Observador de Justiça da China

中 司 观察

InglêsArabeChinês (simplificado)NeerlandêsFrancêsAlemãohindiItalianoJaponesaCoreanaPortuguêsRussoEspanholsuecohebraicoIndonesianVietnamitatailandêsturcoMalay

Aplicação da CISG pelos tribunais chineses

Dom, 09 de outubro de 2022
Categorias: Insights
Contribuintes: Meng Yu 余 萌

avatar

 

Principais tópicos:

  • Como a China manteve a declaração de vinculação pelo subparágrafo (1)(b) do Artigo 1 da CISG, existem apenas duas situações em que a CISG pode ser aplicável na China. Uma situação comum é quando as partes têm seus locais de negócios em diferentes Estados Contratantes (subparágrafo (1) (a) do artigo 1 da CISG), e a outra é quando uma ou ambas as partes têm seu(s) local(is) de negócios em um Estado não contratante, mas as partes optam por aplicar a CISG.
  • Como o Supremo Tribunal Popular da China aponta, o UNCITRAL Digest of Case Law sobre a CISG não é considerado parte integrante da CISG e não pode ser usado como base legal para os tribunais chineses ouvirem casos, no entanto, para fins de interpretação precisa de as disposições relevantes da CISG, os tribunais chineses podem consultar o Digest conforme apropriado.
  • Para assuntos não cobertos pela CISG, como a validade do contrato e o título de bens, eles são regidos pela lei aplicável em virtude das regras de direito internacional privado chinês (como a regra da autonomia das partes). 

Em 1988, a Convenção das Nações Unidas sobre Contratos para a Venda Internacional de Mercadorias (doravante denominada “CISG”) tornou-se juridicamente vinculativa na China, que é um dos primeiros Estados Contratantes. Então, como a CISG é aplicada pelos tribunais chineses?

O artigo "Aplicação da Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Venda Internacional de Mercadorias nos Tribunais Chineses” (联合国国际货物销售合同公约在中国法院的适用) publicado em “Judicatura do Povo” (人民司法) (No. 31, 2021) por Wang Haifeng (王海峰), um juiz do Supremo Tribunal Popular (SPC) Zhang Silu (张丝路), um estudioso da Northwest University of Political Science and Law of China, pode nos fornecer uma perspectiva sobre essa questão.

I. A que tipo de casos os tribunais chineses aplicam a CISG?

De acordo com uma afirmação feita pela China, a China não se considera vinculada pela alínea b) do n.º 1 do artigo 1.º.

Assim, existem apenas duas situações em que a CISG pode ser aplicável na China:

Situação 1: as partes têm seus estabelecimentos comerciais nos diferentes Estados Contratantes.

Especificamente, os tribunais chineses aplicarão a CISG de acordo com o subparágrafo (1) (a) do Artigo 1 da CISG.

Em outras palavras, para a aplicação da CISG pelos tribunais chineses, três condições devem ser atendidas: (1) as partes tenham seus estabelecimentos comerciais em estados diferentes; (2) as partes tenham seus estabelecimentos comerciais em Estados que sejam Estados Contratantes da CISG; e (3) as partes não excluíram a aplicação da CISG.

No Guiding Case nº 107, ou seja, ThyssenKrupp Metallurgical Products Gmbh v. Sinochem International (Overseas) Pte Ltd. para uma disputa sobre um contrato de venda internacional de mercadorias, o SPC determinou três regras mais específicas para a aplicação da CISG pelos tribunais chineses :

Em primeiro lugar, quando as partes tiverem seus estabelecimentos comerciais nos diferentes Estados Contratantes, a CISG deverá ser aplicada preferencialmente;

Em segundo lugar, quando as partes excluirem a aplicação da CISG, deverão propor expressamente no processo de julgamento;

Terceiro, onde a CISG for aplicada, a lei aplicável acordada pelas partes somente será aplicável às questões não cobertas pela CISG.

Situação 2: uma ou ambas as partes têm seu(s) estabelecimento(s) em um Estado não Contratante, mas as partes optam por aplicar a CISG.

De fato, essa escolha deve ser considerada como se as partes incorporaram a CISG ao contrato entre elas.

II. Como os tribunais chineses aplicam a CISG?

1. Os tribunais chineses ignorarão a CISG?

Em alguns casos, em particular, em primeira instância, os tribunais chineses podem ignorar a aplicação da CISG porque não estão familiarizados com ela.

Para suas práticas comuns, esses tribunais de primeira instância podem decidir aplicar a lei chinesa com base na autonomia das partes, no método de atuação característico ou no princípio da relação mais significativa.

No entanto, a maioria dessas práticas erradas será corrigida pelos tribunais de apelação em segunda instância.

Além disso, em alguns casos, alguns tribunais chineses sustentam que os contratos internacionais de fabricação (como contratos de processamento com materiais fornecidos), que são comumente vistos no comércio de importação e exportação da China, não pertencem a contratos de vendas internacionais e, portanto, se recusam a aplicar o CISG. Atualmente, a questão ainda é controversa na China.

2. Como os tribunais chineses interpretam a CISG?

No Caso Orientador nº 107, o SPC destaca expressamente que o Resumo da Jurisprudência da UNCITRAL sobre a Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (doravante denominado “Sumário”) não é parte integrante da CISG e não pode ser usado como base legal para os tribunais chineses julgarem casos. No entanto, para fins de interpretação precisa das disposições relevantes da CISG, os tribunais chineses podem consultar o Digest conforme apropriado.

Nos casos orientadores acima, o SPC se referiu às decisões de outros Estados sobre as disposições de violação fundamental da CISG previstas no Digest.

3. Como os tribunais chineses tratam de questões não cobertas pela CISG?

(1) Matérias não regidas pela CISG

A CISG deixou claro que não será aplicável a alguns assuntos, como a venda de ações, ações e títulos de investimento (Art. 2 (d)), a validade do contrato, título/propriedade dos bens ( Art. 4 (a) (b)).

Essas questões serão regidas pela lei aplicável em virtude das regras de direito internacional privado chinês (como a regra da autonomia das partes). Por exemplo, se as partes escolheram a lei que rege o contrato, então esses assuntos não cobertos pela CISG estarão sujeitos a esta lei de regência.

(2) Matérias regidas pela CISG, mas não cobertas por ela

De acordo com o parágrafo 2 do artigo 7 da CISG, tais questões devem ser resolvidas em conformidade com os princípios gerais em que se baseia ou, na falta de tais princípios, em conformidade com a lei aplicável em virtude das regras de direito privado. lei internacional.

Por exemplo, de acordo com o artigo 26 da CISG, uma declaração de rescisão do contrato só é efetiva se feita por notificação à outra parte. No entanto, este artigo não especifica o prazo de vigência da declaração de elisão, ou seja, seja o momento em que é enviada ou quando é devidamente notificada.

A esse respeito, um tribunal chinês distinguiu, em um caso, entre a declaração de rescisão do contrato e o descumprimento pelo vendedor da obrigação de notificação do parágrafo 2 do artigo 47 da CISG, de acordo com as disposições sobre atraso na notificação no artigo 27 da CISG. Com base nisso, o tribunal decidiu que a declaração de rescisão do contrato deve estar sujeita ao princípio da eficácia no envio.

Por outro exemplo, de acordo com o artigo 78 da CISG, se uma parte deixar de pagar o preço ou qualquer outra quantia em atraso, a outra parte terá direito a juros. No entanto, a CISG não prevê o cálculo de juros, nem os princípios jurídicos gerais nos quais a CISG se baseia. Portanto, os tribunais chineses aplicarão as regras de cálculo de juros na lei aplicável escolhida pelas partes.

 

Foto por Kaiyu Wu on Unsplash

 

 

Contribuintes: Meng Yu 余 萌

Salvar como PDF

você pode gostar também

Como os juízes chineses reconhecem as sentenças de falência estrangeiras

Em 2021, o Tribunal Marítimo de Xiamen decidiu, com base no princípio da reciprocidade, reconhecer a ordem do Supremo Tribunal de Cingapura, que designou um titular de insolvência. O juiz de primeira instância compartilha sua opinião sobre a revisão da reciprocidade em pedidos de reconhecimento de sentenças de falência estrangeiras.