gerais
Artigo 240.º O proprietário tem o direito de possuir, usar, usufruir e dispor dos seus próprios bens imóveis ou móveis, nos termos da lei.
Artigo 241.º O proprietário de bens imóveis ou móveis tem o direito de constituir o direito de usufruto e de garantia sobre os seus próprios bens imóveis ou móveis. O usufrutuário ou titular de garantia mobiliária, no exercício dos seus direitos, não prejudica os direitos e interesses do titular.
Artigo 242.º Quando a lei prevê que os bens imóveis ou móveis são propriedade exclusiva do Estado, nenhuma organização ou pessoa singular pode deles adquirir a propriedade.
Artigo 243.º Por necessidade de interesse público, os terrenos de propriedade colectiva e as casas e demais bens imóveis de uma organização ou pessoa singular podem ser expropriados no âmbito da competência e nos termos dos procedimentos previstos na lei.
No caso de desapropriação de terras de propriedade coletiva, taxas de compensação de terras, subsídios de reassentamento e taxas de compensação para moradias de moradores rurais e outros anexos de terreno, bem como plantações jovens, devem ser pagas integralmente em tempo hábil de acordo com a lei, e Os prêmios da previdência social dos agricultores cujas terras tenham sido desapropriadas devem ser arranjados, suas vidas garantidas e seus direitos e interesses legítimos salvaguardados.
Em caso de expropriação de casas ou outros bens imóveis de organizações ou indivíduos, a indemnização pela expropriação deve ser feita nos termos da lei, a fim de salvaguardar os direitos e interesses legítimos da pessoa cujos bens imóveis foram expropriados. No caso de desapropriação de casa de pessoas físicas, também serão garantidas as condições de moradia dessas pessoas.
Nenhuma organização ou indivíduo pode fraudar, apropriar-se indevidamente, distribuir secretamente, interceptar, deixar de pagar as taxas de compensação de desapropriação ou similares.
Artigo 244.º O Estado confere protecção especial às terras cultivadas, restringe estritamente a conversão de terras agrícolas em terras utilizadas para construção e controla o volume total das terras utilizadas para construção. Terras de propriedade coletiva não podem ser desapropriadas excedendo o escopo da autoridade ou em violação dos procedimentos previstos por lei.
Artigo 245.º Os bens imóveis ou móveis de uma organização ou indivíduo podem, em resposta a uma emergência como a prestação de socorro a catástrofes e a prevenção e controlo de pandemias, ser requisitados no âmbito da autoridade e de acordo com os procedimentos previstos na lei. Os bens imóveis ou móveis requisitados serão devolvidos à referida organização ou indivíduo após o uso. Quando os bens imóveis ou móveis de uma organização ou indivíduo são requisitados, ou quando são destruídos, danificados ou perdidos após serem requisitados, uma compensação deve ser feita.
Capítulo V Propriedade do Estado, Propriedade Coletiva e Propriedade Privada
Artigo 246.º Quando a lei estabelece que um bem é propriedade do Estado, esse bem pertence ao Estado, nomeadamente, a todo o povo.
Os direitos de propriedade sobre a propriedade estatal serão exercidos pelo Conselho de Estado em nome do Estado, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 247.º Os depósitos minerais, as águas e as zonas marítimas são propriedade do Estado.
Artigo 248.º As ilhas desabitadas são propriedade do Estado e o Conselho de Estado exerce os direitos de propriedade sobre as ilhas desabitadas em nome do Estado.
Artigo 249.º O terreno urbano é propriedade do Estado. Os terrenos nos subúrbios rurais e urbanos que estão previstos por lei como propriedade do Estado são propriedade do Estado.
Artigo 250 Os recursos naturais, como florestas, cordilheiras, pastagens, terras não recuperadas e planícies de lama, exceto aqueles previstos em lei como propriedade coletiva, são propriedade do Estado.
Artigo 251.º São propriedade do Estado os recursos animais e vegetais selvagens que a lei prevê e são propriedade do Estado.
Artigo 252.º Os recursos do espectro de radiofrequências são propriedade do Estado.
Artigo 253.º As relíquias culturais que a lei prevê como propriedade do Estado são propriedade do Estado.
Artigo 254.º Os bens de defesa nacional são propriedade do Estado.
As infraestruturas como os caminhos-de-ferro, as estradas, as instalações de energia eléctrica, as instalações de telecomunicações, bem como os oleodutos e gasodutos que por lei são propriedade do Estado são propriedade do Estado.
Artigo 255.º O órgão do Estado tem o direito de possuir e utilizar bens imóveis e móveis directamente sob o seu controlo e de dispor desses bens de acordo com a lei e os regulamentos pertinentes elaborados pelo Conselho de Estado.
Artigo 256. A instituição pública estabelecida pelo Estado tem o direito de possuir e utilizar bens imóveis e móveis directamente sob o seu controlo, e de usufruir e dispor desses bens de acordo com a lei e os regulamentos pertinentes elaborados pelo Conselho de Estado.
Artigo 257. No que diz respeito às empresas investidas pelo Estado, o Conselho de Estado e as autarquias locais devem, em nome do Estado, desempenhar as funções de investidor e gozar dos direitos e interesses do investidor, respectivamente, de acordo com as leis e regulamentos administrativos.
Artigo 258 Os bens do Estado são protegidos por lei e nenhuma organização ou indivíduo pode se apropriar indevidamente, saquear, distribuir secretamente, interceptar ou destruir tais bens.
Artigo 259 As instituições e seus funcionários com funções de administração e supervisão de bens do Estado devem fortalecer a administração e supervisão dos bens do Estado de acordo com a lei, esforçar-se para preservar e aumentar o valor desses bens e prevenir qualquer perda disso; devem assumir as responsabilidades legais nos termos da lei se forem causados ​​prejuízos à propriedade do Estado em resultado do abuso de poder ou abandono das funções.
Uma pessoa que causa prejuízos à propriedade estatal, transferindo-a a preços baixos, distribuindo-a secretamente em conspiração com outras pessoas, criando uma garantia real sobre ela sem autorização, ou por outros meios no curso de reestruturação empresarial, fusão ou a divisão, as transações afiliadas e semelhantes, em violação das disposições sobre a administração da propriedade do Estado, serão responsáveis ​​pela responsabilidade legal nos termos da lei.
Artigo 260 Os bens imóveis e móveis de propriedade coletiva incluem:
(1) a terra, as florestas, os cumes das montanhas, os prados, as terras não recuperadas e os lodaçais que são fornecidos por lei como propriedade de coletivos;
(2) os edifícios, instalações de produção e instalações de conservação de água de terras agrícolas que são propriedade de coletivos;
(3) as instalações educacionais, científicas, culturais, de saúde pública, esportes e outras instalações que são propriedade de coletivos; e
(4) qualquer outro bem imóvel e móvel que pertença a coletivos.
Os bens imóveis e móveis de um coletivo de agricultores são propriedade coletiva dos membros desse coletivo.
As seguintes questões serão decididas pelos membros do coletivo de acordo com os procedimentos estatutários:
(1) esquemas de contratação de terras e a subcontratação de terras a qualquer organização ou indivíduo externo a este coletivo;
(2) ajuste da terra contratada entre as pessoas que têm direito à gestão contratual da terra;
(3) métodos para o uso e distribuição de fundos, como taxas de compensação de terras;
(4) questões como mudanças na propriedade das empresas investidas pelo coletivo; e
(5) outros assuntos previstos em lei.
Artigo 262 No que diz respeito às terras de propriedade coletiva, florestas, cordilheiras, pastagens, terras não recuperadas, planícies de lama e semelhantes, a propriedade das mesmas deve ser exercida de acordo com as seguintes disposições:
(1) quando forem propriedade do coletivo de agricultores de uma aldeia, a propriedade será exercida coletivamente pela organização econômica coletiva da aldeia ou pelo comitê de moradores em nome do coletivo, de acordo com a lei;
(2) quando forem propriedade de dois ou mais coletivos de agricultores dentro de uma aldeia, a propriedade será exercida pelas respectivas organizações econômicas coletivas ou grupos de moradores em nome dos coletivos, de acordo com a lei; e
(3) quando forem propriedade coletiva do coletivo de agricultores de uma cidade rural, a propriedade será exercida pelas organizações econômicas da cidade em nome do coletivo.
Artigo 263.º No que respeita aos bens imóveis e móveis pertencentes a colectivo urbano-urbano, este tem o direito de possuir, utilizar, usufruir e dispor desses bens nos termos das leis e regulamentos administrativos.
Artigo 264 As organizações econômicas coletivas rurais, comitês de aldeões e grupos de aldeões devem tornar a situação da propriedade coletiva conhecida dos membros deste coletivo de acordo com as leis, regulamentos administrativos e seus estatutos, bem como o convênios locais. Os membros do coletivo têm o direito de recuperar e fazer cópias dos materiais relevantes.
Artigo 265 A propriedade de um coletivo é protegida por lei, e nenhuma organização ou indivíduo pode se apropriar indevidamente, saquear, distribuir secretamente ou destruir tal propriedade.
Quando a decisão de uma organização econômica coletiva rural, de uma comissão de moradores ou de seu responsável viole os direitos e interesses legítimos de um integrante da coletividade, o infrator poderá solicitar ao tribunal popular a revogação da decisão.
Artigo 266. O particular tem direito aos rendimentos lícitos, à casa, aos artigos de uso quotidiano, aos instrumentos de produção, às matérias-primas, bem como aos demais bens imóveis e móveis.
Artigo 267 Os bens legalmente possuídos por um particular são protegidos por lei, e nenhuma organização ou indivíduo pode se apropriar indevidamente, saquear ou destruir tais bens.
Artigo 268.º O Estado, os colectivos e os particulares podem constituir sociedades de responsabilidade limitada, sociedades por acções limitadas em acções ou outras sociedades mediante aportes de capital nos termos da lei. Quando os bens imóveis ou móveis do Estado, coletivos e particulares são investidos em uma empresa, os investidores têm, de acordo com seu acordo ou na proporção do seu investimento, o direito de receber retornos sobre os ativos, tomar decisões importantes e selecionar gestores de negócios e obrigados ao desempenho de suas funções.
Artigo 269.º A pessoa colectiva com fins lucrativos tem o direito de possuir, utilizar, usufruir e dispor dos seus bens imóveis e móveis, nos termos das leis, regulamentos administrativos e respectivos estatutos.
As disposições das leis, regulamentos administrativos e estatutos aplicáveis ​​são aplicáveis ​​aos direitos de uma pessoa coletiva que não seja uma pessoa coletiva com fins lucrativos, no que diz respeito aos seus bens móveis e imóveis.
Artigo 270.º São protegidos pela lei os bens móveis e imóveis legalmente propriedade de pessoa colectiva de organização social ou de pessoa colectiva dotada.
Capítulo VI Propriedade das unidades de um edifício
Artigo 271.º O proprietário de uma unidade detém a propriedade de uma unidade exclusiva de edifício, tal como um espaço habitacional ou utilizado para a exploração de negócios, e tem o direito de ser coproprietário e gerir conjuntamente o espaço comum que não seja a unidade.
Artigo 272.º O proprietário tem o direito de possuir, usar, beneficiar e dispor da sua unidade exclusiva de edifício. O proprietário da unidade não pode, ao exercer os seus direitos, pôr em perigo a segurança do edifício ou prejudicar os direitos e interesses legítimos dos proprietários de outras unidades.
Artigo 273.º O proprietário de uma unidade tem direitos e assume deveres no que diz respeito ao espaço comum fora da sua unidade exclusiva de edifício, e não pode recusar-se a cumprir essas obrigações com o fundamento de que renunciou a tais direitos.
Quando o proprietário de uma unidade transfere um espaço habitacional ou o espaço utilizado para as operações comerciais de sua propriedade em um edifício, seus direitos de co-propriedade e gestão conjunta do espaço comum nesse edifício são transferidos concomitantemente.
Artigo 274.º As estradas dentro da zona de construção são co-propriedade de todos os proprietários das unidades, exceto as que fazem parte das vias públicas urbanas. Os espaços verdes dentro da zona de construção são co-propriedade de todos os proprietários das unidades, exceto os que fazem parte dos espaços verdes públicos urbanos e os expressamente indicados como sendo propriedade de particulares. Outros locais públicos, instalações públicas e espaços usados ​​para serviço de gestão de propriedade dentro da zona de construção são propriedade conjunta de todos os proprietários das unidades.
Artigo 275.º A propriedade dos lugares de estacionamento e garagens previstas para estacionamento de veículos dentro da zona de construção deve ser acordada entre as partes por meio de venda, dádiva, aluguer e semelhantes.
As vagas de estacionamento para veículos que ocupam as estradas ou outras vagas de propriedade de todos os proprietários das unidades são co-propriedade de todos os proprietários das unidades.
Artigo 276.º Os lugares de estacionamento e garagens previstas para estacionamento de veículos dentro da zona de construção devem atender previamente às necessidades dos proprietários das unidades.
Artigo 277.º Os proprietários das unidades podem constituir a assembleia de proprietários e eleger os membros da comissão de proprietários. As condições e procedimentos específicos para o estabelecimento da assembleia de proprietários e do comitê de proprietários devem estar de acordo com as leis e regulamentos.
O departamento pertinente do governo popular local e o comitê de residentes devem fornecer orientação e assistência no estabelecimento da assembleia de proprietários e na eleição dos membros do comitê de proprietários.
Art. 278. As seguintes matérias serão decididas em conjunto pelos proprietários das unidades:
(1) formular e alterar as regras de procedimento da assembleia de proprietários;
(2) formular e alterar as estipulações sobre gestão;
(3) eleger ou substituir membros do comitê de proprietários;
(4) empregar e destituir a empresa de serviços de administração de propriedades ou outros gerentes;
(5) para usar fundos de manutenção de edifícios e instalações auxiliares dos mesmos;
(6) para angariar fundos para manutenção de edifícios e instalações auxiliares dos mesmos;
(7) para renovar e reconstruir edifícios e instalações auxiliares dos mesmos;
(8) para alterar o uso pretendido do espaço co-propriedade ou fazer uso do espaço co-propriedade para se envolver em atividades comerciais; e
(9) tratar de outros assuntos importantes relativos à copropriedade e ao direito de gestão conjunta.
O quorum para as questões sujeitas à decisão conjunta dos proprietários é de dois terços ou mais das unidades exclusivas, tanto por área como por número de proprietários. As decisões sobre as questões previstas nos subparágrafos (6) a (8) estarão sujeitas ao consentimento dos proprietários de unidades que representem três quartos ou mais das unidades exclusivas participantes, tanto por área como por número de proprietários de unidades. As demais decisões previstas no parágrafo anterior estarão sujeitas ao consentimento dos proprietários que representem mais da metade das unidades exclusivas participantes, tanto por área como por número de proprietários.
Artigo 279 Nenhum proprietário de unidade pode transformar um espaço de habitação em um espaço usado para operar negócios em violação das leis, regulamentos ou estipulações de gestão. O proprietário de uma unidade que pretenda transformar um espaço habitacional em espaço destinado à operação de negócios deverá, além de cumprir as leis, regulamentos e disposições de gestão, obter o consentimento unânime de todos os proprietários interessados.
Artigo 280.º As deliberações da assembleia de proprietários ou da comissão de proprietários vinculam juridicamente os proprietários das unidades.
Quando uma decisão tomada pela assembleia de proprietários ou pelo comitê de proprietários infringe os direitos e interesses legítimos do proprietário de uma unidade, o proprietário violado pode solicitar ao tribunal popular a revogação.
Artigo 281.º Os fundos de manutenção dos edifícios e respectivas instalações auxiliares são propriedade dos proprietários das unidades. Os recursos poderão, por decisão conjunta dos proprietários das unidades, ser utilizados na manutenção, renovação e reforma dos espaços co-proprietários, como elevadores, telhados, paredes externas e instalações sem barreiras. A informação sobre a angariação e utilização dos fundos de manutenção dos edifícios e suas instalações auxiliares deve ser publicitada regularmente.
Quando um edifício e suas instalações auxiliares precisarem ser mantidos em uma situação de emergência, a assembleia de proprietários ou o comitê de proprietários podem, nos termos da lei, solicitar o uso dos fundos de manutenção do edifício e suas instalações auxiliares.
Artigo 282.º As receitas geradas pelo espaço co-propriedade dos proprietários das unidades e recebidas pelo promotor, empresa de serviços de gestão imobiliária ou outros gestores são co-propriedade de todos os proprietários das unidades após dedução dos custos razoáveis.
Artigo 283.º Quando houver acordo sobre questões como a repartição das despesas e a distribuição das receitas obtidas com um edifício e as suas instalações auxiliares, essas questões serão determinadas em conformidade com o acordo; quando não houver acordo ou o acordo não for claro, tais questões serão determinadas na proporção da área de cada unidade exclusiva do dono da unidade em relação à área total.
Artigo 284.º Os proprietários das unidades podem, quer gerir por conta própria os edifícios e as instalações auxiliares, quer confiar para o efeito a uma empresa de gestão imobiliária ou a outro administrador.
Os proprietários das unidades têm o direito de substituir, nos termos da lei, a empresa prestadora de serviços de gestão imobiliária ou os demais administradores contratados pela incorporadora.
Artigo 285 A empresa de serviços de gestão imobiliária ou de outra forma um gerente deve, conforme confiado pelos proprietários das unidades, administrar os edifícios e suas instalações auxiliares dentro da zona de construção de acordo com as disposições do Livro Três deste Código relativas a contratos de serviços de gestão imobiliária, sujeitar-se à supervisão dos proprietários das unidades e responder atempadamente às consultas dos proprietários das unidades sobre os serviços de gestão de propriedades.
A empresa de serviços de gestão imobiliária ou outros gestores devem realizar medidas de emergência e outras medidas de gestão implementadas pelo governo de acordo com a lei e cooperar ativamente na execução do trabalho relevante.
Artigo 286.º Os proprietários das unidades devem cumprir as leis, regulamentos e disposições sobre a gestão, devendo os respetivos atos cumprir os requisitos de conservação dos recursos e proteção do meio ambiente ecológico. No que diz respeito às medidas de emergência e outras medidas de gestão implementadas pelo governo de acordo com a lei que são realizadas pela empresa de serviços de gestão imobiliária ou outros gestores, os proprietários das unidades devem, nos termos da lei, ser cooperativos.
Com relação a um ato que prejudica os direitos e interesses legítimos de terceiros, como descartar lixo arbitrariamente, despejar poluentes ou ruídos, alimentar e manter animais em violação às estipulações, construir estruturas contra regras e regulamentos, invadir passagens e recusar-se a pagar taxas de administração de propriedade, a assembleia de proprietários ou a comissão de proprietários têm o direito de solicitar ao ator que interrompa tais infrações, remova o incômodo, elimine o perigo, restaure a condição original e indenize os prejuízos decorrentes.
Quando o proprietário de uma unidade ou um ator se recusa a desempenhar as funções pertinentes, a parte interessada pode apresentar uma denúncia ou apresentar uma reclamação ao departamento administrativo competente, que tratará do caso de acordo com a lei.
Artigo 287.º O proprietário da unidade tem o direito de exigir do promotor, da empresa de serviços de gestão imobiliária ou de outros gestores e dos restantes proprietários da unidade a responsabilidade civil por qualquer acto por eles praticado que infrinja os seus direitos e interesses legítimos.
Capítulo VII Relacionamentos Adjacentes
Artigo 288.º As pessoas com direito a direitos adjacentes sobre bens imóveis devem tratar adequadamente das relações adjacentes de acordo com os princípios de facilitação da produção, conveniência para a vida quotidiana, solidariedade e assistência mútua e justiça e razoabilidade.
Artigo 289 Quando houver leis e regulamentos que prevejam relações adjacentes, essas disposições devem ser aplicadas. Onde não houver tais disposições, os costumes locais podem ser seguidos.
Artigo 290.º Os titulares de direitos reais sobre bens imóveis devem proporcionar aos titulares de direitos adjacentes as conveniências necessárias para a utilização de água ou esgotos.
O direito de utilização de água corrente natural deve ser razoavelmente repartido entre as pessoas com direito aos direitos adjacentes do bem imóvel. Ao descarregar a água, a direção do fluxo natural da água deve ser respeitada.
Artigo 291.º Os titulares de direitos reais sobre bens imóveis proporcionam as conveniências necessárias às pessoas com direito adjacente que devam utilizar as suas terras para passagem e semelhantes.
Artigo 292.º Quando uma pessoa com direitos reais sobre bens imóveis tiver de utilizar o terreno ou edifício adjacente para construir ou manter um edifício, ou para colocar fios elétricos, cabos ou condutas de água, aquecimento, gás ou semelhantes, o titular dos direitos reais do terreno ou edifício adjacente deverá providenciar as conveniências necessárias.
Artigo 293.º A construção de um edifício não pode violar as normas de construção aplicáveis ​​do Estado nem obstruir a ventilação, a iluminação ou a luz solar dos edifícios adjacentes.
Art. 294. O titular dos direitos reais sobre bens imóveis não pode, em violação das normas do Estado, descartar resíduos sólidos ou emitir substâncias nocivas como poluentes atmosféricos, poluentes da água, poluentes do solo, ruídos, radiação luminosa e radiação eletromagnética .
Artigo 295.º O titular dos direitos reais sobre bens imóveis não pode pôr em perigo a segurança dos bens imóveis adjacentes ao realizar a escavação de terrenos, construção de edifícios, colocação de condutas, instalação de meios ou semelhantes.
Artigo 296. A pessoa com direitos reais sobre bens imóveis que utilize os bens imóveis adjacentes para fins de aproveitamento de água, drenagem, passagem, colocação de condutas e semelhantes, não poupará esforços para evitar causar danos à pessoa com direito ao direitos reais sobre os bens imóveis adjacentes.
Capítulo VIII Co-propriedade
Artigo 297.º Os bens imóveis ou móveis podem ser co-propriedade de duas ou mais organizações ou indivíduos. A copropriedade consiste na copropriedade por ações e em copropriedade.
Artigo 298.º Os co-titulares por acções têm a propriedade dos bens imóveis ou móveis co-titulares de acordo com as respectivas quotas.
Artigo 299.º Os co-proprietários são solidários com a propriedade dos bens imóveis ou móveis em co-propriedade.
Artigo 300 Os coproprietários administram os bens imóveis ou móveis co-propriedade de acordo com o seu acordo. Quando não há acordo ou o acordo não é claro, cada coproprietário tem o direito e a obrigação de gerenciá-lo.
Artigo 301 Salvo acordo em contrário dos co-proprietários, qualquer disposição dos bens imóveis ou móveis co-propriedade, ou qualquer grande reparação ou alteração da natureza ou uso pretendido dos bens imóveis ou móveis co-propriedade deve estar sujeita ao consentimento dos coproprietários por ações cujas ações representem dois terços ou mais do total das ações, ou com o consentimento de todos os coproprietários.
Artigo 302.º As despesas de gestão e demais encargos sobre o co-proprietário dos co-proprietários serão suportadas de acordo com o acordo entre os co-proprietários, havendo tal acordo; quando não houver acordo ou o acordo não for claro, essas despesas serão suportadas pelos coproprietários, proporcionalmente, em ações, e pelos coproprietários em conjunto.
Artigo 303 Caso os coproprietários tenham concordado em não repartir os bens imóveis ou móveis co-propriedade a fim de manter a copropriedade, o acordo deve ser seguido, desde que um coproprietário possa solicitar a partição se houver uma razão imperiosa para partição. Quando não há acordo ou o acordo não é claro, um coproprietário por ações pode solicitar a partição a qualquer momento, enquanto um coproprietário pode solicitar a partilha caso a base para a propriedade conjunta deixe de existir ou haja uma razão convincente para partição. A compensação será feita se a partição causar danos aos outros coproprietários.
Artigo 304. Os coproprietários podem determinar mediante negociação a forma de repartição do co-proprietário. Quando eles não chegarem a um acordo, e onde os bens imóveis ou móveis co-propriedade forem divisíveis e seu valor não for diminuído com a divisão, a divisão em espécie será efetuada; quando houver dificuldade na divisão do co-propriedade ou se o seu valor for prejudicado com a divisão, a divisão será feita por divisão do produto com base em avaliação ou obtido em leilão ou alienação.
No caso de os bens imóveis ou móveis adquiridos por coproprietário mediante repartição apresentarem defeitos, os demais coproprietários devem partilhar os prejuízos.
Artigo 305.º O co-titular por acções pode transferir a parte das acções que detém em bens imóveis ou móveis co-propriedade. Os demais coproprietários têm direito de preferência para adquirir as ações em condições equivalentes.
Artigo 306.º Quando o coproprietário por acções cede a parte das acções que detém nos bens imóveis ou móveis co-titulares, deve comunicar atempadamente aos restantes coproprietários as condições da transferência. Os demais coproprietários exercerão seu direito de preferência dentro de um prazo razoável.
Quando dois ou mais coproprietários fizerem valer seus direitos de preferência, eles determinarão por meio de negociação a proporção de ações que cada um pode adquirir; não havendo acordo, exercerão o direito de preferência na proporção das ações de que cada um for titular no momento da transferência.
Artigo 307º No plano das relações externas, os coproprietários têm direito solidário e solidário aos créditos e estão solidariamente obrigados a cumprir as obrigações decorrentes dos bens imóveis ou móveis co-propriedade, salvo disposição em contrário da lei ou de terceiros pessoa está ciente de que os coproprietários não estão em uma relação de reivindicações e obrigações solidárias. Em termos de relações internas, salvo acordo em contrário pelos coproprietários, os coproprietários por ações têm direito a reivindicações e são obrigados a cumprir obrigações na proporção das ações que cada um possui, e os coproprietários conjuntos têm direito a reivindicações e obrigados a cumprir obrigações. Um coproprietário por ações que cumpriu a obrigação além de suas ações tem o direito de contribuir contra os outros coproprietários.
Artigo 308 Quando não houver acordo entre os coproprietários ou se o acordo não for claro quanto ao fato de os bens imóveis ou móveis coproprietários estarem em copropriedade por ações ou em copropriedade, os bens imóveis ou móveis serão considerados estar sob copropriedade por ações, a menos que os coproprietários estejam em um relacionamento como relacionamento familiar e semelhantes.
Artigo 309.º A parte de um coproprietário por quotas de bens imóveis ou móveis é determinada de acordo com a sua entrada de capital, se não houver acordo ou se o acordo não for claro. Quando for impossível determinar o valor da contribuição de capital, cada coproprietário por ações terá direito a uma parte igual.
Artigo 310.º Quando duas ou mais organizações ou indivíduos têm conjuntamente o direito de usufruto ou de garantia, as disposições pertinentes deste Capítulo aplicam-se mutatis mutandis.
Capítulo IX Disposições Especiais sobre Aquisição de Propriedade
Artigo 311.º Quando uma pessoa sem direito de dispor sobre um bem imóvel ou móvel o transmite a outra pessoa, o proprietário tem o direito de o recuperar; salvo disposição em contrário da lei, o cessionário adquire a propriedade dos bens imóveis ou móveis nas seguintes circunstâncias:
(1) o cessionário está de boa fé no momento em que os bens imóveis ou móveis lhe são transferidos;
(2) a transferência é feita a um preço razoável; e
(3) os bens imóveis ou móveis transferidos foram registrados conforme exigido por lei, ou foram entregues ao cessionário quando o registro não é exigido.
Quando o cessionário adquire a propriedade dos bens imóveis ou móveis em conformidade com o disposto no número anterior, o proprietário original tem o direito de reclamar a indemnização da pessoa que alienou os bens sem direito.
Quando uma parte adquire, de boa fé, um direito real diferente da propriedade, as disposições dos dois parágrafos anteriores aplicam-se mutatis mutandis.
Artigo 312.º O proprietário ou qualquer outro titular de direito tem o direito de recuperar o que se perdeu. Quando a coisa perdida é possuída por outra pessoa por meio de transferência, o titular do direito tem o direito de reclamar uma indemnização contra a pessoa que dispõe da coisa sem direito à disposição, ou de solicitar ao cessionário que devolva a coisa original no prazo de dois anos a partir da data em que o titular do direito conhece ou deveria ter conhecimento do cessionário, desde que, se o cessionário tiver adquirido a coisa perdida em leilão ou de um operador comercial qualificado, o titular do direito deverá, no momento de solicitar a devolução do coisa original, reembolsar as despesas que foram pagas pelo cessionário. O titular do direito tem, depois de ter reembolsado as despesas pagas pelo cessionário, o direito à indenização contra a pessoa que dispõe da coisa sem direito à disposição.
Artigo 313.º Depois de o cessionário de boa fé adquirir os bens móveis, extinguem-se os direitos originários sobre os bens móveis, a menos que o cessionário de boa fé conheça ou devesse ter conhecimento desses direitos no momento da transferência.
Artigo 314.º Quando for achada uma coisa perdida, a coisa será devolvida ao seu titular. O localizador deve, em tempo hábil, notificar o titular do direito ou entregá-lo aos serviços competentes, como o departamento de segurança pública.
Artigo 315.º No caso de o serviço competente receber o extravio e conhecer quem é o seu titular, o serviço deve, em tempo útil, notificá-lo para a recolha do extraviado; quando o departamento não souber quem é o titular do direito, deverá emitir um aviso de achados e perdidos em tempo hábil.
Artigo 316.º O localizador deve guardar o objecto perdido antes de o entregar ao serviço competente, e o serviço competente deve guardá-lo antes de o recolher. A pessoa que, intencionalmente ou por negligência grave, fizer com que o objeto perdido sob sua custódia seja destruído, danificado ou perdido, será responsável civilmente.
Artigo 317.º O titular do direito sobre o perdido deve, no momento da recolha, pagar ao descobridor ou ao serviço competente as despesas necessárias, tais como a despesa com a guarda do perdido.
Quando o titular do direito ofereceu uma recompensa por encontrar a coisa perdida, ele deverá, no momento de recolher a coisa perdida, cumprir suas obrigações conforme prometido.
Quando um localizador se apropria indevidamente da coisa perdida, ele não tem o direito de solicitar o reembolso de despesas, como as despesas para guardar a coisa perdida, nem tem o direito de solicitar ao titular do direito que cumpra as obrigações prometidas.
Artigo 318.º Quando a coisa perdida não for reclamada por ninguém no prazo de um ano a partir da data da publicação da notificação de achados e perdidos, a coisa perdida deve ser entregue ao Estado.
Artigo 319.º Quando se encontrar algo à deriva ou descoberto algo enterrado ou escondido, aplicam-se, com as necessárias adaptações, as disposições relativas ao achado de coisas perdidas, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 320. Em caso de transferência de uma coisa principal, o acessório desta será transferido concomitantemente, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 321.º Salvo convenção em contrário das partes, os frutos naturais de uma coisa são adquiridos pelo dono da coisa ou por um usufrutuário, se houver dono e usufrutuário da coisa.
O produto legal de uma coisa deve ser adquirido conforme acordado pelas partes, se houver tal acordo, ou, quando não houver acordo ou o acordo não for claro, de acordo com o curso da negociação.
Artigo 322 Uma coisa criada como resultado do processamento, ou combinação ou mistura com outra coisa ou coisas, será propriedade conforme acordado se houver tal acordo, ou de acordo com a lei se não houver acordo ou o acordo for pouco claro, ou, na falta de qualquer disposição da lei, ser determinado com observância dos princípios do aproveitamento pleno da coisa e da proteção sem culpa da parte. Quando o dano for causado a outra parte por culpa de uma das partes ou devido à determinação da atribuição da coisa, será paga uma indenização ou compensação.
Parte Três Direitos de Usufruto
Capítulo X Regras Gerais
Artigo 323.º O usufrutuário tem o direito de possuir, usar e usufruir dos bens imóveis ou móveis pertencentes a outra pessoa nos termos da lei.
Artigo 324 As organizações e os indivíduos podem, de acordo com a lei, possuir, usar e se beneficiar dos recursos naturais de propriedade do Estado, os recursos naturais de propriedade do Estado que são usados ​​por coletivos e os recursos naturais que são propriedade de coletivos conforme previsto por lei.
Artigo 325 O Estado implementa um sistema de compensação pela utilização dos recursos naturais, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 326.º O usufrutuário deve, no exercício do seu direito, respeitar as disposições das leis relativas à protecção, exploração racional e utilização dos recursos e protecção do meio ecológico. O proprietário não pode interferir no exercício de tais direitos pelo usufrutuário.
Artigo 327.º Quando o direito de usufruto se extingue ou se prejudica devido à expropriação ou requisição de bens imóveis ou móveis, o usufrutuário tem direito a uma indemnização nos termos dos artigos 243.º e 245.º deste Código.
Artigo 328.º O direito de utilização das zonas marítimas adquirido nos termos da lei encontra-se protegido por lei.
Artigo 329. O direito de explorar e minerar minerais, de tirar água e de usar as águas e os lodaçais para a aquicultura ou a pesca adquirida nos termos da lei é protegido por lei.
Capítulo XI Direito de Gestão Contratual de Terras
Artigo 330.º As organizações económicas colectivas rurais devem adoptar um sistema de gestão a dois níveis, tendo por base a gestão contratual familiar e integrada com a gestão colectiva.
Um sistema de gestão contratual de terras é adotado de acordo com a lei para terras cultivadas, florestas, pastagens e outras terras usadas para fins agrícolas que são propriedade coletiva dos agricultores, ou propriedade do Estado e usadas pelos agricultores coletivamente.
Artigo 331 A pessoa que tem direito à gestão contratual da terra tem, nos termos da lei, o direito de possuir, usar e beneficiar das terras cultivadas, florestas e pastagens contratadas e geridas por ela, e de se envolver na produção agrícola. como cultivo de safras, silvicultura e pecuária.
Artigo 332 A duração do contrato de terras cultivadas é de 30 anos. O prazo de um contrato para pastagens varia de 30 a 50 anos. O prazo de um contrato para áreas florestais varia de 30 a 70 anos.
Decorrido o prazo contratual previsto no número anterior, a pessoa com direito à gestão contratual das terras tem o direito de renovar o contrato de acordo com o disposto na legislação relativa à contratação de terrenos rurais.
Artigo 333.º O direito à gestão contratual de terras é constituído no momento da entrada em vigor do contrato de direito à gestão contratual de terras.
A autoridade de registro deve emitir um certificado, tal como um certificado do direito de gestão contratual da terra, um certificado do direito à silvicultura e semelhantes, para a pessoa com direito ao respectivo direito de gestão contratual da terra, e estabelecer um registrar-se para esse fim para registrar e confirmar tais direitos.
Artigo 334 As pessoas com direitos de gestão contratual de terras têm o direito de trocar ou transferir esses direitos nos termos da lei. O terreno contratado não pode ser utilizado para fins de construção não agrícola sem ser aprovado nos termos da lei.
Artigo 335. Quando os direitos de gestão contratual de terras são trocados ou transferidos, as partes podem requerer o registo junto da autoridade de registo; sem registro, tal troca ou transferência não pode ser oposta a um terceiro de boa fé.
Artigo 336. Dentro do prazo do contrato, o ofertante do contrato não pode regularizar o terreno contratado.
Em circunstâncias especiais, tais como severa deterioração das terras contratadas causada por desastres naturais, os ajustes apropriados deverão ser feitos de acordo com as disposições da legislação sobre a contratação de terras rurais, quando necessário.
Artigo 337.º Durante a vigência do contrato, o adjudicatário não pode retomar o terreno contratado, salvo disposição legal em contrário.
Artigo 338.º Em caso de desapropriação das terras contratadas, a pessoa afectada com direito à gestão contratual das terras tem direito à indemnização correspondente, de acordo com o disposto no artigo 243.º deste Código.
Artigo 339.º Qualquer pessoa com direito à gestão contratual de terras pode decidir por si própria transferir o direito de gestão de terras a terceiros por meio de arrendamento, contribuição em quotas ou outros meios nos termos da lei.
Artigo 340.º No prazo acordado no contrato, o titular do direito de gestão de terras tem o direito de possuir as terras rurais, de exercer por conta própria a produção e exploração agrícolas e delas usufruir.
Artigo 341.º O direito à gestão das terras transferidas por um período de cinco anos ou mais é criado com a entrada em vigor do contrato de transferência. As partes podem solicitar à autoridade de registro o registro do direito de gestão da terra; sem registro, esse direito não pode ser invocado contra um terceiro de boa fé.
Art. 342 Quando a terra rural for contratada por meio de licitação, leilão ou negociação aberta, para a qual o título de propriedade seja obtido mediante registro nos termos da lei, o direito de manejo dessas terras poderá, nos termos da lei, ser transferido por meio de arrendamento mercantil, contribuição em ações, hipoteca ou outros meios.
Artigo 343. Quando for adotada a gestão contratual das terras do Estado utilizadas para fins agrícolas, as disposições pertinentes deste Livro serão aplicadas mutatis mutandis.
Capítulo XII Direito de Uso do Terreno para Fins de Construção
Artigo 344 Com relação aos terrenos de propriedade do Estado zoneados para fins de construção, uma pessoa com o direito de usar um lote de tal terreno tem o direito de possuir, usar e se beneficiar do lote, e de usá-lo para construir edifícios, estruturas, e instalações auxiliares.
Artigo 345 O direito de usar um lote de terreno para fins de construção pode ser constituído separadamente na superfície, acima ou abaixo do lote.
Art. 346. O direito de uso de um lote para fins de construção deve ser criado em conformidade com os requisitos de conservação dos recursos e proteção do meio ambiente ecológico, e em conformidade com as disposições das leis e regulamentos administrativos sobre o uso planejado do lote. , e não pode prejudicar os direitos de usufruto já criados nela.
Art. 347. O direito de uso de um lote para fins de construção pode ser constituído por transferência ou outorga gratuita.
A licitação, leilão ou outro meio de licitação pública deve ser adotado na transferência de um lote de terreno usado para fins comerciais, como para fins industriais, comerciais, turísticos, recreativos e residenciais comerciais, ou quando houver dois ou mais usuários pretendidos competir pelo direito de uso do mesmo lote de terra.
A criação do direito de uso de um lote de terreno para fins de construção a título de outorga gratuita é estritamente restringida.
Artigo 348 Quando o direito de uso de um lote de terreno para fins de construção for criado por meio de licitação, leilão, acordo ou outro meio de transferência, as partes devem celebrar um contrato por escrito para a transferência do direito de uso do terreno para fins de construção.
Um contrato de transferência do direito de uso de um lote de terreno para fins de construção geralmente contém as seguintes cláusulas:
(1) o nome e endereço de cada parte;
(2) os metros e limites e a área do lote de terra;
(3) o espaço ocupado pelos edifícios, estruturas e instalações auxiliares dos mesmos;
(4) o uso planejado e as condições de zoneamento do lote;
(5) o prazo do direito de uso do lote para fins de construção;
(6) a taxa de transferência e outras taxas, e o modo de pagamento das mesmas; e
(7) os meios de resolução de litígios.
Artigo 349.º Para constituir o direito de uso de um lote de terreno para construção, deve ser apresentado o pedido de registo do direito junto da autoridade de registo. O direito de usar um lote de terreno para fins de construção é criado no momento do registro. A autoridade de registro deve emitir um certificado de título para a pessoa com direito ao direito.
ARTIGO 350 Quem tiver direito de usar um lote para construção deve fazer uso razoável do lote e não pode alterar o uso planejado. Quando for necessário alterar a utilização prevista do lote, deverá ser obtida a aprovação do serviço administrativo competente nos termos da legislação.
Artigo 351.º Quem tiver direito ao uso de um lote para construção deve pagar a taxa de transferência e outras taxas nos termos da lei e do contrato.
Artigo 352.º A propriedade dos edifícios, estruturas e meios auxiliares dos mesmos construídos por pessoa com direito de aproveitamento do terreno para construção pertence a essa pessoa, salvo prova em contrário.
Artigo 353.º Salvo disposição em contrário da lei, as pessoas com direito de utilização de um lote para construção têm o direito de ceder, permutar, oferecer como contribuição de capital, dar como presente ou hipotecar os seus direitos.
Artigo 354.º Em caso de transferência, permuta, oferta de entrada de capital, doação ou hipoteca do direito de utilização de um lote de terreno para construção, as partes celebram o contrato por escrito. O prazo de utilização será acordado entre as partes, desde que não ultrapasse o prazo remanescente do direito de uso do terreno para construção.
Artigo 355. Quando um direito de uso de um lote de terreno para fins de construção é transferido, permutado, oferecido como entrada de capital ou oferecido como um presente, um pedido de registro da modificação deve ser apresentado junto à autoridade de registro.
Artigo 356. Quando um direito de uso de um lote de terreno para fins de construção é transferido, trocado, oferecido como contribuição de capital, ou dado como um presente, os edifícios, estruturas e instalações auxiliares dos mesmos anexados ao terreno devem ser alienados concomitantemente.
Artigo 357 Quando um edifício ou estrutura e suas instalações auxiliares são transferidas, trocadas, oferecidas como contribuição de capital, ou dadas como um presente, o direito de usar o lote de terreno para fins de construção no lote de terreno ocupado pelo edifício, estrutura e suas instalações auxiliares devem ser eliminadas concomitantemente.
Artigo 358.º Quando um direito de utilização de um lote de terreno para fins de construção tiver de ser retomado antes do termo do seu prazo para fins de interesse público, deve ser paga uma indemnização pelas casas e outros bens imóveis existentes no terreno, de acordo com as disposições do artigo 243 deste Código, e a parte da taxa de transferência não utilizada será reembolsada.
Artigo 359.º O direito de uso de terreno para construção de edifícios de habitação é renovado automaticamente no termo do prazo. O pagamento, redução ou isenção das taxas de renovação serão tratadas de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos.
A renovação do direito de uso de lote de terreno para construção de edifícios outros que não residenciais, findo o prazo, será tratada de acordo com o disposto na legislação. A propriedade dos edifícios e outros bens imóveis desse lote de terreno será determinada em conformidade com o contrato, ou, quando não houver contrato ou o contrato não for claro, de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos.
Artigo 360.º Extinto o direito de utilização de um lote de terreno para construção, o cedente do direito deve proceder ao cancelamento do registo em tempo útil. A autoridade de registro deve retirar o certificado de título do mesmo.
Artigo 361.º A utilização de um lote de terrenos de propriedade colectiva para fins de construção deve ser tratada de acordo com o disposto nas leis de administração de terras.
Capítulo XIII Direito de usar um terreno doméstico
Artigo 362.º Quem tem direito de exploração de terreno tem o direito de possuir e utilizar o lote de terreno da colectividade, bem como de o utilizar para construção de habitação e instalações auxiliares nos termos da lei.
Artigo 363.º A aquisição, o exercício e a transmissão do direito de uso de um terreno habitacional regem-se pelas leis de ordenamento do território e pelos respectivos regulamentos do Estado.
Artigo 364.º Quando um sítio residencial é destruído devido a calamidades naturais ou por outros motivos, extingue-se o direito de utilização do sítio. Um novo local de casa deve ser alocado de acordo com a lei para os moradores que perderam seu local de casa.
Artigo 365.º Em caso de transferência ou extinção de um direito registado de utilização de um terreno de habitação, o registo da alteração ou cancelamento do direito deve ser efectuado atempadamente.
Capítulo XIV Direito de Habitação
Artigo 366.º O titular do direito de habitação tem o direito de usufruir da posse e utilização da habitação de outrem, conforme o contrato, para fazer face às suas necessidades de habitação.
Artigo 367. Para a constituição do direito de habitação, as partes celebrarão por escrito esse direito.
Um contrato de direito de habitação geralmente contém as seguintes cláusulas:
(1) o nome e endereço de cada parte;
(2) a localização da moradia;
(3) as condições e requisitos para a habitação;
(4) a duração do direito de habitação; e
(5) os meios de resolução de litígios.
Artigo 368.º O direito de habitação é criado gratuitamente, salvo acordo em contrário das partes. Para criar um direito de habitação, um pedido de registro do direito deve ser apresentado junto à autoridade de registro. O direito de habitação é criado no ato do registro.
Artigo 369.º O direito de habitação não pode ser transferido nem herdado. A habitação onde for criado o direito de habitação não pode ser arrendada, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 370.º O direito de habitação extingue-se se o prazo do direito expirar ou se falecer o titular do direito. Quando o direito de habitação for extinto, o cancelamento do registro do direito deverá ser feito em tempo hábil.
Artigo 371.º Quando o direito de habitação é criado por testamento, aplicam-se mutatis mutandis as disposições pertinentes deste Capítulo.
Capítulo XV Servidões
Artigo 372.º Quem tem direito à servidão tem o direito de utilizar bens imóveis de outrem, tal como convencionados em contrato, de forma a aumentar a eficácia dos seus próprios bens imóveis.
Os bens imóveis de outrem a que se refere o número anterior são as terras serventes, e os bens imóveis de quem tem direito à servidão são as terras dominantes.
Artigo 373.º Para a constituição da servidão, as partes celebram o contrato de servidão por escrito.
Um contrato de servidão geralmente contém as seguintes cláusulas:
(1) o nome e endereço de cada parte;
(2) a localização da terra serviente e da terra dominante;
(3) os propósitos e métodos de utilização da terra serviente;
(4) a duração da servidão;
(5) as taxas e o modo de pagamento; e
(6) os meios de resolução de litígios.
Artigo 374.º A servidão é constituída no momento da entrada em vigor do contrato de servidão. Sempre que as partes solicitem o registo, podem ser apresentados à autoridade de registo os pedidos de registo da servidão; sem registro, tal servidão não pode ser oposta a um terceiro de boa fé.
Artigo 375.º O titular de direito sobre bem imóvel servido de terra serviente permite ao titular da servidão utilizar o bem imóvel na forma do contrato e não pode interferir no exercício do direito de servidão por parte dessa pessoa.
Artigo 376.º O titular da servidão deve utilizar a terra serviente de acordo com os fins e métodos de utilização acordados no contrato, e minimizar as restrições aos direitos reais do titular da terra serviente.
Artigo 377. A duração da servidão deve ser acordada entre as partes, desde que não possa ultrapassar o prazo remanescente do direito de usufruto, tal como o direito de gestão contratual de terrenos ou o direito de usar um lote de terreno para construção finalidades.
Artigo 378.º Quando o proprietário de um lote de terreno tem direito ou está onerado por servidão, quando é criado sobre o lote um direito de usufruto, tal como o direito de gestão contratual de uma terra ou o direito de uso de uma casa de habitação. , o usufrutuário continuará a ter direito ou a ficar onerado com a servidão já constituída.
Artigo 379 Quando um direito de usufruto, como o direito de gestão contratual de terrenos, o direito de usar um lote de terreno para fins de construção e um direito de uso de um terreno de casa, já foi criado em um lote de terreno, o o proprietário do lote não pode constituir servidão no lote sem o consentimento do usufrutuário.
Artigo 380 A servidão não pode ser transferida separadamente. Em caso de transferência do direito à gestão contratual do terreno, do direito de utilização de um lote para construção e direitos semelhantes, a servidão será transferida concomitantemente, salvo disposição em contrário do contrato.
Artigo 381.º A servidão não pode ser hipotecada separadamente. Quando estiverem hipotecados o direito à gestão contratual do terreno, o direito de uso de um lote para construção e direitos semelhantes, a servidão será transferida concomitantemente com a execução da hipoteca.
Artigo 382.º Quando se trate de direito de servidão quando a terra dominante e o direito de gestão contratual de terras, o direito de usar um lote de terreno para fins de construção e os direitos semelhantes sobre eles sejam transferidos parcialmente, o cessionário tem simultaneamente o direito ao servidão.
Artigo 383. Quando se trate de direito de servidão quando a terra servidora e o direito de gestão contratual da terra, o direito de usar um lote de terreno para fins de construção e os direitos semelhantes sobre eles sejam parcialmente transferidos, a servidão é juridicamente vinculativa para o cessionário.
Artigo 384.º Quando o titular da servidão se encontra em qualquer das seguintes circunstâncias, aquele que tem direito à servidão tem o direito de rescindir o contrato de servidão para extinguir a servidão:
(1) abusar do direito de servidão em violação das disposições das leis ou do contrato; ou
(2) em caso de uso remunerado do terreno serviente, deixar de pagar as taxas pertinentes, apesar do recebimento de dois avisos de advertência dentro de um período de tempo razoável após o pagamento ser devido de acordo com o contrato.
Art. 385. No caso de alteração, transferência ou extinção de servidão inscrita, proceder-se-á atempadamente ao registo da modificação ou cancelamento.
Parte Quatro Interesses de segurança
Capítulo XVI Regras Gerais
Artigo 386 Quando um devedor deixar de cumprir suas obrigações devidas, ou ocorrer qualquer evento sobre o qual uma garantia deva ser executada conforme acordado entre as partes, a pessoa com direito à garantia tem prioridade a ser paga com a garantia de acordo com lei, salvo disposição em contrário da lei.
Artigo 387.º Quando o credor necessitar de garantir os seus créditos numa actividade civil, como empréstimo, compra e venda, etc., pode constituir uma garantia mobiliária de acordo com as disposições deste Código e outras leis.
Se uma terceira pessoa constituir uma caução ao credor em nome do devedor, pode ser solicitada ao devedor que constitua uma contra-caução. A contra-segurança será regida pelas disposições deste Código e outras leis.
Artigo 388.º Para constituir uma garantia mobiliária, deve ser celebrado um contrato de garantia de acordo com as disposições deste Código e demais leis. Os contratos de garantia incluem contratos de hipoteca, contratos de penhor e outros contratos com a função de garantia. Um contrato de garantia é um contrato secundário ao contrato principal com as reivindicações e obrigações principais. Quando o contrato principal é nulo, o contrato de garantia também é nulo, salvo disposição em contrário da lei.
Quando um contrato de garantia for considerado nulo, se o devedor, o provedor da garantia e o credor forem culpados, cada um deles será responsável civilmente na proporção da sua culpa.
Artigo 389 Salvo acordo em contrário das partes, o âmbito coberto por uma garantia real inclui o crédito principal e os seus interesses com base no contrato principal, indemnizações, indemnizações compensatórias e as despesas decorrentes da guarda da garantia e execução dos direitos de garantia.
Artigo 390 Quando uma garantia é destruída, danificada, perdida ou expropriada durante o período da garantia, o titular da garantia tem prioridade no pagamento do seguro, indenização ou indenização recebida sobre a garantia. Quando a garantia é destruída, danificada ou perdida ou expropriada antes da data de vencimento da execução da reivindicação garantida, o pagamento do seguro, a compensação ou a indenização também podem ser colocados em custódia.
Artigo 391.º Quando um terceiro fornece uma garantia e o credor permite que o devedor transfira a totalidade ou parte das obrigações garantidas sem o consentimento escrito do terceiro, o fornecedor da garantia deixa de ser responsável pela garantia de parte das obrigações assim transferidas.
Artigo 392 Quando um crédito for garantido por fiança e fiança, e o devedor não cumprir suas obrigações devidas ou qualquer evento sobre o qual uma garantia deva ser executada conforme acordado pelas partes ocorrer, o credor deverá executar o crédito em conformidade com o acordo. Quando não houver acordo ou o acordo não for claro, se a garantia for fornecida pelo devedor, o credor deve primeiro executar o crédito contra a garantia e, se a garantia for fornecida por uma terceira pessoa, o credor pode optar por executar o crédito contra a garantia ou solicitar fiança para assumir a responsabilidade. Depois de o terceiro que presta a caução ter assumido essa responsabilidade, tem direito à indemnização do devedor.
Artigo 393. Uma garantia real extingue-se em qualquer uma das seguintes circunstâncias:
(1) o crédito ao abrigo do contrato principal extingue-se;
(2) a garantia real é executada;
(3) o credor renuncia aos seus direitos de garantia; ou
(4) existe qualquer outra circunstância em que a garantia real seja extinta na forma da lei.
Capítulo XVII Hipoteca
Seção 1 Hipoteca Geral
Artigo 394.º Quando o devedor ou terceiro, para garantir o cumprimento de uma obrigação, hipoteca os seus bens ao credor sem renunciar à posse dos bens, o credor tem prioridade no pagamento da garantia se o devedor não cumprir sua obrigação devida ou um evento em cuja ocorrência os direitos de garantia sobre a garantia devam ser executados conforme acordado pelas partes ocorre.
O devedor ou a terceira pessoa especificada no número anterior é o hipotecário, o credor é o credor hipotecário e a garantia hipotecada para garantir o crédito é o bem hipotecado.
Artigo 395 Podem ser hipotecados os seguintes bens, dos quais o devedor ou terceiro tem o direito de alienar:
(1) edifícios e outras coisas anexas ao terreno;
(2) o direito de usar um lote de terreno para fins de construção;
(3) o direito de uso das áreas marítimas;
(4) equipamentos de produção, matérias-primas, produtos em processo e produtos acabados;
(5) edifícios, embarcações e aeronaves em construção;
(6) veículos de transporte; e
(7) outros bens não proibidos por leis ou regulamentos administrativos de serem hipotecados.
O hipotecário pode hipotecar a propriedade listada no parágrafo anterior simultaneamente.
Artigo 396 Uma empresa, uma família industrial e comercial dirigida por um indivíduo ou um operador de produção agrícola pode hipotecar o seu equipamento de produção, matérias-primas, produtos em elaboração e produtos acabados que atualmente possuem ou adquiriram posteriormente, e se o devedor deixar de cumprir suas obrigações vencidas ou qualquer evento sobre o qual uma garantia real sobre o imóvel hipotecado deva ser executada conforme acordado pelas partes ocorrer, o credor tem prioridade no pagamento do bem móvel determinado no momento em que o imóvel hipotecado for apurado.
Artigo 397.º Em caso de hipoteca de edifício, a hipoteca concomitante do direito de utilização do lote da zona ocupada pelo edifício é hipotecada concomitantemente. Quando o direito de uso de um lote de terreno para fins de construção estiver hipotecado, qualquer edifício no lote de terreno deve ser hipotecado concomitantemente.
Quando o hipotecário não hipoteca concomitantemente o imóvel conforme previsto no parágrafo anterior, o imóvel não hipotecado em questão será considerado como estando concomitantemente hipotecado.
Artigo 398.º O direito de utilização de um lote de terreno para a construção de uma empresa municipal ou de aldeia não pode ser hipotecado separadamente. Em caso de hipoteca de instalações fabris ou de qualquer outro edifício de um município ou empreendimento de aldeia, o direito de uso do lote de terreno na área ocupada pelo edifício para fins de construção deve ser hipotecado concomitantemente.
Artigo 399 Os seguintes bens não podem ser hipotecados:
(1) propriedade da terra;
(2) o direito de usar a terra de propriedade de um coletivo, como terrenos, terrenos e colinas retidos para uso doméstico, a menos que possa ser hipotecado conforme previsto por lei;
(3) instalações educacionais, instalações médicas e de saúde e outras instalações de bem-estar público de pessoas jurídicas sem fins lucrativos estabelecidas para fins de bem-estar público, como escolas, jardins de infância e instituições médicas;
(4) propriedade cuja propriedade ou direito de uso não seja clara ou seja contestada;
(5) bens que foram apreendidos, detidos ou colocados sob custódia de acordo com a lei; e
(6) outros bens que não podem ser hipotecados conforme previsto nas leis ou regulamentos administrativos.
Artigo 400. Para constituir uma hipoteca, as partes devem celebrar um contrato de hipoteca por escrito.
Um contrato de hipoteca geralmente contém os seguintes termos:
(1) o tipo e o valor da reivindicação garantida;
(2) o prazo durante o qual o devedor deverá cumprir as obrigações;
(3) dados como o nome e a quantidade da propriedade hipotecada; e
(4) o âmbito dos direitos de garantia cobertos.
Artigo 401.º Quando, antes da data de vencimento do cumprimento de uma obrigação, o credor hipotecário chegue a um acordo com o hipotecador segundo o qual o bem hipotecado pertence ao credor no caso de o devedor não cumprir a obrigação devida, o credor hipotecário, independentemente, só pode ter prioridade a ser pago do imóvel hipotecado de acordo com a lei.
Artigo 402 Para criar uma hipoteca sobre o imóvel conforme especificado nos parágrafos (1) a (3) do primeiro parágrafo do artigo 395, ou sobre o edifício em construção conforme especificado no inciso (5) do primeiro parágrafo deste Código, registro deve ser feito para a hipoteca. A hipoteca será constituída no ato do registro.
Artigo 403. A hipoteca sobre bens móveis será constituída no momento da entrada em vigor do contrato de hipoteca; sem registro, essa hipoteca não pode ser oposta a um terceiro de boa fé.
Artigo 404. A hipoteca de bens móveis não pode ser oposta a um comprador que pagou um preço de compra razoável e adquiriu os bens hipotecados no curso normal dos negócios.
Artigo 405.º Quando um bem hipotecado tenha sido arrendado e possuído por outra pessoa antes da constituição da hipoteca, a relação de locação não é afectada pela hipoteca.
Artigo 406. O hipotecário pode transferir os bens hipotecados a outra pessoa durante o prazo da hipoteca, salvo acordo em contrário das partes. A transmissão do imóvel hipotecado não afetará a hipoteca.
O hipotecário que transfere a propriedade hipotecada para outra pessoa deve notificar o credor hipotecário em tempo hábil. O credor hipotecário pode solicitar ao hipotecário que aplique o produto da transferência para saldar a obrigação antes do vencimento, ou colocar esse produto em depósito, onde ele pode estabelecer que a transferência da propriedade hipotecada pode prejudicar seu direito à hipoteca. A parte do produto obtido com a transferência que exceder o valor da obrigação devida pertencerá ao credor hipotecário, enquanto qualquer deficiência deverá ser sanada pelo devedor.
Artigo 407. A hipoteca não pode ser cedida separadamente do crédito subjacente, nem utilizada como garantia de outro crédito. Em caso de transferência de um crédito, a hipoteca que o garante será transferida concomitantemente com a mesma, salvo disposição em contrário da lei ou acordado entre as partes.
Artigo 408.º Quando o acto do hipotecário bastar para reduzir o valor do bem hipotecado, o credor hipotecário tem o direito de pedir ao hipotecário que se abstenha de tal acto. Quando o valor da propriedade hipotecada é reduzido, o credor hipotecário tem o direito de solicitar ao hipotecário a restauração do seu valor ou a prestação de uma garantia adicional na extensão do valor reduzido. Quando o credor hipotecário não restaura o valor original da propriedade hipotecada, nem fornece garantia adicional para o mesmo, o credor hipotecário tem o direito de solicitar ao devedor o pagamento da dívida antes do vencimento.
Artigo 409.º O credor hipotecário pode renunciar ao direito à hipoteca, ou renunciar à ordem de prioridade na linha dos credores. O credor hipotecário e o credor hipotecário podem chegar a um acordo para alterar coisas como a ordem de prioridade do credor hipotecário na linha dos credores e o valor do crédito garantido, desde que qualquer alteração na hipoteca não possa afetar adversamente os outros credores sem o seu consentimento por escrito .
Quando um devedor cria uma hipoteca sobre sua própria propriedade, e o credor hipotecário renuncia ao seu direito à hipoteca e à sua ordem de prioridade na linha de hipotecados, ou altera a hipoteca, os outros fornecedores de garantia serão isentos da responsabilidade de garantia na medida de os direitos e interesses do credor hipotecário perdidos em virtude da renúncia à sua prioridade de pagamento com o imóvel hipotecado, a menos que os demais fornecedores de títulos se comprometam a continuar a prestar fiança.
Artigo 410 Quando o devedor deixar de cumprir a sua obrigação devida ou ocorrer um evento sobre o qual a hipoteca deva ser executada conforme acordado pelas partes, o credor hipotecário pode, mediante acordo com o hipotecário, ter o direito de prioridade para avaliar e aceitar a hipoteca propriedade, ou aplicar o produto obtido em leilão ou venda da propriedade hipotecada para satisfazer a sua reclamação contra o hipotecário. Nos casos em que o contrato prejudique os interesses de outros credores, estes podem requerer ao tribunal popular a rescisão do contrato.
Quando o credor hipotecário e o hipotecário não chegam a um acordo sobre os métodos de execução da hipoteca, o credor hipotecário pode solicitar ao tribunal popular que a propriedade hipotecada seja vendida em leilão ou venda.
A avaliação ou alienação do imóvel hipotecado será feita com base no valor de mercado do mesmo.
Artigo 411 Quando a hipoteca for constituída de acordo com o disposto no Artigo 396 deste Código, os bens hipotecados serão apurados no momento em que ocorrer uma das seguintes circunstâncias:
(1) a reclamação não é satisfeita ao expirar o prazo de cumprimento da obrigação;
(2) o hipotecário for declarado falido ou dissolvido;
(3) ocorre um evento no qual a hipoteca deve ser executada conforme acordado pelas partes; ou
(4) qualquer outra circunstância que afete seriamente a execução da reclamação.
Artigo 412.º Em caso de incumprimento do devedor das obrigações devidas ou de ocorrência de um acontecimento a partir do qual a hipoteca deva ser executada conforme acordado entre as partes, resultando na apreensão do bem hipotecado pelo tribunal popular nos termos da lei, o credor hipotecário tem o direito de cobrar os frutos naturais ou proventos judiciais auferidos do imóvel hipotecado na data da penhora, a menos que o credor hipotecário não notifique a pessoa obrigada a saldar o produto judicial.
Os frutos ou produtos especificados no parágrafo anterior serão aplicados em primeiro lugar para compensar as despesas de sua cobrança.
Artigo 413.º ​​Quando o valor de avaliação de um bem hipotecado ou o produto obtido em leilão ou venda for superior ao valor da obrigação devida, a parte excessiva pertencerá ao hipotecário, enquanto qualquer deficiência deverá ser satisfeita pelo devedor.
Artigo 414.º Quando um imóvel é hipotecado a dois ou mais credores, o produto do leilão ou da venda do imóvel hipotecado deve ser aplicado de acordo com as seguintes disposições:
(1) caso as hipotecas tenham sido todas registradas, a ordem de pagamento é baseada na prioridade no momento do registro;
(2) uma hipoteca registrada tem prioridade sobre uma hipoteca não registrada a ser paga; e
(3) quando nenhuma das hipotecas estiver registrada, o pagamento será feito em uma base pro rata dos créditos.
O disposto no número anterior aplica-se com as necessárias adaptações à ordem prioritária de pagamento das demais garantias inscritas.
Artigo 415.º No caso de constituição de hipoteca e penhor sobre o mesmo imóvel, a ordem prioritária de pagamento com o produto do leilão ou da venda do imóvel baseia-se na prioridade no momento da inscrição e entrega do imóvel.
Artigo 416 Quando o crédito principal garantido por hipoteca de bens móveis for o preço de compra do bem hipotecado e o registro da hipoteca for feito no prazo de 10 dias após a entrega do imóvel, o credor hipotecário tem prioridade a ser pago sobre as outras pessoas , que não seja um titular de garantia, que tenha direitos de garantia em relação ao comprador da propriedade hipotecada.
Artigo 417.º Quando o direito de utilização de um lote de terreno para fins de construção for hipotecado, quaisquer edifícios recentemente acrescentados ao lote de terreno não fazem parte da propriedade hipotecada. Mediante a execução da hipoteca sobre o direito de usar o lote de terreno para fins de construção, os edifícios recém-adicionados em tais terrenos devem ser alienados concomitantemente com o direito de usar tais terrenos para fins de construção, desde que o credor hipotecário não tenha prioridade de ser pagos com os rendimentos obtidos com a disposição dos edifícios recém-adicionados.
Artigo 418.º Quando o direito de uso de um lote de terra propriedade de uma colectividade for hipotecado nos termos da lei, a natureza da propriedade e a finalidade do uso do terreno não podem ser alteradas sem passar pelos procedimentos legais após a execução da hipoteca.
Artigo 419.º O credor hipotecário exerce o seu direito à hipoteca dentro do prazo de prescrição para reclamar a obrigação principal; caso contrário, nenhuma proteção pode ser fornecida pelo tribunal popular.
Seção 2 Hipoteca máxima para reivindicações flutuantes
Artigo 420 Quando um devedor ou uma terceira pessoa fornecer uma garantia para reivindicações futuras que surgirão consecutivamente dentro de um determinado período de tempo para garantir o cumprimento das obrigações, se o devedor deixar de cumprir uma obrigação devida ou um evento em que tal hipoteca seja a ser executada na forma acordada entre as partes ocorrer, o credor hipotecário tem prioridade no pagamento do imóvel hipotecado até o valor máximo do seu crédito.
Um crédito existente antes da constituição da hipoteca máxima para créditos flutuantes pode, mediante consentimento das partes, ser incluído nos créditos garantidos por tal hipoteca.
Artigo 421.º Antes de apurados os créditos garantidos pela hipoteca máxima de créditos flutuantes, em caso de cessão de parte dos créditos, a hipoteca não pode ser cedida, salvo acordo em contrário das partes.
Artigo 422.º Antes de serem apurados os créditos garantidos por hipoteca máxima de créditos flutuantes, o credor hipotecário e o credor hipotecário podem alterar de comum acordo o prazo de apuração dos créditos, o âmbito dos créditos e o montante máximo dos créditos, desde que tais mudanças não possam afetar adversamente outros credores hipotecários.
Artigo 423 As reivindicações do credor hipotecário são verificadas em uma das seguintes circunstâncias:
(1) quando o período de tempo acordado para as reivindicações a serem apuradas expirar;
(2) quando não houver acordo sobre o período de tempo para os créditos a serem apurados ou o acordo não for claro, e o credor hipotecário ou o credor hipotecário solicitar a apuração dos créditos após o decurso de dois anos a partir da data de criação do a hipoteca;
(3) onde for impossível o surgimento de uma nova reclamação;
(4) quando o credor hipotecário sabe ou deveria saber que a propriedade hipotecada foi apreendida ou detida;
(5) quando o devedor ou o credor hipotecário for declarado falido ou dissolvido; ou
(6) qualquer outra circunstância sob a qual as reivindicações devam ser apuradas conforme previsto em lei.
Art. 424. Além do disposto nesta Seção, as disposições pertinentes da Seção 1 deste Capítulo aplicam-se à hipoteca máxima de créditos pós-fixados.
Capítulo XVIII Juramento
Seção 1 Penhor em bens móveis
Artigo 425 Quando um devedor ou terceiro penhorar seus bens móveis ao credor pela posse, a fim de garantir o cumprimento de uma obrigação, se o devedor não cumprir a obrigação devida ou se o devedor deixar de cumprir a obrigação devida ou se ocorrer o penhor executada na forma acordada entre as partes ocorrer, o credor tem prioridade no recebimento dos bens móveis.
O devedor ou terceiro, conforme especificado no parágrafo anterior, é o credor pignoratício, o credor é o credor pignoratício e os bens móveis entregues são os bens penhorados.
Artigo 426. Os bens móveis não podem ser penhorados quando a sua transmissão for proibida por lei ou regulamento administrativo.
Artigo 427. Para constituir o penhor, as partes celebram o contrato de penhor por escrito.
Um contrato de penhor geralmente contém as seguintes cláusulas:
(1) o tipo e o valor da reivindicação garantida;
(2) o prazo para o devedor cumprir a obrigação;
(3) dados como o nome e a quantidade da propriedade penhorada;
(4) o âmbito da garantia coberta; e
(5) o prazo e a forma de entrega da propriedade penhorada.
Artigo 428 Quando, antes da data de vencimento do cumprimento de uma obrigação, o credor pignoratício chega a um acordo com o credor pignoratício segundo o qual a propriedade penhorada pertence ao credor, no caso de o devedor deixar de cumprir a obrigação devida, o credor pignoratício, independentemente, só pode ter prioridade a ser pago com o imóvel penhorado nos termos da lei.
Artigo 429.º O penhor é constituído no momento da entrega do bem penhorado pelo credor pignoratício.
Artigo 430. O credor pignoratício tem o direito de recolher os frutos e receitas provenientes da propriedade penhorada, salvo acordo em contrário no contrato.
Os frutos e receitas conforme especificado no parágrafo anterior serão aplicados em primeiro lugar para compensar as despesas de cobrança dos mesmos.
Artigo 431.º O credor credor que, durante a vigência do penhor, utilizar ou alienar os bens penhorados sem o consentimento do credor pignoratício, causando assim dano a este, é responsável pela indemnização.
Artigo 432.º O credor pignoratício tem a obrigação de conservar bem os bens penhorados e é responsável pela indemnização quando os bens penhorados sejam destruídos, danificados ou perdidos em razão da sua guarda indevida.
Quando o ato do credor prometido for susceptível de causar a destruição, dano ou perda da propriedade penhorada, o credor pignoratício pode solicitar que o credor penhorado coloque a propriedade penhorada em custódia ou solicitar que o credor penhorado cumpra a obrigação antes do vencimento e devolva o penhor propriedade.
Artigo 433.º Quando, devido a uma causa pela qual o credor credor não é responsável, a propriedade penhorada é susceptível de ser danificada ou significativamente diminuída em valor que seja suficiente para comprometer os direitos do credor credor, o credor credor tem o direito de solicitar ao credor pignoratício que forneça uma garantia adicional; quando o credor pignoratício não o fizer, o credor pignoratício pode ter a propriedade penhorada vendida em leilão ou venda e pode, por acordo com o credor pignoratício, aplicar o produto obtido no leilão ou venda para cumprir a obrigação antes do vencimento ou lugar tais rendimentos em custódia.
Artigo 434.º O credor pignoratício é responsável pela indemnização quando, durante o período de vigência do penhor, sobrescrever a propriedade penhorada sem o consentimento do credor pignoratício a um terceiro e, assim, causar destruição, dano ou perda do bem penhorado.
Artigo 435. O credor pignoratício pode renunciar ao direito de penhora. Quando um devedor cria um penhor sobre sua própria propriedade e o credor pignoratício renuncia ao seu direito ao penhor, os outros provedores de garantia serão isentos da responsabilidade de garantia na medida dos direitos e interesses do credor pignoratício que são perdidos devido à renúncia de sua prioridade a ser paga com a garantia, a menos que os outros provedores de segurança se comprometam a ainda fornecer a garantia.
Artigo 436.º O credor deve devolver os bens penhorados depois de o devedor ter cumprido a sua obrigação ou o devedor ter pago o crédito garantido antes do seu vencimento.
Se um devedor deixar de cumprir uma obrigação devida ou ocorrer um evento após a ocorrência do qual o penhor deva ser executado conforme acordado pelas partes, o credor pignoratício pode, por acordo com o credor pignoratício, avaliar e aceitar a propriedade penhorada como satisfação de sua reclamação, ou terão prioridade no pagamento com o produto do leilão ou venda do imóvel penhorado.
A avaliação ou alienação do imóvel garantido será feita com base no valor de mercado.
Art. 437. O credor pignoratício pode solicitar ao credor pignoratício a execução do penhor em tempo hábil após o decurso do prazo para cumprimento da obrigação; caso o credor pignoratício não o faça, o credor pignoratício pode solicitar ao tribunal popular a venda do imóvel penhorado em leilão ou venda.
Quando um credor pignoratício solicita ao credor pignoratício que cumpra o penhor em tempo hábil, e seja causado dano ao credor pignoratício devido à indolência do credor pignoratício ao fazê-lo, o credor pignoratício será responsável por uma indenização.
Artigo 438. Depois de um bem penhorado ser avaliado e aceite pelo credor pignoratício como satisfação total ou parcial do seu crédito, ou ser vendido em hasta pública ou em venda, quando o valor do bem penhorado seja avaliado ou o produto obtido em hasta pública ou venda for além do valor da obrigação devida, a parcela excessiva caberá ao credor pignoratício, enquanto a eventual deficiência deverá ser sanada pelo devedor.
Artigo 439. O credor pignoratício e o credor pignoratício podem constituir penhor máximo para créditos flutuantes mediante acordo.
Além das disposições pertinentes desta Seção, as disposições pertinentes da Seção 2 do Capítulo 17 deste Livro serão aplicadas mutatis mutandis ao penhor máximo para créditos flutuantes.
Seção 2 Garantia de um direito
Artigo 440 Podem ser penhorados os seguintes direitos, dos quais um devedor ou terceiro tem o direito de alienar:
(1) letras de câmbio, notas promissórias e cheques;
(2) títulos e certificados de depósitos;
(3) recibos de armazém e conhecimentos de embarque;
(4) cotas de fundos transferíveis e patrimônio líquido;
(5) direitos de propriedade transferíveis consistem em propriedade intelectual, como o direito de uso exclusivo de marcas registradas, direitos de patente e direitos autorais;
(6) contas a receber existentes e pós-adquiridas; e
(7) outros direitos de propriedade que podem ser prometidos de acordo com as disposições das leis e regulamentos administrativos.
Artigo 441 Salvo disposição em contrário da lei, o penhor de uma letra de câmbio, nota promissória, cheque, caução, certificado de depósito, recibo de armazém ou conhecimento de embarque é constituído no momento em que o certificado de tal direito é entregue ao penhorista ou, na falta dessa certidão, no momento do registro do penhor.
Artigo 442 Quando a data de vencimento para o pagamento ou a entrega de bens contra uma letra de câmbio penhorada, nota promissória, cheque, caução, certificado de depósito, recibo de depósito ou conhecimento de embarque preceder a data de vencimento do crédito principal, o credor pignoratício pode descontar o certificado ou receber a entrega das mercadorias e, mediante acordo com o devedor pignoratício, aplicar o preço de compra ou as mercadorias aceitas para cumprir a obrigação antes do vencimento ou colocá-la em depósito.
Art. 443. O penhor sobre cotas de fundos ou patrimônio é constituído no ato do registro do penhor.
As cotas ou participações do fundo, depois de penhoradas, não podem ser transferidas, a menos que acordado de outra forma pelo credor pignoratício e pelo credor pignoratício por meio de consulta. Os recursos obtidos pelo credor pignoratício com a transferência das cotas do fundo penhorado ou patrimônio líquido serão aplicados para pagar ao credor pignoratício o cumprimento da obrigação antes do vencimento ou ser colocada em custódia.
Artigo 444.º A garantia de um direito de propriedade sobre a propriedade intelectual, tal como o direito de uso exclusivo de uma marca registada, um direito de patente ou um direito de autor, é constituída no momento do registo.
Um direito de propriedade sobre propriedade intelectual, depois de prometido, não pode ser transferido ou licenciado pelo credor pignoratício a outra pessoa, salvo acordo em contrário entre o credor pignoratício e o credor pignoratício por meio de consulta. Os recursos obtidos pelo credor pignoratício com a transferência ou licenciamento do direito de propriedade sobre a propriedade intelectual prometida serão aplicados para pagar ao credor pignoratício o cumprimento da obrigação antes do vencimento ou ser colocada em custódia.
Artigo 445.º O penhor sobre uma conta a receber é constituído no acto do registo.
Uma conta a receber, após ser penhorada, não pode ser transferida, salvo acordo em contrário entre o credor pignoratício e o credor pignoratício por meio de consulta. Os recursos obtidos pelo credor pignoratício com a transferência da conta a receber serão aplicados para pagar ao credor pignoratício a quitação da obrigação antes do vencimento ou ser colocada em custódia.
Artigo 446. Além das disposições desta Seção, as disposições pertinentes da Seção 1 deste Capítulo serão aplicadas ao penhor de direitos.
Capítulo XIX Lien
Artigo 447.º Em caso de incumprimento do devedor pelas obrigações devidas, o credor pode conservar os bens móveis do devedor que já se encontrem na sua posse legal e que tenham prioridade no pagamento com os bens móveis.
O credor, conforme especificado no parágrafo anterior, é o titular da garantia, os bens móveis em sua posse para esse fim são os bens gravados.
Artigo 448.º Os bens móveis retidos sob garantia do credor têm a mesma relação jurídica que o crédito subjacente, salvo se o credor e o devedor forem ambos empresas.
Art. 449. Não podem ser conservados os bens móveis que não possam ser objeto de penhor nos termos da lei ou convencionado entre as partes.
Artigo 450.º Quando o bem retido sob garantia for divisível, o valor do bem retido é equivalente ao montante da obrigação.
Artigo 451.º O titular da garantia é obrigado a conservar bem os bens retidos e é responsável pela indemnização quando os bens retidos sejam destruídos, danificados ou perdidos devido à guarda indevida.
Artigo 452.º O titular da garantia tem o direito de recolher os frutos e receitas provenientes dos bens retidos sob garantia.
Os frutos e receitas, conforme especificado no parágrafo anterior, serão aplicados em primeiro lugar para compensar as despesas de sua cobrança.
Artigo 453.º O titular da garantia e o devedor devem chegar a acordo quanto ao prazo de execução da obrigação depois de os bens terem sido retidos sob garantia; quando não houver acordo ou o acordo não for claro, o titular da garantia dará ao devedor um período de 60 ou mais dias como prazo de execução, a menos que os bens móveis retidos sejam frescos, vivos ou perecíveis de forma que seja difícil mantê-los por muito tempo. Em caso de inadimplência de um devedor após a expiração do prazo de execução, o titular da garantia pode, mediante acordo com o devedor, avaliar e aceitar a propriedade retida para satisfazer total ou parcialmente a obrigação, ou ser paga com prioridade com o produto obtido em leilão ou venda de a propriedade retida.
A avaliação ou alienação do bem retido deve ser feita com base no preço de mercado.
Artigo 454.º O devedor pode requerer ao titular da garantia a execução da garantia após a expiração do prazo de execução da obrigação; se o titular da garantia deixar de fazê-lo, o devedor poderá solicitar ao tribunal popular que o bem retido seja vendido em hasta pública ou venda.
Cláusula 455 Após a propriedade retida sob garantia ser avaliada e aceita pelo titular da garantia como satisfação total ou parcial de seu crédito, ou ser vendida em leilão ou venda, sendo o valor da propriedade retida ou o produto obtido em leilão ou venda Se os bens retidos excederem o valor da obrigação devida, a parte excessiva pertencerá ao devedor, enquanto qualquer deficiência deverá ser sanada pelo devedor.
Artigo 456.º No caso de constituição de penhor sobre bem móvel sobre o qual já tenha sido constituída hipoteca ou penhor, o titular tem prioridade no pagamento.
Artigo 457.º A garantia extingue-se quando o titular perde a posse dos bens retidos ou aceita outra forma de garantia prestada pelo devedor.
Parte Cinco Posse
Capítulo XX. Posse
Artigo 458.º Tratando-se da posse de bens imóveis ou móveis com base em relação contratual, são objecto de acordo contratual matérias como a utilização de bens imóveis ou móveis, as suas vantagens e a responsabilidade por mora; quando não houver acordo sobre isso no contrato ou o acordo não for claro, as disposições relevantes da lei devem ser aplicadas.
Artigo 459.º Quando os danos materiais ou móveis sejam causados ​​pelo seu possuidor em consequência da utilização dos mesmos, o possuidor por má-fé é responsável por uma indemnização.
Artigo 460.º Quando um bem imóvel ou móvel está na posse de outra pessoa, o titular de um direito sobre o mesmo pode solicitar ao possuidor a devolução da propriedade original e dos seus frutos e receitas, desde que as despesas necessárias incorridas pelo possuidor de boa fé para a manutenção dos bens imóveis ou móveis devem ser pagos.
Artigo 461.º Quando os bens imóveis ou móveis na posse de outra pessoa são destruídos, danificados ou perdidos, e uma pessoa titular de um direito sobre os bens solicita a indemnização, o possuidor deve devolver ao titular do direito o montante do pagamento do seguro, indemnização ou indemnização ele recebeu pela propriedade destruída, danificada ou perdida; se o titular do direito não tiver sido totalmente indenizado, o possuidor mala fide também deverá indenizar a perda.
Artigo 462.º Em caso de transgressão ou conversão de bens imóveis ou móveis, o seu possuidor tem o direito de requerer a restituição. Quando houver um incômodo contra a posse, o possuidor tem o direito de solicitar a remoção do incômodo ou a eliminação do perigo. Quando o dano é causado como resultado de invasão, conversão ou incômodo, o possuidor tem o direito de solicitar uma indenização compensatória de acordo com a lei.
O direito do possuidor de solicitar a restituição extingue-se se esse direito não tiver sido exercido no prazo de um ano a partir da data em que ocorre a transgressão ou conversão.

Esta tradução em inglês vem do site da NPC. Em um futuro próximo, uma versão em inglês mais precisa, traduzida por nós, estará disponível no Portal de Leis da China.