Observador de Justiça da China

中 司 观察

InglêsArabeChinês (simplificado)DutchFrancêsAlemãohindiItalianoJapaneseKoreanPortuguêsRussoEspanholsuecohebraicoIndonesianvietnamitatailandêsturcoMalay

Como a polícia e os procuradores chineses coletam dados eletrônicos em casos criminais?

Dom, 04 de setembro de 2022
Categorias: Insights
Contribuintes: Guodong Du 杜国栋

avatar

 

Principais tópicos:

  • Apreensão de dispositivos de armazenamento eletrônico e extração de dados eletrônicos são os dois métodos legais para a polícia e procuradores chineses coletarem dados eletrônicos.
  • Diferentes abordagens seriam aplicadas quando se trata da coleta de dados eletrônicos localizados na China e aqueles localizados fora da China.
  • As Disposições de 2016 são as primeiras regras na China que permitem que a polícia acesse remotamente os dados eletrônicos localizados em servidores no exterior online, mas não menciona a assistência judiciária criminal internacional.
  • As Regras de 2019 alteram as Disposições de 2016, indicando respeito à soberania de dados estrangeiros. De acordo com as regras de 2019, em termos de dados eletrônicos no exterior, a polícia da China pode extraí-los on-line remotamente onde já foram publicados ao público. No entanto, caso não tenha sido divulgado, a polícia da China não pode extraí-lo online.

 

A polícia e procuradores chineses podem coletar dados eletrônicos por meio da apreensão de dispositivos de armazenamento eletrônico e extração de dados eletrônicos. Também é digno de nota que diferentes abordagens se aplicariam quando se trata da coleta de dados eletrônicos localizados na China e aqueles localizados fora da China.

I. Normas sobre a Coleta de Dados Eletrônicos em Processos Criminais

Na China, o conjunto de regras sobre coleta eletrônica de dados em casos criminais data de 2010. Posteriormente, o Supremo Tribunal Popular da China (SPC), a Suprema Procuradoria Popular (SPP) e o Ministério da Segurança Pública formularam uma série de regras sobre dados eletrônicos questões em julgamentos criminais, processos e investigações. Existem quatro documentos principais.

1. Os Pareceres sobre Diversas Questões relativas à Aplicação da Lei no Tratamento de Processos Criminais de Jogo Online, promulgados em 2010 (os “Parecer 2010”, 关于办理网络赌博犯罪案件适用法律若干问题的意见)

Este é o primeiro conjunto de regras da China sobre dados eletrônicos em casos criminais, que foi promulgado pelo SPC, o SPP e o Ministério da Segurança Pública em 31 de agosto de 2010.

De acordo com os Pareceres de 2010, os órgãos de investigação devem extrair, copiar e preservar dados eletrônicos, como páginas de sites, registros de conexão à internet, e-mails, contratos eletrônicos, registros eletrônicos de transações e livros contábeis eletrônicos, que possam servir de prova criminal para provar os fatos de cometer um crime de jogo, e deve apresentar explicações por escrito sobre o processo de coleta, cópia e preservação de tais dados eletrônicos.

No entanto, os Pareceres de 2010 não estabelecem requisitos mais específicos para os métodos de recolha electrónica de dados.

2. Os Pareceres sobre Várias Questões Relativas à Aplicação de Processos Criminais no Tratamento de Casos Criminais baseados na Internet, promulgados em 2014 (os “Parecer 2014”, 关于办理网络犯罪案件适用刑事诉讼程序若干问题的意见)

Os Pareceres de 2014 foram promulgados pela SPC, pela SPP e pelo Ministério da Segurança Pública em 4 de maio de 2014.

Os Pareceres de 2014 fornecem as seguintes duas formas de recolha de dados eletrónicos pela primeira vez:

(1) obter os dispositivos de armazenamento originais;

(2) extrair diretamente os dados eletrônicos caso os dispositivos de armazenamento originais não possam ser acessados.

3. As Disposições sobre Diversas Questões Relativas à Coleta, Extração, Exame e Julgamento de Dados Eletrônicos no Tratamento de Processos Criminais, promulgadas em 2016 (as “Disposições de 2016”, 关于办理刑事案件收集提取和审查判断电子数据若)干问判断电子数据若干问阤断电子数据若的觍若

As Disposições de 2016 foram promulgadas pela SPC, pela SPP e pelo Ministério da Segurança Pública em 9 de setembro de 2016.

As Disposições de 2016 estabelecem as primeiras regras da China específicas para dados eletrônicos em casos criminais. As Provisões de 2016 abrangem principalmente os seguintes aspectos:

(1) os métodos que a polícia (órgãos de investigação) usa para coletar e extrair dados eletrônicos;

(2) como os dados eletrônicos são demonstrados e transferidos da polícia para os procuradores públicos (procuratorates) e dos procuradores públicos para os tribunais; e

(3) como os tribunais examinam e revisam os dados eletrônicos.

4. As Regras sobre Obtenção de Dados Eletrônicos no Tratamento de Processos Criminais pelas Autoridades de Segurança Pública, promulgadas em 2019 (as “Regras de 2019”, 公安机关办理刑事案件电子数据取证规则)

O Regulamento de 2019 foi promulgado pelo Ministério da Segurança Pública e entrou em vigor a partir de 1 de fevereiro de 2019. O Regulamento de 2019 trata apenas da forma como a polícia, enquanto órgão de investigação, trata os dados eletrónicos no processo de investigação de processos criminais. 

As Regras de 2019 esclarecem ainda seis métodos pelos quais a polícia pode coletar dados eletrônicos:

(1) a polícia pode apreender e lacrar os dispositivos de armazenamento originais;

(2) a polícia pode extrair dados eletrônicos dos dispositivos de armazenamento originais no local onde os dispositivos de armazenamento originais não podem ser apreendidos;

(3) para os dados eletrônicos divulgados ao público e os dados eletrônicos no sistema de informação de computador remoto doméstico, a polícia pode acessar os dados on-line através da rede;

(4) quando a recuperação de dados eletrônicos for inconveniente devido ao grande volume de dados e ao longo tempo necessário para extraí-los, a polícia pode congelar os dados eletrônicos nos dispositivos de armazenamento originais para evitar que sejam adulterados ou danificados;

(5) a polícia também pode solicitar a entidades e indivíduos relevantes que recuperem os dados eletrônicos ou solicitar que forneçam dados relevantes; e

(6) quando os dispositivos de armazenamento originais não puderem ser apreendidos, os dados eletrônicos não puderem ser extraídos e os dados eletrônicos se autodestruírem, a polícia poderá localizar as provas imprimindo, fotografando ou gravando.

II. Regras para a Coleta de Dados Eletrônicos no Exterior

Todos os quatro documentos mencionados acima também envolvem a questão de como a China coleta dados eletrônicos no exterior em casos criminais. Os destaques são resumidos a seguir:

1. Os Pareceres de 2010

Quando os dados eletrônicos estiverem armazenados em computador no exterior, a polícia ainda o tomará como prova criminal para extrair, copiar, preservar e registrar o processo. O registro deve ser assinado por uma testemunha que possa atestar o processo.

2. Os Pareceres de 2014

Quando os dispositivos de armazenamento originais nos quais os dados eletrônicos estão armazenados estiverem localizados no exterior e a polícia não tiver acesso aos dispositivos de armazenamento originais, a polícia poderá extrair os dados eletrônicos.

No entanto, os Pareceres de 2014 não esclarecem como a polícia extrai os dados eletrônicos. Por exemplo, não está claro se a polícia chinesa pode ir ao local onde os dispositivos de armazenamento originais estão localizados e extraí-los no local ou remotamente pela rede.

O Parecer de 2014 também é omisso sobre se a extração de tais provas deve ser realizada por meio de assistência judicial internacional.

3. As Disposições de 2016

Quando os dispositivos de armazenamento originais nos quais os dados eletrônicos são armazenados estiverem localizados no exterior e a polícia não tiver acesso aos dispositivos de armazenamento originais, a polícia poderá extrair os dados eletrônicos, como extrair on-line pela Internet.
Esta é a primeira vez que a China estipula que a polícia pode acessar remotamente dados eletrônicos localizados em servidores no exterior online. Mas, novamente, não faz menção à assistência judiciária criminal internacional.

Portanto, alguns estudiosos na China levantaram dúvidas sobre se as Disposições de 2016 entram em conflito com a segurança cibernética e a soberania de dados de outros países, o que levou ao resultado de que as Regras de 2019 ajustaram a prática da polícia de extração de dados eletrônicos no exterior.

4. As 2019 Regras

Para os dados eletrônicos divulgados ao público e os dados eletrônicos no sistema de informação de computador remoto doméstico, a polícia pode acessar os dados on-line através da rede.

As Regras de 2019 alteram as Disposições de 2016, indicando respeito à soberania de dados estrangeiros.

De acordo com as regras de 2019:

(1) Em termos de dados eletrônicos no exterior, a polícia da China pode extraí-los on-line remotamente onde já foram publicados ao público. No entanto, caso não tenha sido divulgado, a polícia da China não pode extraí-lo online.

(2) Em termos de dados eletrônicos armazenados em sistemas de informação de computador remotos na China, a polícia chinesa pode extraí-los remotamente online.

 

 

 

Foto por charlesdeluvio on Unsplash

Contribuintes: Guodong Du 杜国栋

Salvar como PDF

você pode gostar também

Resolução de disputas de comércio eletrônico transfronteiriço aos olhos dos tribunais chineses

O crescente comércio eletrônico transfronteiriço na China resultou em um aumento concomitante de disputas transfronteiriças entre exportadores chineses, plataformas chinesas de comércio eletrônico, consumidores estrangeiros e plataformas de comércio eletrônico no exterior. Juízes do Tribunal de Internet de Hangzhou compartilharam suas reflexões sobre o julgamento de casos de comércio eletrônico transfronteiriço.