Observador de Justiça da China

中 司 观察

InglêsArabeChinês (simplificado)NeerlandêsFrancêsAlemãoHindiItalianoJaponêsCoreanaPortuguêsRussoEspanholSuecoHebraicoIndonésioVietnamitaTailandêsTurcoMalay

Como iniciar o reconhecimento e a execução de sentenças judiciais entre a China e o Japão?

 

Acreditamos que o Supremo Tribunal Popular da China (SPC) deseja fortemente romper o impasse entre a China e o Japão decorrente da recusa mútua em reconhecer e executar as sentenças de cada um, conforme evidenciado pelo fato de que os tribunais chineses reconheceram as sentenças dos EUA e os julgamentos coreanos um após o outro. Mas a outra questão é: como quebrar esse impasse?

1. Impasse entre China e Japão

Em 1995, Gomi Akira, uma cidadã japonesa (japonês: 五味 晃), solicitou ao Tribunal Popular Intermediário de Dalian ("Tribunal de Dalian") o reconhecimento e a execução da sentença monetária feita pela Seção Odawara do Tribunal Distrital de Yokohama no Japão (japonês : 横 浜 地方 裁判 所 小田原 支部) (doravante denominado “caso Gomi Akira”). O tribunal superior do tribunal de Dalian, o Supremo Tribunal Popular da Província de Liaoning, encaminhou este caso ao SPC para orientação adicional. O SPC respondeu que a China e o Japão ainda não concluíram ou aderiram a qualquer tratado relevante e não estabeleceram reciprocidade, e o pedido de reconhecimento e execução da decisão do tribunal japonês deve, portanto, ser negado. Consequentemente, de acordo com a resposta do SPC, o tribunal de Dalian julgou uma decisão indeferir o pedido de reconhecimento e execução da sentença japonesa.

Conforme indicado em nosso num post anterior, embora a resposta da SPC não seja juridicamente vinculativa, os tribunais locais chineses levarão o ponto de vista da SPC em consideração séria. No caso Gomi Akira, o SPC opinou que somente quando existam precedentes reais que demonstrem que o país estrangeiro tenha previamente reconhecido e executado as sentenças chinesas, a reciprocidade poderá ser considerada existente entre o referido país e a China. Como o Japão não tinha esse precedente antes, a reciprocidade entre a China e o Japão ainda não foi estabelecida. Com base nesse raciocínio, alguns dos tribunais locais chineses se recusaram a reconhecer e executar uma variedade de sentenças estrangeiras.

Além disso, o caso Gomi Akira também exerceu um impacto negativo direto sobre a atitude dos tribunais japoneses em relação ao pedido de reconhecimento e execução de sentenças chinesas. No caso do pedido de cidadãos chineses para reconhecimento e execução da decisão feita pelo Tribunal Popular Intermediário de Qingdao, o Tribunal Superior de Osaka (japonês: 大阪 高等 裁判 所) citou o caso Gomi Akira e considerou que não havia garantia mútua (reciprocidade) em reconhecimento e execução de sentença entre a China e o Japão, recusando-se a reconhecer a dita sentença chinesa Em 2015, no caso do pedido de Xia Shuqin (夏淑琴) para reconhecer e executar a sentença proferida pelo Tribunal Popular Primário de Xuanwu do Município de Nanjing (referido como o “Caso Xia Shuqin”), o Tribunal Superior de Tóquio (japonês : 東京 高等 裁判 所) também citou o caso Gomi Akira e se recusou a reconhecer e fazer cumprir a sentença chinesa.

Os juízes chineses já prestaram atenção às decisões dessas duas cortes japonesas, como Chen Liang (陈亮) e Jiang Xin (姜 欣), dois juízes do Tribunal Popular Intermediário de Nanjing da província de Jiangsu [1]. O juiz Jiang Xin é o juiz que conhece o caso do pedido do Kolmar Group AG para o reconhecimento e execução de uma decisão do tribunal de Cingapura. Nesse caso, é a primeira vez que a China reconhece e executa uma sentença estrangeira com base na reciprocidade. Shen Hongyu (沈 红雨), uma juíza do SPC, também mencionou tal caso em seus artigos [2], e expressou sua opinião explicitamente de que o caso Gomi Akira levou à recusa adicional dos tribunais japoneses em reconhecer as decisões dos tribunais chineses com base na reciprocidade, como no Caso Xia Shuqin. Como resultado, o juiz Shen acredita que, no contexto mais amplo da Belt and Road Initiative, é necessário que os tribunais chineses determinem razoavelmente os padrões aplicáveis ​​do princípio de reciprocidade, promovendo assim a cooperação internacional no reconhecimento transfronteiriço e execução de sentenças judiciais .

Pode-se ver que, como implicitamente afirmado por esses juízes chineses, no momento, os tribunais chineses realmente lamentam o inesperado mal-entendido dos tribunais estrangeiros causado por este caso. No entanto, eles não sugeriram que o SPC revisaria melhor sua resposta ao caso Gomi Akira, o que acreditamos ser compreensível, uma vez que a opinião do SPC sobre o caso está apenas na forma de uma "resposta" (答复) ao invés de uma "resposta ”(批复). O primeiro é teoricamente não vinculativo para todos os tribunais locais, enquanto o último é uma interpretação judicial juridicamente vinculativa. O professor japonês Yasuhiro Okuda também percebeu isso e apontou que a resposta do SPC em 1995 é 

“Obrigatório para o caso pendente no Tribunal Popular Superior da Província de Liaoning, mas no futuro o SPC pode chegar a uma conclusão diferente para outros casos.” [3]

Portanto, acreditamos que o SPC está atualmente ansioso para adotar uma determinada forma de resolver o impasse entre a China e o Japão causado pelo caso Gomi Akira.

2. Como a China e o Japão podem resolver o impasse?

Podemos inferir possíveis opções a partir da interpretação judicial que a SPC está elaborando. 

O SPC está atualmente trabalhando em uma interpretação judicial do reconhecimento e execução de sentenças estrangeiras, que será promulgada em 2019 de acordo com seu plano. Introduzimos anteriormente um artigo escrito por Song Jianli (宋建立), um juiz do SPC, no qual ele mencionou várias disposições importantes do projeto de interpretação judicial.

De acordo com o juiz Song, os tribunais chineses adotarão três padrões para determinar se a reciprocidade é estabelecida entre a China e o país estrangeiro:

  • Reciprocidade de fato: o tribunal estrangeiro tem um precedente para o reconhecimento de uma sentença chinesa;
  • Reciprocidade presumida: o tribunal estrangeiro não se recusou a reconhecer ou executar as sentenças chinesas com base na falta de reciprocidade;
  • Reciprocidade de jure: de acordo com as leis do Estado do foro, uma decisão chinesa pode, nas mesmas circunstâncias, ser reconhecida e executada por um tribunal estrangeiro.

Como os tribunais japoneses se recusaram a reconhecer as sentenças dos tribunais chineses, é difícil para os tribunais chineses determinarem o estabelecimento de reciprocidade entre a China e o Japão com base na reciprocidade presuntiva e reconhecer a sentença japonesa de acordo. Portanto, podemos considerar instar os tribunais chineses a reconhecerem as sentenças japonesas com base em de fato reciprocidade ou de jure reciprocidade.

Opção A: para resolver o impasse com base em reciprocidade de fato (O Japão, em primeiro lugar, deve reconhecer e fazer cumprir a sentença chinesa)

Se quisermos que os tribunais chineses reconheçam uma decisão do tribunal japonês com base na reciprocidade de fato, a premissa necessária é que o tribunal japonês tenha reconhecido e executado a decisão do tribunal chinês antes. Como resultado, se o tribunal japonês entender os esforços do SPC em reconhecer sentenças estrangeiras e suas mudanças de atitude e, consequentemente, reconhecer uma decisão do tribunal chinês, então o tribunal chinês pode concluir que existe reciprocidade entre a China e o Japão neste fundamento. Além disso, se o tribunal chinês subsequentemente reconhecer uma decisão de um tribunal japonês na prática, pode produzir um sinal positivo para o tribunal japonês. Nesse ponto, o impasse entre a China e o Japão será completamente rompido.

Esta abordagem requer a confiança dos tribunais japoneses nos tribunais chineses e também em um caso real.

Opção B: para resolver o impasse com base em reciprocidade de jure (China em primeiro lugar para reconhecer um julgamento japonês)

Se o tribunal chinês acreditar que a sentença chinesa pode ser reconhecida e executada no Japão de acordo com as leis japonesas (mesmo que tenha sido realmente recusado para ser reconhecido e executado antes), então o tribunal chinês também pode reconhecer a sentença japonesa. Até onde sabemos, o Japão afrouxou os critérios para determinar a reciprocidade. Exceto pela recusa em reconhecer as decisões dos tribunais chineses por causa do caso Gomi Akira, o Japão quase não se recusou a reconhecer as decisões de outros países com base na reciprocidade. Portanto, teoricamente falando, os tribunais chineses podem dar o primeiro passo com base no reciprocidade de jure e reconhecer unilateralmente os julgamentos japoneses primeiro.

Essa abordagem exige que os tribunais chineses “ignorem” os precedentes em que o Japão se recusou a reconhecer as sentenças chinesas. Por enquanto, a atitude dos tribunais chineses a esse respeito é muito pragmática, então a possibilidade existe. Claro, isso também requer um caso real.

Opção C: o SPC e a Suprema Corte do Japão para assinar um memorando

O SPC e a ASEAN chegaram a um consenso sobre o reconhecimento e execução de decisões judiciais na forma de uma declaração do fórum (a declaração de Nanning) O SPC e a Suprema Corte de Cingapura acabam de assinar um memorando relativa ao reconhecimento mútuo e à execução de decisões. Se o SPC e a Suprema Corte do Japão também assinarem um memorando semelhante, será a forma mais eficaz de resolver o impasse entre os dois países.

Considerando que tal declaração ou memorando não constitui um tratado internacional, o SPC tem autoridade suficiente para assinar tal documento. Na verdade, esta é uma das razões pelas quais o SPC recentemente fez questão de assinar documentos semelhantes.

3. Conclusão

Acreditamos que o SPC está disposto e entusiasmado o suficiente para resolver o impasse entre a China e o Japão em reconhecimento mútuo e execução de sentenças judiciais. Especulamos que os tribunais japoneses podem ter desejos semelhantes. Afinal, China e Japão são os parceiros comerciais mais importantes um do outro.

O ponto principal agora é: há confiança mútua suficiente entre os tribunais chineses e japoneses, e qual método é o mais viável para resolver o impasse?

Talvez possamos tentar testar a atitude de um tribunal chinês ou de um tribunal japonês em um caso real.

 

Observações:

[1] 陈亮, 姜 欣. 承认 和 执行 外国 法院 判决 中 互惠 原则 的 现状 、 影响 与 改进 —— 从 以色列 承认 和 执行 南通 中 院 判决 案 出发 [J]. 法律 适用, 2018 (05): 16-23.

[2] 沈 红雨. 外国 民 商 事 判决 承认 和 执行 若干 疑难 问题 研究 [J]. 法律 适用, 2018 (05): 9-15.

[3] Okuda, Yasuhiro. "Requisito de inconstitucionalidade de reciprocidade para reconhecimento e execução de sentenças estrangeiras no Japão." Frontiers of Law in China 13.2 (2018): 159-170, p. 165

 

 

Contribuintes: Guodong Du 杜国栋 , Meng Yu 余 萌

Salvar como PDF

você pode gostar também

Decodificando o ponto de virada: uma análise mais detalhada do reconhecimento da falência japonesa pela China

Este artigo de acompanhamento centra-se na análise detalhada do Tribunal Chinês do caso da Shanghai International Corporation em 2023, destacando a importância da reciprocidade em processos de falência transfronteiriços e sublinhando a abordagem em evolução da China para reconhecer sentenças estrangeiras (Ver In re Shanghai International Corporation (2021 ) Hu 03 Xie Wai Ren No.1).

Assim Falaram os Juízes Chineses sobre o Reconhecimento e Execução de Sentenças Estrangeiras: Percepções dos Juízes do Supremo Tribunal Chinês sobre a Emenda da Lei de Processo Civil de 2023 (4)

A Lei de Processo Civil de 2023 introduz regulamentações sistemáticas para melhorar o reconhecimento e a execução de sentenças estrangeiras, promovendo a transparência, a padronização e a justiça processual, ao mesmo tempo que adota uma abordagem híbrida para determinar a jurisdição indireta e introduz um procedimento de reconsideração como recurso legal.

Tribunal de Wenzhou da China reconhece decisão monetária de Cingapura

Em 2022, um tribunal chinês local em Wenzhou, província de Zhejiang, decidiu reconhecer e executar uma decisão monetária proferida pelos tribunais estaduais de Singapura, conforme destacado num dos casos típicos relacionados com a Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) recentemente divulgado pela China. Supremo Tribunal Popular (Shuang Lin Construction Pte. Ltd. v. Pan (2022) Zhe 03 Xie Wai Ren No.4).

Encruzilhada legal: Tribunal canadense nega julgamento sumário para reconhecimento de julgamento chinês quando confrontado com processos paralelos

Em 2022, o Tribunal Superior de Justiça de Ontário do Canadá recusou-se a conceder uma sentença sumária para executar uma sentença monetária chinesa no contexto de dois processos paralelos no Canadá, indicando que os dois processos deveriam prosseguir em conjunto, pois havia sobreposição factual e jurídica, e passível de julgamento. questões envolviam defesas da justiça natural e políticas públicas (Qingdao Top Steel Industrial Co. Ltd. v. Fasteners & Fittings Inc. 2022 ONSC 279).